O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

17 de out de 2015

DEMOCRACIA DE GABINETE
E ainda nos roubam uma hora de vida.

Triste país aquele em que mais de 200 milhões de habitantes são cercados por meia dúzia de finórios que urdiram uma democracia de gabinetes da qual nasceram partidos políticos como se fossem uma rede de lavanderias que limpa, torce enxágua e passa os vestígios do crime organizado que assumiu o lugar do Estado.

É nesse país de poltrões que o criador bota a criatura para governar o país que vai à bancarrota e que um instituto de palestras usa a voz do dono para negar uma cadeia de montanhas de acusações de propinas, corrupção, tráfico de influência, corretagem dinheiro roubado das burras públicas.

É nesse país destrambelhado que a palavra de um delator premiado vale mil vezes mais que a palavra de um presidente de honra de um desses gabinetes que fabricam siglas partidárias, centrais de sindicalistas pelegos, institutos e movimentos ditos sociais como se fossem unidades de um sistema de franquia Tão política quanto safada que, além de engambelar uma nação, enriquecem seus gerentes e administradores.

É nesse país estranho que quando um governante diz uma coisa está dizendo outra; que quando um líder populista negocia com os patrões o que é bom pra sua tosse, sai dali e vai para os palanques dizer outra coisa que pareça bom para todos, mas serve apenas para deixar tudo como dantes no quartel de Abrantes e seus próprios bolso bem mais saudáveis.

É nesse país que, o ministro que aceita a delação premiada de um Fernando Baiano contra a família do enrolado Eduardo Cunha, é o mesmo juiz supremo que faz ouvidos moucos para o dobro de acusações do mesmo Baiano contra a Família Lula da Silva.

É nesse país que a Justiça não pergunta por que, depois que a Operação lava Jato entrou em cena, Lula da Silva, o Palestrante das Multidões, nunca mais fez palestras nas mais notáveis ditaduras desse planeta, como em Cuba, República Dominicana, Gana, Angola.

É nesse país que, de repente, logo após a Lava Jato, Lula vivinho da Silva, perdeu o orgulho e a chama patriótica que o levavam a acompanhar de perto e desinteressadamente as comitivas de empreiteiros aos melhores e mais rentáveis negócios em obras financiadas pelo BNDES pelo mundo afora.

É nesse país que um vivaracho como Eduardo Cunha, flagrado com a boca na botija de um monte de bancos na Suíça, se diz perseguido por Rodrigo Janot e se faz de vítima. Bolas, até pode ser que esteja sendo mesmo perseguido, mas não é isso que faz dele um inocente. E também não é isso que faz de Janot um homem justo.

É nesse país esquisito que a mesma tropa de choque do PT, que a turma especialista em assassinar reputações, acha que o espertalhão Eduardo Cunha tem que perder o mandato, é aquela que também considera que é golpe pedir o impeachment da Dilma, uma mulher que no pleno exercício do seu governo está devendo ao povo um rombo explícito de mais de 80 bilhões, denunciado pelo TCU.

É nesse país fora de controle, tocado por uma democracia de gabinetes que a gente vive apertado, espremido pela mesma meia dúzia de sempre que há 13 anos tomou de assalto a chave do cofre que arrecada trilhões em tributos e nada nos devolve em saúde, educação, transporte, segurança, previdência, igualdades sociais, justiça e qualidade de vida.

É nesse país que, em golpes de gabinete, a democracia além de nos tirar tudo que já nos tirou este ano, ainda vai nos roubar à meia-noite de hoje, uma preciosa hora de vida. O que é que esses caras estão pensando que são? Acham que só porque são brasileiros, eles são deuses.