O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

30 de jun de 2013

Seleção do Scolari 3 x 0 Espanha


No lado de fora... Bem, no lado de fora só quem está mesmo por fora. Ali o cenário já muda de figura e de cor. Futebol não é para quem quer e gosta; é pra quem pode.

E então começa o jogo. E já está 1 x 0. Gol de Fred, O Monstro. E fez deitado, pra debochar. Shakira já adivinhou que a Espanha vai ter que rebolar.

10 Minutos - Eu ainda não consegui dormir.

38 Minutos - Querem saber? A torcida está jogando mais que o time de Scolari. Por enquanto.

44 Minutos - Pronto, Neymar bochou no ângulo superior direito da Espanha. Meteu e correu pra galera - Ops! - correu para os cadeirantes.

Fim de papo. Vem aí para gáudio de Argh!nelo Queiroz, mais um Segundo Tempo. Tudo é lucro.

Veio o segundo tempo. Começou. Gol de Fred, O Monstro! Hulk enfiou para Neymar que, com jogo de cintura, deixou passar para Fred... 3 x 0. A seleção espanhola está que é uma fúria.

Del Bosque está num mato sem cachorro. Bota Jesus no time. Espera um milagre.

55 Minutos - Marcelo, o amigo de Neymar, comete pecado contra Jesus dentro da área. Pênalti. O cara bate e Julio Cesar tira com os olhos. Continua 3 x 0.

60 Minutos - Neymar enrola Pique e já ia fazer mais um quando o dono da Shakira matou o cobrão e mostrou o pau. Levou cartão corporativo vermelho. Acho que o árbitro pensa que ele é PT.

82 Minutos - Felipão quis dar alegria ao jogo. Como não sabe fazer gracinha, botou o Jô. Dai em diante foi só tico-tico do time de Scolari.

O jogo acabou. A Copa-Cozinha ficou aqui. Vitória da voz rica do Maracanovo. Isso é que é mobilização!
ITÁLIA X URUGUAI

13 horas, Fonte Nova, Bahia - Isso no meu tempo se chamava de preliminar. Era o jogo da turma do chapéu de palha.

Acontece que eles estavam disputando o 3° lugar na Copa-Cozinha. Bolas, se o segundo lugar aqui no Brasil é como se fosse o último, essa disputa entre eles não foi nem mesmo por rapadura; foi, a pau e corda, por um acarajé.

Ninguém cantou o Hino Nacional brasileiro. A bem da verdade, ninguém vaiou também. E a bem da verdade-verdadeira, ninguém tocou o "Ouviram do Ipiranga, às margens plácidas"...

A Bahia branca, de olhos azuis, quase lotou a Fonte Nova; a outra Bahia fritou bolinho.

Aí, acordei bem na hora do gol da Itália. Deu na tela: Diamanti. Surge uma linda torcedora italiana, cheia de alegria... E Diamanti também.

Terminou a primeira etapa. Vem aí, para gáudio de Argh!nelo Queiroz, mais um Segundo Tempo. Tudo é lucro.

Veio o segundo tempo mesmo. O Uruguai empata. Daí a pouco, sai mais um gol da Itália, de falta, no ângulo. E agora, outro gol do Uruguai - replay da falta italiana. Isso já está virando goleada. Chegaram ao acachapante placar de 2 x 2.

E ficaram nisso o tempo todo. Foram para a prorrogação. Tudo como dantes no quartel do Abrantes. Uruguaios e italianos mereceram ser penalizados. Foram para os pênaltis.

O Uruguai é muito pior que a Itália na hora de cumprir penalidades. I carabinieri executaram o Uruguai como se fosse um Cesare Battisti acertando desafetos. A Itália adonou-se do 3° lugar e repatriou a seleção platina.

Lula com saúde espiritual

Há repórteres quase investigativos que têm bons cotatos com as forças do bem, do mal, terrestres, sobrenaturais, humanas, conhecidas e ocultas. Ilimar Franco, colunista do jornal O Globo, bem que pode ser uma deles. Veja o que ele editou na sua coluna Panorama Político:


"O ex-presidente Lula tem recorrido a recursos não convencionais para cuidar de sua saúde. Ele tem feito consultas com o médium João de Deus, que recebe doentes do mundo inteiro, na cidade de Abadiânia (GO). Com o aval de seus médicos, Lula já esteve, pelo menos, duas vezes com João de Deus. Para ministrar "tratamento espiritual" a Lula, o médium fez viagens até São Paulo."
 
