O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

31 de out de 2015

A FAZENDA OUVIU SERGIO MORO:  
FOI ATRÁS DO DINHEIRO

Agora é o Ministério da Fazenda que pegou Lula de calças na mão; ele e mais Palocci, Pimentel e a Erenice velha de Guerra.

Depois de pôr em prática a célebre e simples operação follow the money, o Coaf - Conselho de Controle de Atividades da Fazenda, organismo do governo criado para combater a lavagem de dinheiro emitiu relatório mostrando que os quatro inocentes republicanos movimentaram quase meio bilhão de reais em transações com forte cheiro de irregularidades.

E o Lula continua achando que a culpa é do Zé Cardozo, ministro da Justiça de Dilma que não tem controle sobre as ações da Polícia Federal. Verdade é que, para qualquer lado que o nariz de Lula aponte, ele vai furungar um companheiro malfeitor que lhe deu mais uma punhalada nas costas.

Mas todo mundo e mais o Judas Escariotes sabem que isso é só mais uma edição do repetitivo golpe da cara de paisagem que Lula faz quando é flagrado com a boca na botija.

O pequeno detalhezinho é que agora, todo mundo já  sabe como é que Lula, o antigo Barba, hoje Brahma corretor de luxo das empreiteiras se comporta: cada vez que ele abre a boca compromete pelo menos mais um bloco de companheiros e se enterra cada vez mais.

Lula pode até nem ser punido pelo império da lei que está sob domínio de seu cardume de peixes graúdos, mas daqui pra frente para o bom povo brasileiro e pela Justiça, ele jamais será tido como inocente. Uma coisa nessa vida mundana promíscua e pervertida é ser absolvido; outra muito diferente e humilhante é não ser inocentado.

Até o povo ruim desse Brasil vai ter que dar um jeito de não mais pagar o pato por ele, na base do velho e surrado preceito de que o silêncio vale ouro. Fica a impressão de que, por conta de Lula, o milionário Brahma do Clube do Bilhão, o bom povo brasileiro vai ter mais um Natal "extraordinário".

RODAPÉ - A verdade é que esta escasseando o número de idólatras de fidelidade canina que estejam dispostos a pegar cadeia em honra e glória do código do silêncio. Só o "tamo junto nessa, companheiro" não está colando mais. Já não basta para salvar sempre a pele só do Lula.