O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

2 de mai de 2016

O RISCO DO IMPEACHMENT
Quando foi visitado por Renan Calheiros, lá no Supremo Aparelho Federal, Ricardo Lewandowski aproveitou e deu um jeito de ser convidado a presidir o julgamento de Dilma no Senado.  Pediu e levou. Se a democracia que ora começa a substituir o regime de gabinete cheio de gaveteiros corre algum risco, este risco se chama Lewandowski.

JOGO DURO
No placar da desfaçatez e da imoralidade pública e notória, Eduardo Cunha está perdendo pelo ajustado marcador de oito inquéritos contra nove de Renan Calheiros. Mas ninguém se anima apostar contra a possibilidade de Cunha virar o jogo logo ali adiante. Basta um pequeno descuido de Renan para Cunha chegar à vitória.

A SAÍDA DE LULA
Lula está que perdeu até a voz de tanto rezar pra Deus e o diabo na terra do sol para não passar pela Vara de Sérgio Moro antes de poder anunciar-se candidato à Presidência em 2018. É que o anúncio agora seria propaganda antecipada. Isso inviabilizaria o registro daquilo que Lula mal pode esperar. Sei não, mas quem duvidar é bobo: assim que Dilma dançar, Lula entra no salão. Essa entrada é a única saída de mãos limpas para Lula. Limpas de adereços com chave.

INDA QUE MAL PERGUNTE...
Assim que fizer as malas e transferir domicílio e residência de Brasília para as Gerais de nascença, ou para o Sul do seu coração, a mudança de Dilma terá mais ou menos que 11 caminhões de tralhas e bugigangas?!?

O MANTRA

Ao conceder, dadivosa e furibunda, 9% de aumento no valor do Bolsa Família, Dilma Coração Irado mostrou o quanto é distorcido o seu senso de prioridades. Não paga as contas, mergulha o país numa crise sem precedentes e "faz bonito" para quem está desempregado, justamente por causa do seu governo destrambelhado. E assim, ela repete o mantra do PT e seus satélites: a riqueza desse governo é a miséria dos governados.

Nesse meio tempo, Gilmar Mendes barrou um crédito extra de R$ 100 milhões para publicidade da Presidência da República. Ele baixou liminar impedindo gastos extras do governo. O supremo ministro achou - e ainda bem que achou - que não há nenhuma urgência para que fosse baixado o decreto de mais essa medida provisória da Dilmaluca. Nauseabunda / Dilmaluca hoje é / A Furibunda.