O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

6 de abr de 2016

O EX-PRESIDENTE MAIS VOTADO
DESSE PAÍS QUER "ELEIÇÃO JÁ!"

Por mais que Lula se compenetre na arte e manha do artifício de ser Lula e, por isso mesmo rouquejar o canto de sereia que encanta os pobres desse país, ele que nunca me enganou, já não consegue enganar a mais ninguém. Nem a si mesmo. 

Todo mundo já está farto de saber que quando Lula diz que vai fazer uma coisa é porque ele já começou a fazer outra. Lula sempre foi traíra por vocação; agora é também por necessidade. E sente-se muito bem assim. Trair e mentir é da sua natureza.  

Assim é que quando ele finge estar tirando sarro da cara do vice-presidente da República dizendo que é golpe Michel Temer querer ser "presidente sem ter voto", Lula está falando sério e abrindo as portas para que se faça logo uma eleição nesse país, antes que ele esteja inelegível por tudo que fez quando era presidente e tudo que continua fazendo como o ex-presidente mais ativo e ativista que o mundo já conheceu. 

AUTORIDADE DE EX-PRESIDENTE

A propósito, de onde vem tanta autoridade para Lula? Quantos votos o elegeram ex-presidente? Eu não votei, você não votou, ninguém votou em Lula para ex-presidente. 

Então quem é Lula para fazer o estrago que faz nessa democracia de gaveteiros que ele e seus asseclas inventaram para ficarem ricos e se apropriarem do Brasil? 

Lula fala como se tivesse sido eleito ex-presidente com os tais 54 milhões de votos muito mal-contados e computados a Dilma Vana e Michel Temer na última eleição, naquele outubro vermelho de 2014.

O diabo é que você pode desconfiar sempre das verdades de Lula, mas as mentiras tais e quais as mentiras de Lula são sempre rigorosamente verdadeiras.

O TEMPO E O GOLPE

Essa onda de antecipação das eleições presidenciais para este ano é mais uma urdidura salafrária de Lula. É que ele não sabe por onde andará em outubro de 2018. Pode andar por aí, livre, leve, solto, acumulando a notável ex-presidência com a presidência de honra desse país, mas pode muito bem estar desfrutando de uma temporada de prisão domiciliar, monitorado por um desconfortável GPS de tornozelo.

Eleição agora, fora de hora, é tudo que Lula deseja e quer. Ainda mais que, do alto de sua extrema bondade, ele estaria oferecendo a Dilma Vana a oportunidade ímpar de uma "saída honrosa" já que hoje ela é corpo, alma, coração e vida de um mais que merecido impeachment.
Lula tem pressa. E tem medo. Não gosta nem de pensar, mas isso lhe está atravessado na garganta, na possibilidade de reaparecimento do câncer. E Lula vai somando e somatizando essas coisas. Sua cara não diz isso, mas sua voz revela seu temor pelo tumor que é a expectativa de uma tão eventual quanto provável condenação judicial, nos incontáveis escândalos em que está atolado e pelos quais é investigado. 
Se tiver que esperar para disputar a sucessão do seu poste iluminado em 2018, tudo indica que, se Lula não estiver preso por corrupção - na Papuda, no Tremembé, num triplex ou num sítio desses que sobram por aí - já deverá ter sido declarado inelegível com base na formidanda Lei da Ficha Limpa.
ELES, OS ACÓLITOS
Quem deu o primeiro grito em prol de uma eleição antecipada foi aquele senador pau-mandado Valdir Raupp, governista roxo do PMDB do Rio Grande do Norte. Ele só abriu a boca depois de acertar as pontas com Lula. Em seguidinha, o ínclito Renan Calheiros, do alto dos oito processos que responde por corrupção e malfeitos variados saiu declarando irresistível simpatia pela proposta indecente.
Então, minhas queridas e meus diletos confrades desse espaço de plena liberdade de expressão, a persistirem os sintomas eu lhes alerto: observem, nesta sociedade de pobres e remediados, quem são os acólitos de Lula. 
Vejam, identifiquem quem está comendo do bom e do melhor ao lado desse rico senhor da zelite dominante e dominadora que acha que foi eleito ex-presidente em outubro de 2014 com mais de 54 milhões de votos.