Ao que ficou sabendo Ilimar Franco, Lula tem apelado para o concorrido médium, famoso até no exterior por seus "tratamentos espirituais e cirurgias mediúnicas". Tomara que tenha sorte. João de Deus é o mesmo médium que atendeu o vice-presidente Zé Alencar. Sim, sim... O vice hoje é Michel Temer.

APOIO IMPAGÁVEL

Pesquisa Datafolha vai nos custar os olhos da cara.

Depois da porrada do Datafolha neste fim de semana, a primeira-president@ Dilma Vana vai nos tirar os olhos da cara até conseguir o apoio de seus impagáveis aliados de quase sempre.

Se Sarney, Renan Calheiros, Michel Temer e Henrique Eduardo Alves já não eram baratos, calcule só agora quanto não vão custar para as burras públicas, só para dizer que estão com Dilma e não com Lula para a papagaiada de outubro do ano que vem...

Se para comprar a sola de sapato de Marta Suplicy para eleger Fernando HaHaHaddad prefeito de São Paulo, Dilma Vana desperdiçou um ministério, no mínimo, no mínimo, ela agora vai leiloar a Esplanada inteira, o Palácio do Planalto e a Granja do Torto, para deixar Lula quieto no seu instituto, sede paulistana do governo genérico da República.

Já para a população brasileira resta apenas fazer com a voz rouca das ruas que Lula fique com dor de garganta de tanto gritar que ele é O Cara, O Filho do Brasil, O Filho do Homem e não o filho disso e daquilo que todo mundo pensa que ele é.

Datafolha consagra a ameaça: Ele voltará!

Como o time de Felipão não precisaria ir para os pênaltis contra a Espanha; o Filho do Brasil não precisaria de segundo turno para ganhar de todo mundo.

Eis-me aqui vosso profeta! Atentai para a consagração do que, em verdade, em verdade, vos tenho dito ao correr deste século encravado no terceiro milênio: Ele voltará! Toda honra e toda glória para Lula, O Filho do Brasil e o Predileto d'Aquele que é tido e havido como brasileiro. O Instituto Datafolha aí está que não me vos deixa mentir. O golpe se fez carne e Lula não largou o osso.

Embora como ela mesma já disse uma vez que "isso aqui não é Roma antiga", Dilma Vana, do alto de seu Palácio vê o circo pegar fogo e a sua lira não toca. O Datafolha é o arauto sacrossanto do brado retumbante: "Volta Lula!". Dilma Vana está chamuscada...

Diabos, essa história se passa no Brasil e Deus é brasileiro, mas não tem nada a ver com isso. Acontece que o Datafolha, na esteira das manifestações de rua, desandou a fazer suas pesquisas "científicas". E saltou na frente como descobridor de talentos eleitorais no seio do povo.

Como é científica, a pesquisa não precisa especificar onde concentrou suas indagações populares. Poderia pelo menos dizer quantos entrevistados pertencem à classe social mais influente diante de uma urna, a dos diligentes e produtivos usuários do Bolsa-Famiglia. Não disse. É científica e pronto.

Quer dizer, se realizasse uma enquete hoje à tarde no Maracanovo para saber com 10 mil torcedores de camisas amarelas quem eles querem que ganhe o jogo, a seleção do Felipão nem precisaria se preocupar com a cobrança de pênaltis. E o Datafolha nem precisaria dizer que os entrevistados eram - imagine só! - quase todos brasileiros.

Mas, isso é o de menos, pois o Datafolha foi à plebe ignara e entrevistou - diz ele - 4.717 pessoas em 196 cidades por aí afora. A pesquisa é cheia de salamaleques e alternativas. E, em resumo, a coisa é contada assim pelo curioso instituto, pelo qual a facção lulista do PT deve estar morrendo de amores:

"O cenário hoje mais provável para a sucessão inclui Dilma, Marina Silva (Rede), Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB). Nessa simulação, a petista tinha 51% das intenções de voto nos dias 6 e 7 deste mês. Agora, desceu para 30%.

Nesse mesmo cenário, Marina Silva subiu de 16% para 23%. Aécio Neves foi de 14% para 17%. Campos oscilou de 6% para 7%. Os três adversários juntos pularam de 36% para 47%. Nessa hipótese, seria realizado um segundo turno entre Dilma e Marina".

Há no expedito levantamento popular uma hipótese que inclui o nome de Joaquim Barbosa. Nesse caso o ministro do STF - que tem negado sua candidatura - aparece empatado com Aécio Neves com 15% de intenções de voto. Mas deixa pra lá.

O melhor de tudo neste braço desarmado da campanha"Volta Lula!" é na simulação em que o nome do criador da criatura aparece na hora das perguntas. Aí, a coisa muda de figura, não tem nem segundo turno. O cara nem precisava ter largado osso. No Brasil, a carne é fraca. 

