O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

17 de mai de 2015

ABRI O BAÚ DAS MIUDEZAS
ACHEI UMA PLAYBOY ANTIGA

Domingo é dia de revirar o baú das miudezas. Há também o baú das grandezas da vida. Neste eu viro e mexo uma vez lá que outra, já que as coisas boas as grandes coisas a gente não esquece.

Nesta manhã de domingo, remexi o baú das miudezas. Dei de cara com um exemplar da revista Playboy de julho de 1979. Ela vai fazer daqui a um mês, nada mais nem menos do que 36 anos.

Não, eu não coleciono a Playboy. Essa eu comprei para guardar mesmo; para não esquecer o que vi e li ali que, na época, me fez cair o queixo.

É uma entrevista de Luiz Inácio Lula da Silva, hoje um vetusto escorpião de 70 anos que, se mudou alguma coisa, foi pra pior do que o Lula de 44 anos de idade que se revelou naquela reportagem. E já que revirei o baú, fecho a tampa mas deixo comigo a entrevista que, só em certas partes, repasso agora pra vocês. É de ficar de boca aberta.

LULA, O MACACO DE AUDITÓRIO

Playboy - Há alguma figura de renome que tenha inspirado você? Alguém de agora ou do passado?

Lula - Há algumas figuras que eu admiro muito, sem contar o nosso Tiradentes e outros que fizeram muito pela independência do Brasil (…). Um cara que me emociona muito é o Gandhi (…). Outro que eu admiro muito é o Che Guevara, que se dedicou inteiramente à sua causa. Essa dedicação é que me faz admirar um homem.
Playboy – A ação e a ideologia?
Lula – Não está em jogo a ideologia, o que ele pensava, mas a atitude, a dedicação. Se todo mundo desse um pouco de si como eles, as coisas não andariam como andam no mundo. (…)
Playboy – Alguém mais que você admira?
Lula - O Mao Tse-Tung também lutou por aquilo que achava certo, lutou para transformar alguma coisa.
Playboy – Diga mais…
Lula – Por exemplo… O Hitler, mesmo errado, tinha aquilo que eu admiro num homem, o fogo de se propor a fazer alguma coisa e tentar fazer.
Playboy – Quer dizer que você admira o Adolfo?
Lula – Não, não. O que eu admiro é a disposição, a força, a dedicação. É diferente de admirar as idéias dele, a ideologia dele.
Playboy – E entre os vivos?
Lula – O Fidel Castro, que também se dedicou a uma causa e lutou contra tudo.
Playboy – Mais...
Lula – Khomeini. Eu não conheço muito a coisa sobre o Irã, mas a força que o Khomeini mostrou, a determinação de acabar com aquele regime do Xá foi um negócio sério.
Playboy – As pessoas que você disse que admira derrubaram ou ajudaram a derrubar governos. Mera coincidência?
Lula – Não, não é mera coincidência, não. É que todos eles estavam ao lado dos menos favorecidos.
Playboy – No novo Irã, já foram mortas centenas de pessoas. Isso não abala a sua admiração pelo Khomeini?
Lula – É um grande erro… (…) Ninguém pode ter a pretensão de governar sem oposição. E ninguém tem o direito de matar ninguém. Nós precisamos aprender a conviver com quem é contra a gene, com quem quer derrubar a gente. (…) É preciso fazer alguma coisa para ganhar mais adeptos, não se preocupar com a minoria descontente, mas se importar com a maioria dos contentes.
AQUI, UMA PAUSA PARA MEDITAÇÃO:
Fico pensando cá com meus botões, o que é mesmo que Gandhi está fazendo aí no meio dessa pandilha de sevandijas? Em todo caso, deixa estar. O cara já foi morto mesmo, não vai querer explicações. Se não gostar, vem puxar os pés do atrevido que o botou no time dos maiores facínoras da história da humanidade.
Mas uma coisa me intriga. Depois que Lula subiu a rampa em 2002, a lista de más companhias só cresceu. Lula teve como amigos, companheiros, camaradas bons e batutas, bestas magníficas como Khadafi, Ahmadinejad, Omar Hassan, Bashar Al Hassad, Robert Mugabe, Teodoro Mbasogo e alguns tiranetes como Fidel Castro, Hugo Chávez e seu último aprendiz, Nicolás Maduro. Lula, no poder e mais velho, não mudou; aperfeiçoou uns defeitinhos lá que outros do seu caráter.
Tem mais, muito mais nesta revista. Mas, é uma parte que fala sobre sexo, mulheres, rockn' roll e outros bichos. Vou poupá-los neste domingo. Talvez volte à Playboy, amanhã ou depois. Não vou guardá-la no baú das miudezas. Afinal, já fechei a tampa e isso aqui não é a Playboy nem nada, trata-se de um público leitor bem mais selecionado.