O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

25 de jan de 2015

DE CHEFE A OPERADOR

No Petrolão, ao contrário do que ocorreu no Mensalão onde e quando agia como chefe da pandilha de sevandijas, Zé Dirceu deixou-se rebaixar ao posto de simples operador do esquema de corrupção que destrambelhou a Petrobras.

Seu agenciamento, maquiado de consultoria, fez bem ao seu bolso, mas enriqueceu de verdade empreiteiros, servidores públicos e políticos.

Pelos rastros que deixou, a Polícia é levada a concluir que, de segundo homem mais forte no Mensalão, Zé Dirceu submeteu-se à cobiça e ao ganho de dinheiro fácil, atuando como um bom e desenvolto traficante de interesses.

Zé Dirceu já não é primário para a Justiça. A Operação Lava-Jato pode matar de vez com o seu sonho de viver num paraíso em outras terras daqui distantes.

ASSIM CAMINHA A HUMANIDADE...
Isso aqui não é o Texas, mas a Refinaria de Pasadena está aí para nos desmentir.

 Zé Dirceu, no esquema do Petrolão, não passaria de um simples operador de segunda categoria diante dos ganhos do doleiro republicano Alberto Youssef que, por sua vez, era apenas o operador do cartel de empreiteiros sócios do Clube do Bilhão.

Dirceu desempenhava o papel de intermediário nanico frente aos gigantescos ganhos do doleiro Youssef e dos empreiteiros. Sua desenvoltura partidária arrebanhava políticos de lavanderia que limpavam o dinheiro sujo com as siglas dos seus partidos.

Dirceu, Youssef, políticos corruptos, empreiteiros de super obras públicas conseguiam e conseguem agir com tamanha eficácia e assiduidade por que contavam e contam com o beneplácito de figurões muito mais fortes que habitam núcleos de poder e de mando como a Diretoria, o Conselhão da Petrobras e o Palácio que domina a Esplanada e os horizontes da pátria amada, salve, salve.

E assim caminha a humanidade. De repente, o que era uma estância, uma fazendola, um rancho vira um quase inesgotável poço de petróleo.

Mas nessa versão brasileira não há Rock Hudson, James Dean e muito menos Elizabeth Taylor.

E nem isso aqui é o Texas. Quer dizer, a Refinaria de Pasadena está aí para nos desmentir.