Veja o que o Datafolha descobriu:

Nessa alternativa em que Joaquim Barbosa não é incluído, Lula tem 46% contra 37% de Marina, Aécio e Campos somados - aí o endeusado Filho do Homem venceria no primeiro turno.

Se o ainda não imortal Lula da Silva soubesse disso, não estaria hoje trabalhando que nem louco no exercício de mais um lobby lá na África e sim no camarote especial do Maracanovo celebrando mais uma sonora e gigantesca vaia desses abomináveis torcedores lindos, loiros e de olhos azuis.

Uma orquestra organizada que só quer saber de samba, mulher, birita e futebol e não sabe o que é bem bom para o Brasil, mas é capaz de pagar até R$ 19 mil por um ingresso numa Copa de mentirinha.

E então, atentai para o que, em verdade, em verdade, vos digo: Ele voltará!E será só o princípio dos tempos. Mais que descobrir de novo o Brasil, ele conquistará o admirável mundo novo, para só então decretar o fim do universo.

29 de jun de 2013

PLEBISCITO O QUÊ?!?
A mesma Datafolha que anunciou 27 pontos de queda na popularidade da primeira-mulher-president@ Dilma, garante que 61% das pessoas entrevistadas estão a favor do plebiscito. Se 10% dos entrevistados souberem explicar o que é um plebiscito, então o Lula nem precisa sair da toca lá do seu instituto, porque Dilma Vana não perde para ninguém nas eleições do ano que vem. Eu já ficaria satisfeito se eles não respondessem que plebiscito é a mãe.
FEIJOADA X PAELLA
No jogo de amanhã no Maracanovo, a Seleção do Felipão é franca favorita. É o confronto da feijoada com a paella. Ninguém usa frutos do mar numa feijoada. Já na paella, o que não falta é lula. O pé-frio garante a derrota da Espanha. Nem que seja no último dos 44 pênaltis cobrados.
GREMISTAS INFILTRADOS
Grêmio demitiu Vanderlei Luxemburgo. Pronto, já começou a engendrar um plano de desmantelamento do Internacional. Livre, leve e solto, Luxemburgo vai engrossar agora as manifestações de rua. E a massa colorada ensandecida e cega de paixão vai clamar tonitruante pela rua da Praia: "Fora Dunga! Ei, Ei, Ei, Luxemburgo é nosso rei"! E outras correntes bradarão: "Dunga no Expurgo! Queremos Luxemburgo"!Tá na cara que isso é coisa de gremistas infiltrados. Só a direção do Inter não vê.
DILMA É IGUAL A LULA

Jogar a culpa toda do fragoroso desgaste do governo em cima da já triste figura da primeira-mulher-president@ Dilma Vana é, mais do que esperteza, uma campanha descarada e hipócrita para a volta de Lula à disputa pelo Palácio do Planalto no ano que vem.

Dilma Vana despenca, mas não desanda sozinha.

Então os 200 escândalos de Lula nesses últimos 12 anos não valem nada?!? E no imba do Zé Dirceu, do Genoíno, do Delúbio, dos ministros varridos da Esplanada pela vassoura da própria Dilma, não vai nada?!?

Peralá. O desgaste tocado pela indignação nacional, não é só por causa da president@ inteligent@ Dilma; é pelo regime corrupto, esperto, safardana, cínico a dar com um pau que foi instalado no país quando Lula atravessou no peito inflado a faxia de presidentO da República dos Calamares, em 2002.

O desgosto, o cansaço, a indignação e o nojo que as manifestações de rua escancaram ao Brasil é porque já não dá mais para esconder que Dilma é igual a Lula, sem tirar nem pôr. A tal ponto um é a outra e a outra é o um que nenhum deles se importa quando entram numa saia justa. Uma questão de vergonha. É por isso que eles não se importam.

DATAFOLHA: DILMA CAI

Datafolha: Aprovação da president@ Dilma cai 27 pontos. Despencou de 57% para 30%em três semanas. Grande coisa, nunca acreditei que ela tivesse tanta preferência assim. Continuo não acreditando nessas pesquisas "científicas" encomendadas.

A melhor pesquisa a gente faz quando pega um táxi e conversa com o motorista; quando se anda de coletivo e bate papo com a trabalhadora que levantou às cinco da manhã; quando se compra pão e manteiga na padaria; quando se paga a conta do happy hour; quando se olha para o registro da caixa no supermercado.

