O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

6 de nov de 2015

NÃO SAI MAIS A 1ª CÚPULA
DOS MAIORES DETETIVES DO MUNDO

Os maiores detetives do mundo dos livros e do cinema, comeriam uma cuíca para prender Lula da Silva, o Barba, o Brahama, o Cara, o Metamorfose Ambulante, personagens de triste e apavorante ficção que sempre aparecem no roteiro escondendo a verdadeira identidade de Luiz Inácio, o garanhão de Garanhuns.

Seria preciso uma Cúpula Internacional de Detetives em Busca de Pistas, para encontrar alguma digital, alguma evidência, alguma prova provada de um suspeito que, de tão esperto e escorregadio, não deixa nenhum sinal de sua participação em qualquer delito, em qualquer arranhadura à pele da lei e da justiça.

Um instituto de palestras, concorrente do Instituto Lula, iniciou as tratativas para a realização do simpósio. Começou enviando convite para meia dúzia dos mais famosos detetives da história da Humanidade. À medida que os contatos eram feitos foi colhendo frustrações. A cada resposta, deduzia as perspectivas:

Auguste Dupin, o detetive francês que deslindou Os Assassinatos da Rua Mourgue, desistiria no segundo capítulo.

O americano Philip Marlowe que solucionou o caso do Sono Eterno, não aceitaria o desafio, nem que a vaca não tivesse tosse.

O velho Dick Tracy não arriscaria um fio de sua gabardine para procurar uma agulha nesse palheiro; ele sabe que os grandes malfeitores não  deixam pistas dos seus malfeitos;

O inspetor Clouseau seria capaz de topar uma investigação preliminar lá pelas bandas daquele antigo antro no coração de São Paulo, com jeito de escritório presidencial que foi fechado na Operação Porto Seguro e que acabou dando sumiço na Pantera Cor de Rose. Mas, na hora do bem bom, ninguém conseguiu contato com ele.

Sherlock Holmes chegou a ser convidado para a vir cupular aqui, nesse intrincado caso, mas resolveu não dar as caras, porque segundo ele mesmo mandou dizer "meus caros brasileiros, de péssimas intenções o inferno está cheio; de boas quem está cheio, superlotado é o Brasil. Não há como encontrar defeitos no maior suspeito da história desse país; ele deixa rastros, mas não deixa pistas". 

Ed Mort, detetive particular trapalhão criado pelo petista roxo, Luís Fernando Veríssimo, interpretado pelo também roxo Paulo Betti, este sim, meteria a mão na merda com o maior prazer. Só para dizer que não viu nada, não sabe de nada, não vai fazer nada. 

Resumo da obra de ficção: a Cúpula não vai sair. E Luiz Inácio sobreviverá a todas as punhaladas pelas costas que levará nas seis frentes que a força-tarefa da Operação Lava Jato abriu até agora contra ele. Não sei se chamo a Agata Christie ou Sir Arthur Conan Doyle para dar um final feliz para este dramalhão policial.

Uma coisa é certa, o filho do gaúcho Érico que escreveu o Tempo e o Vento, eu não chamo nem que a vaca tussa. A menos que ele trocasse o Ed Mort pelo Analista de Bagé. Mas aí, se é pra dar um chute nos bagos do principal suspeito, eu chamo o Garanhão de Pelotas.