O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

2 de abr de 2016

PLANO DE DEMISSÃO
VOLUNTÁRIA NA PETROBRAS

Notícia: "Petrobras aprova plano de demissão voluntária". Entrelinhas: Ora vejam só a que ponto chegou aquela que foi a maior empresa do país e uma das dez petroleiras mais importantes do mundo... Os novos donos da estatal alegam que é para "diminuir custos". 

Uma privica! Todo mundo sabe que demissão voluntária é o último recurso quase-honroso para evitar a falência. É a porta de saída de uma gestão desastrosa. 

Isso quer dizer que, ao invés de crescer, a empresa degringolou a tal ponto que se tiver que continuar pagando os salários que sempre pagou a seus funcionários concursados, vai acabar quebrando de uma vez por todas. 

Faz 13 anos que o PT e seus comparsas confederados mandam e desmandam na Petrobras; faz 13 anos que deitam e rolam; faz 13 anos que arrombam e deixam arrombar. 

Não há empresa estrelada no mundo nem nesta galáxia que aguente um achaque de tão nefanda e condenável natureza. 

A Petrobras paga o preço dessa pandilha de sevandijas que nunca teve um programa de governo, apenas um maquiavélico e ganancioso plano de poder. 

FUNCEF NO FUNDO DO POÇO

Epa! Opa! A Caixa troca presidente do Funcef - o fundo de previdência dos funcionários daquilo que o governo chama de "banco social". 

Depois de cinco anos exercitando a presidência do Funcef, Carlos Caser, dá os doces. 

É que o fundo do poço do fundo acumula um déficit de R$ 13 bilhões e 200 milhões. 

Quem preside a Caixa hoje é Miriam Belchior, viúva do então já seu ex-marido Celso Daniel. Se ela tratar desse assunto como tratou do caso que a deixou na viuvez, é mais do que certo que a respeito do sumiço dessa grana toda a viúva não viu a uva. 

Mas essa gente tem um lenço para cada choro. 

Já encontraram uma fórmula mágica de fazer aparecer a dinheirama que o gato comeu: a conta do desequilíbrio vai ser paga pela própria Caixa e pelos funcionários da ativa,aposentados e pensionistas, beneficiários do hoje imprevidente plano de previdência, com  um módico aumento de 2,78% nas contribuições sobre os seus salários. 

Esse governo é craque na hora de prestar tributo aos seus mais notórios e já corriqueiros lances de vigarice.