O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

2 de ago de 2015

VOCÊ SABIA?..
Os incansáveis senhores deputados também são insaciáveis... Eles gastaram de fevereiro a junho desses tempos bicudos, nada mais nem menos de que R$ 1 milhão só em restaurantes. Ao preço de São Paulo, onde a unidade beira os 400 reais, eles poderiam ter devorado mais de 2.500 cestas básicas.

LUZ MAIS CARA
Você está achando as contas de luz um absurdo? Pois não se amofine, o governo já está anunciando que elas vão ficar mais caras em agosto. É a melhor campanha para mostrar que a criatura é tão mentirosa quanto o seu criador.

DUQUE À BEIRA
DA DELAÇÃO

Para quem acha que os presos da Lava Jato são tão fieis e companheiros que se sintam honrados com o silêncio bom e batuta à espera de 30 anos de cadeia, saiba que estão dando com os burros n'água. A maioria já está achando um desaforo o abandono que a chefia lhes dedica enquanto goza o pleno sol da liberdade. O mais novo candidato a delator premiado é Renato Duque. Seus advogados, Alexandre Lopes e Marlus Alves já sinalizaram que um acordo de delação "é possível". Então isso quer dizer mais do que uma ameaça de retorno de Zé Dirceu à sua cela, sua vida; mais que pura complicação para o PT e seus tesoureiros; isso quer dizer que o cabeção do esquema já está entrando em pânico.

VALEU VER E OUVIR
DELTAN DALLAGNOL
O fim da corrupção endêmica não será pela mudança de um governante.

A mirolhada que, neste fim de semana, dei nas falas do procurador Deltan Dallagnol, coordenador da temida e incansável força-tarefa da Operação Lava Jato, de pronto, me fez refletir de tal forma que me deixou cabreiro com relação às manifestações marcadas para daqui a duas semanas.

E fiquei com gosto por esse 16 de agosto.

Mas não tanto que chegue a me empurrar uma vez mais às ruas. É que, como calma e serenamente disse o ponderado procurador Dallagnol "elas estão com uma característica de manifestação por impeachment". Aí, ele parou um pouquinho e eu parei na dele: "a gente não acredita que o fim da corrupção endêmica vai ser pela mudança de um governante".

Pô, minhas queridas companheiras e meus diletos companheiros, é isso aí... Não adianta nada trocar alhos por bugalhos. Se Dilma Vana der os doces, quem vai comer a sobremesa? Michel Temer, Eduardo Cunha, ou Lewandowski. E aonde isso vai nos levar?

O mal do Brasil é que a política é caso de polícia. E o bom para os brasileiros de boa índole é que a atuação da Lava Jato não é política.

De minha parte, já não escuto o que vociferam deputados, senadores, governadores, donos de siglas partidárias sejam lá do tamanho e feitio que forem. Assim como a Lava Jato adotou o follow the money para desbaratar o crime organizado que saiu das ruas e se infiltrou no Estado, I follow the car wash. Vou pela Lava Jato.

E vou feliz da vida por que me dou conta de que a Lava Jato é, sem figura de retórica, a luz no fim do túnel. Pena que outras ditaduras por esse mundo afora não tenham também as suas versões de Operação Lava Jato.

A Argentina, Bolívia,Venezuela, para ficar apenas com esses estropícios vizinhos aqui desse Cone Sul do mundo, estão precisando tomar um banho desse novo Brasil que a Lava Jato vem limpando. Bom pra mim que me alegro de que no soy hermano de ese triste pandilla de frontera.