O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

24 de fev de 2016

GOVERNO BLINDOU LULA
NA PIZZARIA DO BNDES

O governo trabalhou como nunca trabalhou pelo país, para livrar da CPI do BNDES a cara do pecuarista Zé Carlos Bujmlai, amigão de Lula; para tirar do espeto a cola de Dalton Avancini, ex-presidente da Camargo Corrêa e do impassível Marcelo Odebrecht, inocente aproveitador de boas e lucrativas empreitadas.

O Planalto reduziu a zero o ânimo do baiano Zé Rocha, relator da CPI que queria chamar a trinca dos maravilhosos mascarados para depor. E assim, brincando de desmoralizar o Parlamento e para blindar o imaculado companheiro Lula da Silva, o governo encomendou ao aparelho legislativo mais uma gloriosa pizza.

Isso confirma apenas duas coisas muito simples: 1) O governo Dilma sabe tudo que o Lula sabe das maracutaias com o BNDES - e quem sabe, tem medo; 2) CPI é uma instituição já extinta que os antigos usavam para trabalhar por um país, hoje é só um conclave de pizzaiolos.

VOCÊ SABIA?
A página "Memórias da Petrobras", sítio onde moravam as biografias dos seus maiores e melhores diretores, experts em instalar propinodutos, saiu do ar; tomou Doril e a lista sumiu.

No meio dos mais recentes desaparecidos da história virtual da Petrobras, estava o eficaz Armando Ramos Tripodi - velho braço direito do ex-presidente Sérgio Gabrielli, hoje ativo gerente de Responsabilidade Social daquela casa do petróleo que já foi nosso.

Armando Tripodi não está no Gibi da empresa, mas está na folha corrida da Polícia Federal, parte fundamental da Operação Lava Jato.

Outras figurinhas que também desapareceram do mapa e da memória da Petrobras são as de Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró, Renato Duque e Pedro Barusco.

PIMENTA NELES!

A moda agora, em qualquer recepção oficial que se preze é servir acarajé. Nesta terça-feira o Itamaraty ofereceu um almoço à vice-presidente da Argentina, Gabriela Michetti.

Lá estavam Ricardo Lewandowski e Arlindo Chinaglia, conversando sobre bulhufas, quando o garçom lhes ofereceu acarajés.

Arlindo Chinaglia, cheio de humor, deu confianças ao garçom: "Isso é provocação contra mim,ou contra o ministro?".

Ora que alegre, esse senhor... Qual a surpresa e qual a graça, afinal? Até parece que nenhum dos dois mereceria uma dose dupla de acarajés, temperados com uma dose tripla da mexicana habanero, pimenta forte, ardida e quente como a nossa furiosa malagueta. Quê acarajé, o quê... Pimenta "quente" neles!

PELA LEI DA SELVA...

Tá o Pelé paga até hoje o preço de não ter reconhecido uma filha, fruto de uma de suas escapadas das concentrações da Seleção Brasileira.

Tá, Zé Alencar, também se desgastou por que, mesmo sob a maior pressão, não reconheceu uma filha que teve fora do casamento.

Tá o Lula, também já andou pagando os pecados dele por essas coisas de riscar fora da caixa.

Mas querer glorificar o "caráter" de FHC porque reconheceu um filho da pauta que ele escreveu, não leu e o pau comeu com uma jornalista repentinamente boquirrota, também já é demais.

Pela lei da selva, nenhum deles merece se salvar: derrubou, tem que carregar. Basta ver a história do Tarzan...

Ele e Jane tiveram a Sheeta; pelo menos a adotaram. E todo mundo gosta deles, ninguém fala mal da Jane e nem do Tarzan.