O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

6 de dez de 2015

ELEIÇÃO NA VENEZUELA
O clima neste domingo de eleição presidencial na Venezuela está sujeito a chuvas e trovoadas, embora faça um sol de rachar. Nicolás Maduro já rompeu todos os cordões do respeito à lei eleitoral; falou na TV; fez comícios; distribuiu casas e alimentos e ameaçou com toda a sua bolivariana truculência: "Se acaso nos roubarem nas urnas, a revolução continua. Estaremos armados nas ruas". Esse patife só é sincero quando espalha o medo.

VENEZUELA II
As pesquisas na Venezuela dão conta de que é certa a derrota chavista nas eleições deste domingo. Mas o ditador Maduro confia na margem de pelo menos 51% de erro a seu favor.

ELA SABIA
Uma coisa não se pode negar: os porta-vozes palacianos fazem de tudo, mais até do que Lula e Dilma fizeram para ganhar as eleições, para criar a imagem de honestidade que Dilma precisa diante do impeachment. A mais recente nova dos formadores de imagem da patroa espalharam ontem que "devido às falcatruas do PT, Dilma pensou em deixar o partido". Pior a emenda que o soneto. Se ela pensou mesmo isso, então a gente agora já sabe: ela sabia e sabe onde está metida. Mas é sempre assim, na hora do aperto, essa turma solta os Barbas e os Papagaios do Araguaia que têm no fundo do peito. Acabam confessando.

IMPEACHMENT
Eduardo Cunha foi um trator na hora de aceitar o pedido de impeachment. Mas atropelou dentro da lei. Quanto às razões para o impeachment, uma delas é a pedalada fiscal. Pura improbidade administrativa. Isso é crime e derruba presidentes. O caso é que na hora da verdade, a gente sempre tem uma razão que se usa como impedimento. Seria ótimo a gente falar mesmo, olho no olho, face a face com Deus; o diabo é que pra isso a gente antes tem que morrer.

OS DEFEITOS DE DILMA
Dilma Vana, a que não sai dos palanques eletrônicos: "Todos conhecem os meus defeitos. Sabem que não sou ladra". Tá, mas todos sabem que um dos defeitos é que a senhora mente.




CICLISTA
Dilma, ainda batendo na mesma tecla: "Eu não sou ladra". Simn, sim, pode não ser ladra, mas a senhora é ciclista. E como pedala!

NASCER E MORRER
E eis que, no meio de impeachment pra cá e impeachment pra lá, o antigo e fiel líder de governo da Dilma, saiu das brumnas e deu o ar da des/graça: "Não nasci senador e não vou morrer senador". Sei não, por duas boas razões: a primeira é que Delcídio ainda é senador e tudo pode acontecer; a segunda é que o Celso Daniel não nasceu prefeito e morreu prefeito. nessas coisas de previsão, geralmente se descobre muito cedo que já é um pouco tarde.

A INVEJA DE LULA
Lula, o palestrante desempregado: "Eu me sinto indignado com o que estão fazendo com o país". Vejam que Lula como sempre, não diz nunca quem são os sujeitos ocultos em seus desabafos acusatórios. Mas, nesse caso, não se trata de indignação. É inveja. Lula pensa que só ele pode esculhambar.

ÚLTIMO A SABER
Dilma, com aquele seu jeitão de cabo de esquadra, querendo defender o tombadilho do navio que naufraga: "Não fui informada da saída do ministro Eliseu Padilha". E foi aí então que o cabo de esquadra confessou que foi o último a saber. Último a saber da penúltima, porque outros abandonos estão atrás das portas.

ESPORTE RADICAL
No fundo, no fundo, Dilma Vana não mente quando diz que não há nada contra ela. É que ela está convicta de que pedalar nesse mar de lama é só mais um esporte radical nessa antevéspera de Olimpíadas. Dilma é melhor atleta do que governanta.

CONFLITO FLAGRANTE
O governo pedir a cabeça de Eduardo Cunha é impeachment; o país indignado querer o impeachment da Dilma é golpe. Há nisso tudo um conflito tão flagrante e definitivo que até pode servir de prova para condenar os dois.