Pesquisa boa a gente mesmo faz, quando se pergunta para o vizinho, numa radiosa manhã de sábado, se ele acha que o governo é corrupto; se a saúde tá boa, se a escola dos filhos e netos é de primeira; se ele tem saído para passear a pé com a esposa, em volta da quadra a fim de curtir a lua que nem sempre é cheia...

Caiu 27 pontos é? E não levou nenhum ponto na queda? Fez plástica?... Ah, bom. Quem pode, pode. Saúde padrão Fifa não é pra qualquer um.
DILMA NÃO VAI, NEM ELE
Já que a primeira-mulher-president@ do Brasil não vai ao Maracanovo assistir à final da Copa-Cozinha da Fifa, então é hora de Lula dar um pulinho até lá, com o seu reconhecido pé-frio, só para esfriar os ânimos contra essa balbúrdia que os "baderneiros" dessa geração indignada andam cometendo pelo país afora. Ele, logo ele, que gosta tanto de futebol, não deveria perder esta oportunidade de representar sua president@ e aproveitar, é claro, para rememorar a abertura dos Jogos Pan-Rio 2007. Recordar é viver.

A GENTE TEM FOME DE QUÊ?

Vou insistir. Esse governo é muito mais burro do que sempre pensei.

Primeiro achei que o sempre presidento Lula e a primeira-president@ Dilma foram muito burros ao chegarem ao poder e deixarem se contaminar por ele. Perderam o programa de governo que nunca tiveram e se agarraram com unhas e dentes ao plano de poder.

Agora, acho que são burros por darem as costas à voz rouca das ruas, ao clamor popular que revela toda a indignação e repúdio à corrupção e às flagrantes injustiças e desigualdades impostas à sociedade.

São burros porque, na ânsia de se manterem no poder dão as costas para a verdade - eita arma perigosa! - que o clamor dos protestos espalha pelas ruas.

Ninguém anda por aí desfraldando as bandeirtas rançosas do socialismo, da esquerda, da direita, de algum partido político salvador da pátria, nem mesmo de uma antiga revolução que "construiu" a redemocratização.

Isso é papo furado que já não cola; que já se desminlinguiu por si mesmo e até por influência malígna dos que se apropriaram desta República. Essa besteirada não está na pauta dessa geração nova, que sacode o Brasil. Ficaram perdidos nos cadernos e relegados nas cartilhas e nos panfletos subterrâneos que ensinam como comandar a massa e sacudir a pança.

O que o clamor das ruas - sem a infiltração dos lacaios profissionais disfarçados de sindicatos, "lideranças" partidárias, ONGs, "movimentos sociais" - está fazendo estourar pelas calçadas, pelos passeios, pelas vias expressas, pelas entradas e saídas das cidades são coisas que dizem respeito à vida real de cada cidadão.

A gente tem fome de quê? De democracia participativa e verdadeira; tem fome de trabalho para todos e não apenas para os que se deixam cooptar pela "estratégia de coalizão", eufemismo para compra e venda de almas e de aliados.

A gente tem fome de quê? De respeito, com licença por favor, aos direitos humanos de cada um e da sociedade como um todo; tem fome de transparência na coisa pública; tem fome de ver na cadeia e varridos de vez da nossa vida todo tipo de corrupto ativo e passivo.

O que o Brasil novo que surge agora está sabendo é que isso tudo não é apenas um sonho; é mais que isso, um sonho possível. 

O que a gente sabe agora é o que eles, os que mandam e desmandam nesse país, fingem que não sabem: o que a gente sabe agora é que ninguém se sente representado pelos poderes instituídos que acomodaram seus fundilhos num Brasil nababesco, um paraíso de falcatruas e enganações que, como em todo regime totalitário e feudal, distribui pão, circo, migalhas para o povo, em suas mais diversas extratificações sociais.

O pobre ganha bolsa; o remediado ganha emprego público; os ricos ganham licitações. E eles, uma vez lá que outra, no intervalo de outros grandes negócios internacionais, levam comissão de consultores e vida boa de lobistas com uma Copa-Cozinha aqui, outra Copa do Mundo lá, uns Jogos Olímpicos acolá.

Essa gente é burra e pensa que o povo também é. Isso é burrice em estado terminal.
E LÁ SE FOI O BONDE DA HISTÓRIA

Por elucubração de Lula, a primeira-mulher-president@ Dilma Vana perdeu o bonde da História e deixou para trás o combate à corrupção, o pacote de serviços com padrão Fifa para a saúde, educação, transporte e segurança, para embarcar no bonde errado na companhia de um esperto plebiscito que a voz das ruas jamais entoou nas suas manifestações.

