O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

26 de out de 2015

UM MATA E OUTRO ENFORCA

Pois então, Zé Carlos Bumlai, o pobre pecuarista unha e carne com Lula, o rico empresário Brahma do Clube do Bilhão, admite que pegou um "empréstimo" com delator premiado, Fernando Baiano.

Esse Bumlai é quase tão folgado quanto o debochado Marcelo Odebrecht que trata a Lava Jato como se fosse uma peça de folclore, um verdadeiro Bumlai Meu Boi.

Zé Bumlai - como tem "Zé" nesse bando do Lula - acusado de ter repassado R$ 2 milhões para a nora de Lula, ele reconhece que pegou o dinheiro com Baiano, o delator que balança o berço dos que se deitam nessa Democracia de Gabinete.

Mas é aí ele que ele dá o pulo do gato: diz que a grana foi para "pagar dívidas próprias". E assim é que, Bumlai transforma Fernando Baiano de um reles operador do dinheiro roubado da Petrobras em uma honesta e conveniente entidade financeira.

Não lhe parece estranho que, na hora do sufoco, um fazendeiro, cheio da grana e companheiro das melhores e mais influentes amizades, vá contrair empréstimo com um Fernando Baiano, operador do Petrolão, ao invés de negociar com a legal e bem disposta rede bancária oficial?

Pelo menos, aparentemente, o dinheiro que rola nos bancos é bem lavado, não é sujo de óleo como o que Baiano guardava em casa para, digamos, disponibilizar aos amigos.

Vou contar uma coisinha boba pra vocês: nessa pandilha de sonsos dissimulados, um diz "mata!" e o outro diz "enforca!".

A dissimulação é um dos maiores perigos para qualquer democracia, até mesmo para essa democracia de gabinete que deita e rola em cima do Brasil... É que a dissimulação se parece sempre com a verdade.

Entre a palavra de um rico, poderoso e zombeteiro senhor de engenho e o que diz um delator premiado, prefiro, sem pestanejar, a palavra empenhada de um delator que tem medo de cadeia.