O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

23 de fev de 2016

MÍDIA FALSA:
"CAMPANHAS DE SANTANA PARA O PT NÃO TIVERAM CAIXA-2"

Em estado de dúvida, suspende o juízo. E lá se foram então os advogados de defesa do inocente João Santana, marqueteiro do PT, de Lula e da Dilma, à cata de uma brecha a favor do seu cliente.

E seguindo os passos de Pitágoras, acharam no meio do relatório dos investigadores que pediram a prisão de João Santana, o Feira para os mais íntimos, que os valores pagos pelo partido para as campanhas de Lula, Dilma e HaHaHaddad "foram todos declarados".

Isto posto, já saíram espalhando que "as campanhas de João Santana para o PT não tiveram caixa-2, segundo a Polícia Federal".

O que eles não dizem e nem espalham é que a simples, corriqueira e obrigatória declaração de valores recebidos, não limpa a sujeira nenhuma se o dinheiro vem da propina; se a grana descomunal saiu dos cofres da Petrobras que hoje anda caindo pelas tabelas.

GAIATICE

Gaiatamente, eles não disseram nada sobre a declaração peremptória e reveladora do procurador Carlos Fernando dos Santos Lima - um dos cabeças da turma de procuradores da Lava Jato: "há um indicativo claro de que esses valores tenham origem em corrupção da própria Petrobras".

A Polícia Federal considera que "é extremamente improvável que a destinação de recursos espúrios e provenientes da corrupção na Petrobras, a João Santa e a mulher dele no exterior, esteja desvinculada dos serviços que prestaram ao PT".

Para os investigadores da Lava Jato "João Santa e Mônica Moura tinham conhecimento da origem espúria dos recursos e - atenção aí, gente! - "por mais que tenham declarado ao Fisco lucros e dividendos, ainda assim ocultaram o recebimento de valores no exterior mediante expedientes notoriamente fraudulentos".

E ENTÃO CHEGAMOS

Chegamos pois, aonde todos queriam chegar:

1) os defensores de João Santana, o "Feira" para assuntos de comissão e de sua mulher, Mônica Moura chegaram sugerindo suspensão de qualquer juízo em razão da dúvida em que tropeçaram, seguindo os passos de Pitágoras;

2) os investigadores da Lava Jato, following the marketeer, chegaram aos estoques de novas algemas e esfuziantes tornozeleiras eletrônicas para os mesmo espertalhões de sempre que mal-e-mal conhecem Lula e Dilma, por que lidam mesmo é com o partido como instituição pagadora, muito mais arrecadadora do que receptadora de produto ilícito;

3) os investigadores, delegados, promotores, procuradores e juízes da Lava Jato, seguindo o caminho do dinheiro, chegaram a conclusões como essas que não deixam a menor dúvida: "por mais que tenham declarado ao Fisco lucros e dividendos, ainda assim ocultaram o recebimento de valores no exterior mediante expedientes notoriamente fraudulentos".

4) e os brasileiros de boa índole, sem nada mais firme, ético, moral e eficaz do que o grupo da Lava Jato, chegaram todos, por unanimidade, à conclusão de que o PT é um Mosteiro cheio de santos; que Lula é um instituto que não sabe nada e está prestes a se queixar de mais uma "facada pelas costas" e que Dilma é outra que não sabe de nada, não viu nada, não fez e nem faz nada. Só que não, pois Nelson Rodrigues já esculhambava tudo: "Toda unanimidade é burra!".

RODAPÉ - O que mais me anima e me prende a atenção em cada uma dessas fases da Lava Jato é o número, o peso e a disposição dos candidatos a delatores premiados que, a cada nova etapa, sempre surgem no meio dessa pandilha que tomou de assalto o Brasil.

A palavra de um delator premiado tem o peso e a medida exata do pavor pela prisão e pobreza a que serão relegados, caso mintam em seus depoimentos.

O que esses advogados, esses caciques políticos, esses capitães de indústria, empreiteiros, operadores, consultores, receptadores dizem, não merece um átimo de segundo de atenção.

Sua palavra tem tanta honradez e merece tanto respeito quanto merece honradez e respeito um desses presidentes de honra de qualquer partido político nesse Brasil da Silva. Imagine só o quanto me convence ou me importa a palavra do presidente de honra do PT.