O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

5 de mai de 2015

LULA USA IMPROPÉRIOS CONTRA
PROCESSO POR TRÁFICO DE INFLUÊNCIA
A imprensa é, uma vez mais, a culpada de tudo.

Se o Zé Dirceu que é o Zé Dirceu, um convincente trapalhão de negócios públicos de ocasião, conseguiu ficar milionário com suas consultorias, apelido para tráfico de interesses, fico imaginando se investigadores federais não podem suspeitar que Lula seria o bisonho arremedo de Zé Rico dessa mistura que, em ritmo de dramalhão sertanejo, bota a vida pública na privada.
Foto/ R. Stuckert/Inst.Lula
Agora, a revista Época deu cobertura ao que seria a investigação aberta pelo Ministério Público Federal contra Lula por ter "ajudado" a Odebrecht, em contratos bilionários.

O Ministério Público, segundo a revista, abriu processo contra o ex-presidente da República, hoje presidente de honra do PT, com trejeitos de vendedor ambulante de bons negócios para grandes obras superfaturadas, por tráfico internacional de influência.

A revista Época foi fundo: "Quando entregou a faixa presidencial a sua pupila, Dilma Rousseff, em janeiro de 2011, o petista Luiz Inácio Lula da Silva deixou o Palácio do Planalto, mas não o poder. 
Saiu de Brasília com um capital político imenso, incomparável na história recente do Brasil. 

Foto/ R. Stuckert/Inst.Lula
Manteve-se influente no PT, no governo e junto aos líderes da América Latina e da África – líderes, muitos deles tiranetes, que conhecera e seduzira em seus oito anos como presidente, a fim de, sobretudo, mover a caneta de seus respectivos governos em favor das empresas brasileiras. Mais especificamente, em favor das grandes empreiteiras do país, contratadas por esses mesmos governos estrangeiros para tocar obras bilionárias com dinheiro, na verdade, do Banco Nacional de Desenvolvimento, o BNDES, presidido até hoje pelo executivo Luciano Coutinhoapadrinhado de Lula".

Lula soube da reportagem lá em São Paulo, no justo momento em que tinha um microfone na mão, durante a quermesse da CUT e de uns que outros exércitos de pelegos vermelhos bem-remunerados no Dia do Trabalho.

Lula teve a oportunidade de mostrar quem ele é, mas conseguiu apenas "enfileirar um jornalista dentro do outro" para dizer que eles não chegam aos 10% de sua honestidade "neste país".

Mas Lula, às vezes se parece mais que um lobista em tempo integral, um contumaz destruidor de reputações. Ao invés de defender-se das injúrias, calúnias, difamações, ele preferiu atacar a imprensa.

E o pior: foi, como sempre, só dos dentes pra fora. Pura bravata, pura bazófia.

Ele poderia, com a aparelhagem que se instalou nos poderes constituídos desse Brasil da Silva, acionar a justiça e colocar seus detratores na cadeia. Mas essa coisa de cadeia é um tema que Lula não gosta nem de ouvir falar.

Bastaram-lhe, pelo que se vê, aqueles 30 dias nos porões do Dops paulista durante a Redentora, onde e quando todo santo dia batia papo com o delegado Romeu Tuma, pai de Tuma Júnior que até hoje não foi processado por Lula pelo que foi dito a seu des/respeito no livro "Assassinato de Reputações - Um Crime de Estado".