A guerra pagã entre plebiscito, referendo e constituinte é declarada pela mídia patrocinada pelo maior anunciante do Brasil, o governo.

Os jornalões, redes de rádio e de TV, revistas de circulação dirigida e a esgotosfera sustentada a peso de ouro pelas burras públicas, estão desviando a atenção e tirando fora de foco a legítima mobilização popular que faz mal ao fígado de Lulas, Dilm@s, Dirceus, Falcões, Genoínos, chefes de partidos políticos, parlamentares mensaleiros, juízes de gaveta e judiciário lento e paquidérmico.

Logo a president@ perceberá que por andar nadando nas águas turvas do seu governo, erla tem um molusco nos seus calcanhares. Isso a voz rouca das ruas já percebeu.
DILMA SE ENCONTRA COM O BRASIL ANTIGO
Esse encontro da president@ Dilma com as "lideranças" da República é uma audiência com o Brasil velho, corrupto, sem saúde, sem educação, sem transporte, sem segurança.

O encontro foi para engendrar um plebiscito que o Brasil novo que está nas ruas não pediu e nem quer agora. O que a população indignada está querendo é compostura moral.

Vou deixar de escrever "reforma moral", porque os descrentes e mais apressados acham que isso é muito demorado. Na verdade, não é demorado, é quase impossível. Mas, um dia disseram para um homem de coragem que aquilo era impossível e ele foi lá e... Fez!

E então o que a president@ Dilma, o presidento Lula e essas "lideranças" mensaleiras precisam saber o que é mesmo que o povo está clamando: Corrupção, não! Ladrão é ladrão, cidadão é cidadão!
POLITICAMENTE VIZINHO
Nesse mar em que ondas revoltas do LGBT se despedaçam contra os rochedos da homofobia, o espírito intrépido do vizinho ao lado me desabafou: - Acho aquela lésbica ali da casa amarela uma mulher absolutamente brochante!


VEJAM SÓ!
Partidos da base do governo Dilma criam fórum por plebiscito. Vejam só quem se mete a pensar pelos brasileiros: Rui Falcão, pelo PT; Carlos Lupi, do PDT; Renato Rabelo, do PCdoB e Roberto Amaral, do PSB. Eles se juntaram para engendrar a estratégia de apoio à proposta de um plebiscito apresentada pela president@ Dilma no início da semana, quando tremeu nos cutupicos com a mobilização popular. Sinceridade? Esses caras não me representam.

CAMBALACHO
Plebiscito, Referendo e Constituinte agora é cambalacho! Não é disso que se está falando. A gente quer bons serviços essenciais, saúde, segurança, educação, transporte coletivo digno. É isso que a gente está falando. Ninguém - a não ser os propietários indébitos do Brasil - quer reforma política já. Primeiro a reforma moral: Corrupção, não! Ladrão é ladrão, cidadão é cidadão!

NOTAAldo Rabelo, ministro dos Esportes deu nota 9 e o secretário Jerome Valcke da Fifa deu 7 para Copa-Cozinha das Confederações. Nota zero para os dois.

NA PRÓPRIA CARNE
Ouvindo o a voz rouca das ruas, o governador tucano dos paulistas, Geraldo Alckmin anunciou pacote de corte de despesas e na máquina do Estado; entre os trambolhos que serão vendidos, estão o helicóptero do seu próprio gabinete, que custa R$ 4,5 milhões por ano, e mil e quatrocentos carros oficiais. O governo Alckmin, assustado com o clamor popular, cortou na própria carne. Grande coisa, há bom tempo, assustado com o serviço, um metalúrgio cortou o próprio dedo. Foi aposentado. E olha só no que foi que deu.

MÁ COMPANHIA
Pronto, o deputado escamoteador e quadrilheiro, Natan Donadon foi levado para a Papuda. Ganhou cela particular e solitária. Condenado pelo STF a 13 anos de cadeia, ele levou 18 anos para ficar só e mal acompanhado.
 
MOBILIZAÇÃO PERMANENTE
Com a reacionária movimentação dos bastidores da elite dominante que infiltra baderneiros profissionais nos protestos populares, não espere a cada dia uma mobilização de milhões de pessoas nas ruas. Os indignados são milhões e milhões, mas as passeatas serão menores, localizadas, focadas numa determinada pauta de reivindicações e de efetiva consistência. A população vai colocar pressão em cima dos governos locais - prefeituras, governos estaduais - e assim acelerar as grandes discussões sobre as questões federativas, sobre os problemas que afligem o país de cabo a rabo, de fio a pavio. E serão estudantes num dia; professores, no outro; operários, sempre; cidadão de bem à toda hora querendo o fim da corrupção, saúde e educação com padrão Fifa, qualidade de vida, justiça eficaz e igualdade social. O povo descobriu que pode controlar quem deixou o Brasil fora de controle.

