O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

1 de abr de 2016

OS PERNÓSTICOS DA CORTE
E O SONHO DOURADO DO GOVERNO

Não, não pensem que aquilo de tomar para si a missão de passar o Brasil a limpo que vem tão bem nas mãos da força-tarefa da Lava Jato, foi uma demonstração de complexo de superioridade dos ministros do Supremo.

Muito antes pelo contrário.

Sucede que, se sentido sem a menor importância no contexto da célere justiça praticada pela Lava Jato, os ministros do Supremo revelaram seu enorme complexo de inferioridade.

Os infelizes, pernósticos e prolixos julgadores realizaram ontem o sonho mais dourado dos últimos tempos acalentado por esse governo. O que Dilma, Lula e seus acólitos mais querem é que políticos e outros cúmplices sem foro privilegiado, como o próprio Lula, passem para o Supremo e não pelas Vara de Sérgio Moro.

Agora, para os anseios dos brasileiros de boa índole e de boa vontade jé tarde, Inês é morta. Está aberto o precedente, tribunal que blinda Lula, blinda baleia, tubarão, pirarucu, pacu, paqualquer dessas espécies que chafurdam nesse mar de lama.

Com sua capa de supremos senhores das decisões definitivas, eles conseguiram apequenar o Supremo Tribunal Federal, reduzindo a Magna Corte à insignificância de um frívolo e comum aparelho a serviço daqueles que infiltraram o crime organizado no Estado brasileiro.

Não se enganem quando, com suas falas empoladas e prolixas, os doutos maiores magistrados da nação dizem que "não se faz justiça sob pressão popular".

Eles estão apenas dizendo que o grito da voz rouca das ruas não os abala nem influencia, porque o que vem de baixo não os atinge.

Só não se deixem enganar, quando eles omitem que o silêncio sepulcral do governo que os nomeia e os remunera, fala mais alto nos bastidores da Corte e os intimida muito mais que o brado retumbante da indignação popular nas manifestações de rua, ou nos caminhos das redes sociais.

De minha parte, em verdade, em verdade, lhes digo: se vocês acham que chegamos ao fundo do poço, vamos dar com os burros n'água.

Isso é subestimar o que ainda há por cavocar neste solo fértil tomado de assalto por essa pandilha que rouba e deixa roubar.

Pois é, uma pandilha que rouba, deixa roubar e que agora vai se deixar julgar por varas outras que não sejam nem parecidas nem tão duras como as varas da Lava Jato.