O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

17 de abr de 2016

PRONTO!
Afinal, o Zé Eduardo Cardozo vai poder encaminhar o mandado de segurança que o Lewandowski sugeriu. Dilma foi jogada da Câmara para o Senado. 

CADÊ AS PROVAS
Dilma foi goleada por 342 golpistas x menos de 172 nocauteados. É que os nocauteados queriam provas de que Dilma cometeu algum crime. E ficaram o tempo todo dizendo que ela é "uma mulher honesta". Foi então que os golpistas também quiseram provas.

O MAIS CARO
O indeciso é e sempre foi o voto mais caro do mercado.

FALTOU MATERIAL
O ensaio da baderna para fazer da Câmara um barraco, já se deu na abertura. Tomaram o cuidado de erguer um Muro da vergonha separando mortadelas e coxinhas na rua; dentro da grande casa de tolerância nacional não foi possível construir nada igual... Por absoluta falta de material.

RETAGUARDA
Atrás do Mensalão e do Petrolão sempre esteve o Lulalão.

CATEGORIA
A classe política é caso de polícia.

OZOSTÔMICOS
Se os líderes dos partidos falam essas parvoíces, esses despautérios, imagine só o que seria dos nossos ouvidos se os liderados também discursassem. 

A cada líder que ocupava o púlpito, uma cloaca se desmerengava como se viesse do reto de uma triste festa que se sintetiza num enorme bolo fecal. São uns merdoengos. Sua língua é lerda. 

Desculpem o teor escatológico do período, mas é que esses caras não me cheiram bem. Pobre Brasil que depende da ozostomia que vem dos delírios intestinais desses animais sociais.

CONTA DE CHEGAR
Pode ser até que a Casa tenha 300 picaretas, mas o que essa Câmara tem de maluco de atar, não dá para se contar. Vai ver que o melhor mesmo é pedalar.

SOBRANDO
Como diria aquela que não deixa a menor dúvida, se lá na sessão do impeachment estivesse: "Não vai ter baderna". E, uma vez na vida, teria razão. É que para essa Câmara não precisa; já tem de sobra.

ABSTENÇÃO
Abstêmio é todo aquele que, nessa sessão do impeachment, deixou o cavalo passar encilhado com um estoque de 51. Perdeu a chance de sair a galope na História.

IN/DIFERENÇA
A diferença abismal entre o SIM e o NÃO pouco importa. O que sempre valeu é saber quanto falta para Dilma chegar aos 172 votos a favor. Tanto faz que a mula manque o que o governo quer é rosetar. 

UM GOLPE
Bonito de se ver voto pra cá, voto pra lá... Feio é ver-se um mandado de segurança caindo no colo conselheiro, acolhedor, amigo e companheiro de Lewandowski. É um golpe. 

LAVAGEM
Não sei se vocês chegaram a perceber, mas tinha deputado ali que se absteve com o jeitinho brasileiro de quem confessava o voto contra o impeachment como se recém tivesse escapado de uma sessão de lavagem cerebral.

INCONCLUSIVO
Vendo e ouvindo nada mais nem menos do que 500 deputados, cheguei à conclusão de que se eles são assim desse jeito mesmo, então todos eles estão certos. Ou não.

É CRIME
Se o "impeachment sem crime é golpe". Então, até aqui tem sido crime.

LÁ E CÁ
Hoje sim, a Câmara fez jus ao epíteto de grande casa de tolerância nacional. Ficou entre o lupanar e o confessionário. O que mais teve foi sacanagem e confissão. Não necessariamente nesta ordem.

O COSTUME ACOSTUMA
Pelo que disseram os deputados que foram hoje contra o impeachment, não é que o brasileiro goste de ganhar Bolsa-Família; não é que goste de ser sorteado com uma unidade do Minha casa Minha Vida, mas o governo do PT sabe que o povo acaba se acostumando.