Dilma e Lula são iguais

 A população brasileira não quer saber agora de plebiscito, referendo ou concostituinte.

A president@ Dilma é tão igual ao Lula que, como ele, está perdendo o bonde da História que vem direto da indignação do povo que ela deveria presidir e não manipular como Lula sempre fez e ela agora repete.

Em vez de ouvir o clamor das ruas, ao primeiro sinal da retumbante mobilização popular, Dilma foi consultar Lula, Sarney e Renan Calheiros. No dia seguinte, enquanto Lula conclamava os cinco "grandes" sindicatos a se misturarem ao movimento de uma geração que já não aguenta mais a corrupção e as malfeitorias sociais, Dilma chamou a mídia obediente e domesticada para desviar o foco das manifestações.

Lançou tudo o que a população brasileira não quer saber: plebiscito, referendo ou constituinte. Não é disso que a voz rouca das ruas está falando. Não se tinha nenhuma imagem até então de qualquer cartaz, nenhum grito, nenhum pirulito, nem qualquer gesto em direção a essa cretinice.

Mas, Lula não perdeu tempo e se reuniu no seu instituto de elucubrações maldosas com ONGs, células amestradas e organismos viciados que chama de "movimentos sociais" para que se infiltrassem no meio dos protestos. E logo começaram a bagunça, o assalto, as depredações numa onda desagregadora e bandida que tenta desarticular o sentimento de indignação que pede mudança real e urgente nas diferenças sociais, na desigualdade, no jeito de fazer justiça.

De outra parte, a president@ Dilma burramente e malvada como ela só mexe os pauzinhos com os grupelhos bem acomodados nos três poderes constituídos e reforça no 4° Poder putrefato as verbas de publicidade estatal nos grandes conglomerados da mídia - jornais, redes de rádio e TV, revistas, webmedia amestrada - vendendo a ideia de que o povo quer discutir plebiscito, referendo ou constituinte.

A população brasileira cansou. E Dilma não vê, como seu guru que está pronto para lhe dar a facada pelas costas também não viu - que está perdendo o bonde dos acontecimento e se encaminhando para o lixo da História do Brasil.

No seu sonho de Maria Antonieta deslumbrada, ela quer dar brioches a quem não pode comprar pão. O que o povo está pedindo é o fim da corrupção desbragada no seu governo; está pedindo saúde digna, educação eficiente, transporte de qualidade, salário decente, segurança nas ruas, moralidade, honestidade, mais igualdade e mais justiça social.

O que a nação está pedindo é o fim dos altos custos, dos gastos canalhas dessa Corte de magnatas da República, uma elite de malfeitores travestidos de políticos e inflados de autoridade nos escaninhos da estrutura do Estado para enriquecerem ilicita e impunemente.

Ninguém que não seja da camarilha de profissionais da baderna e do assalto à coisa pública está pedindo plebiscito, referendo nem constituinte. Isso é golpe. É mandar as raposas cuidarem do galinheiro. É dar uma banana para o clamor popular. É jogar pérola aos porcos.

Mas agora é tarde. Não esperem que todo santo dia haja um protesto de 100 ou 150 mil manifestantes nas ruas dos grandes centros urbanos; mas tenham a certeza de que a receita já fez o efeito.

Agora o que se verá pelas ruas de milhares de cidades serão manifestações exclusivas, diretas, de grupos sociais botando seu bloco na rua, exigindo respeito e seriedade e conseguindo no grito, na marra, com garra tudo o que esse tipo de governo manipulador da democracia vem usurpando, roubando, achacando na mão grande, sem medo de impunidade, sem medo de ser feliz.

O que a nação brasileira quer, antes de tudo, é a reforma moral do seu país: corrupção, não! Ladrão é ladrão, cidadão é cidadão!

E essa reforma não será feita, decerto, por Lula, por Dilma, por Renan Calheiros, Eduardo Alves, sindicatos pelegos, ONGs safadas, institutos de conversas fiadas, partidos políticos apodrecidos, por uma oposição estapafúrdia, frouxa e amestrada,  pelo Executivo corrupto, Legislativo corrompido, Judiciário lento e ajoelhado, o 4° Poder patrocinado. Eles estão impedidos pela sua própria natureza.

