O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

1 de abr de 2016

NOTÍCIA É A VERSÃO
QUE ESTÁ NAS ENTRELINHAS

No blog Sanatório da Notícia que mantenho, só por manter, mais como uma espécie de arquivo das escrivinhações diárias no Facebook e no Diário da Manhã de Pelotas, carrego no subtítulo um slogan que na verdade é um alerta a quem tenha o desplante de aparecer por lá: "Notícia é a versão que está nas entrelinhas".

Hoje a notícia é de ontem: "O Supremo decidiu manter com ele as investigações da Lava Jato sobre Lula. Os ministros seguiram o voto do relator do Petrolão, Teori Zavascki".

A versão que está nas entrelinhas é que, enfim, o Supremo Aparelho Federal saiu da espreita e deu o bote. Ou, a porteira foi aberta para quem quiser passar.

Na verdade, a Lava Jato chegou a sua pior etapa: a fase do Foro Privilegiado. Por simbiose, por carona, Lula da Silva foi blindado contra a Vara de Sergio Moro. Lula não tinha direito a foro especial nenhum, mas tramou horrores por telefone com vários portadores de tratamento diferenciado pela Justiça desigual que vigora nesse país. Lula pegou carona, inclusive com a Dilma Sapiens que se meteu na linha e assim ele escapuliu do tribunal de Curitiba.

Com isso, daqui pra frente, tudo vai ser diferente. Os corruptos não precisam mais aprender a ser gente. Todo canalha que estiver no curso das investigações ligado a alguém com foro privilegiado, sairá da barra dos tribunais de primeira instância e cairá no colo quente e acolhedor do Supremo Aparelho Federal.

Outra coisa que as entrelinhas contam é que a decisão de ontem foi o golpe da vaidade enrustida. Os onze ministros supremos já não suportavam mais o ostracismo a que um reles juizado de primeira instância os vinha relegando. Bolas, onde tinha se enfiado a hierarquia no Judiciário?!?

Ontem, ao chamar para si mais um processo que se junta aos milhares que estão parados na mais alta Corte de Justiça do país, o Supremo realiza uma espécie de doce vingança e mostra, sem medo de ser feliz, quem é que manda nessa joça.

A mensagem final que está nas entrelinhas dessa já esperada decisão do Supremo nesse dia 31 de março é tão sutil quanto amável: Feliz Dia dos Bobos!