A president@ Dilma finge que não vê, Lula vê e tenta esculhambar, o Parlamento segue seu curso doentio de submisão às benesses do governo, a Justiça continua tardando e falhando, ao invés de se juntarem ao povo que já sabe que  ele, o próprio povo, pode fazer as mudanças que a camarilha que balança a pança prometeu e não fez.

Essa pandilha de sevandijas dissimula não estar vendo que o clamor das ruas desta geração indignada pode e vai alterar o quadro político e social brasileiro. Pior que dissimular está fazendo de tudo para que tudo fique como está; que nada deixe de ser como é.

Essa mudança, essa reforma moral e efetiva será feita pelo clamor, pela voz rouca das ruas que saberá separar - mobilização a mobilização, passeata a passeata, grito a grito- os "ativistas" profissionais do cidadão de bem, enojado e indignado com os malfeitores que se apropriaram do Brasil.

Esta geração indignada, formada por 10 ou 15% da população brasileira que sai às ruas e se faz ouvir pela pureza de seus gritos de revolta e de reforma, conta com a solidariedade dos 80% que, desacostumados do sentimento de reação, ficam em casa querendo e esperando as mudanças que vêm por aí, não demora nada.  O Brasil acordou e descobriu que os maus quando se fingem de bons ficam muito piores.

28 de jun de 2013

Pena de Morte no Brasil

Em um assalto corriqueiro em São Paulo, uma besta humana atirou na cabeça de um garoto de 5 anos porque ele chorava muito e pedia para não ser morto. O menino morreu no colo da mãe, ajoelhada, implorando misericórdia.

E então se pede pena de morte no Brasil. E este é o pior efeito que um criminoso transfere para a alma da sociedade: a crueldade que nos transforma em feras iGuais a ele. O sentimento é de fazer com ele o que ele fez conosco.

Então tá! Que seja implantada a pena de morte no país. Que venha então a pena de morte. Mas, prepare-se... Ela vai ser aplicada por quem?

Pela president@ da República, Dilma Vana; pelo presidente genérico, Lula da Silva; pelo presidente do Senado, Renan Calheiros; pelo presidente da Câmara, Henrique Alves; pelo presidente do STF, Joaquim Barbosa e seus pares e ímpares; ou pelos congêneres do rebotalho, um Natan Donadon que está na moda, ou pelo Zé Dirceu, Zé Genoíno, João Paulo Cunha e seus mensaleiros?!?

Quem sabe a pena de morte seja aplicada pelo comandante das Forças Armadas, pelo ministro da Justiça, ou pelos presidentes de partidos políticos; por quem usa o fardão da Academia Brasileira de Letras, Sarney, FHC e similares?!?

Então tá que venha a pena de morte. O Brasil enfim saberá o que é paz, graças ao modelo carioca de oferecer segurança à população.

Teremos todos uma grande Unidade de Polícia de Pacificação, com carrascos armados até os dentes e prontos para uma boa seríe de execuções. Sempre que receber ordens de um carrasco superior. Sabe-se lá quem há de ser.
MAU PRESSÁGIO?!?
Quem não gostou nadica de nada da prisão de Donandon foi o rebelde com causa do STF, Ricardo Lewandowski. Ele já disse que o desfecho é "um mau presságio" para os condenados do mensalão. Zé Dirceu e seus mensaleiros estão com o pé que é um leque. Seus primeiros passos são no sentido de fazer voltar ao Congresso a PEC-37, com as devidas cirurgias plásticas e outro nome, é claro.

Preso o 1° deputado dos que merecem cadeia

Natan Donandon do PMDB de Rondônia consagrou-se nesta sexta-feira como o primeiro deputado federal no exercício do mandato a ser preso na História do Brasil. Por peculato e formação de quadrilha ele pegou 13 anos de cadeia em regime fechado.

Donandon se entregou ao delegado da Polícia Federal, Marcelo Moseli que não estava sozinho na empreitada. O momento histórico se deu numa rua de Brasília, onde ele transitava calmamente sem que ninguém notasse qualquer diferença nele com relação aos demais parlamentares que andam pra lá e pra cá na capital federal.

O ladrão e quadrilheiro vai ser submetido a exames e na expectativa de que lhe escolham uma confortável cela na Papuda ou em outro presídio qualquer. E assim, com toda pompa e circunstância, está elucidado mais um caso na República dos Calamares.

Mas Natan Donandon que não se exiba, nem fique todo bobo; ele é apenas o primeiro deputado preso em pleno exercício de mandato; mas nem por isso chega a ser mais notório e nem mais público do que Zé Genoíno e João Paulo Cunha que, condenados pelo Supremo por corrupção e formação de quadrilha estão mais do que soltos, cumprindo expediente regular e muito bem remunerados na Câmara. E o melhor de tudo: integrando a Comissão de Constituição e Justiça da segunda maior casa de tolerância do Brasil.

Disso tudo fica a nítida impressão de que Natan Donandon não tinha lá grandes relacionamentos com Zé Dirceu, do contrário já teria se submetido a uma providencial operação plástica e quem sabe até casado clandestinamente com uma dessas jovens militantes que os lulistas estão encomendando para aplacar o hoje incomodativo clamor das ruas.
A CADEIA DOS MENSALEIROS
Agora com essa ordem de Lula para o PT sair para as ruas, não duvide que você de cara com Zé Dirceu e Zé Genoíno brandindo cartazes e soltando gritos de guerra na próxima manifestação popular. Pô, corrupto, não! Ladrão é ladrão; cidadão é cidadão!
MAIS UM CHUTE NOS FUNDILHOS
Jerome Valcke, o intrujão francês, vassalo de Joseph Blatter na Fifa, ensaiou mais um pontapé nos fundilhos dos brasileiros: "Não se fará revolução no Brasil entre hoje e a Copa". E ainda emendou de bate-pronto: "Verbas públicas são apenas empréstimos".

Não se pode negar, esse cara está por dentro. É assim, assim ó, com os lobistas desta Copa. Pena que o biunvirato Lula/Dilma não emprestou essa grana para construir hospitais, escolas, garantir a segurança pública e acabar com a corrupção.
FHC e SARNEY NÃO PERDEM POR ESPERAR

Pronto, Fernando Henrique Cardoso já pode vestir o fardão da Academia Brasileira de Letras. Empatou com Zé Sarney. E os dois ganharam do Lula. Mas eles não perdem por esperar.
ORA DIREIS, PLEBISCITO OU REFERENDO?
Pô, não é disso que a gente tá falando! Não é isso que a voz rouca das ruas está gritando! O que se quer de verdade e antes de tudo é a reforma moral: corrupto não; ladrão é ladrão, cidadão é cidadão!!!

TAÍ O LULA!

Queriam saber aonde Lula se enfurnou durante a mais aguda crise dessa República dos Calamares.

Ora, desde que Dilma mandou fechar aquele escritório do governo paralelo que ele montou em São Paulo sob a gerência de Rosemary, ele se homiziou no novo gabinete da Presidência do Brasil de Dilma sob o disfarce de Instituto Lula, o paraíso dos lobbies internacionais e dos negócios submersos de Estado.

É ali que o outrora maior agitador do ABC, trampolim para os portões de fábricas e palanques nacionais, desvia o rumo das manifestações indignadas da rua contra a corrupção e a desiguladade social, para as cavernas dos tradicionais sindicatos e outros perigosíssimos "movimentos sociais".

Lula já conversou com todos eles e já está escamoteando para o PT o golpe safardana da reforma política. Já desviou o rumo do clamor das ruas para o debate de puro arrego entre plebiscito e referendo.

Pronto, a manobra virou golpe. O povo esteve pedindo até agora o fim e o castigo da corrupção e melhor qualidade de vida. Lula se adonou, como sempre faz de tudo que passa por perto dele, da mobilização espontânea de rua e está transformado-a numa reles discussão sobre uma enganadora reforma política.

Já disse intramuros a seu séquito que vai fazer a reforma política que Dilma não conseguiu fazer. O camaleão finge não lembrar que antes de estar nesses três últimos anos presidindo o Brasil por baixo dos panos, ele foi presidente oficial desse País por oito anos, desde o malfadado ano de 2002.

Tratar de reforma política já é desviar o rumo da História do Brasil que começou a ser reconstruída na semana passada pela mobilização espontânea da população. Só mais um golpe dessa pandilha de sevandijas que humilha o Brasil decente; que debocha do brasileiro de boa vontade que clama por moralidade: corrupto não; ladrão é ladrão, cidadão é cidadão!

De alvo a estilingue

O alvo virou estilingue. Os políticos profissionais, governistas e opositores quebraram as manifestações e engessaram a geração que levou sua indignação às ruas.

Eles discutem entre si, sem nada perguntar ao povo uma vez mais, se deve haver um plebiscito ou um referendo. Quer dizer, já que não sabem e nada fizeram até agora perguntam o que querem perguntar à nação, ou então, fazem o que querem fazer e depois perguntam à massa já devidamente calada.

O plebiscito é a proposta indecente dos governistas que já bagunçaram o clamor das ruas, misturando seus lacaios de sempre às manifestações dos que se levantaram contra a desigualdade, a corrupção, os desmandos, a gandaia pública.

O referendo é a sugestão imoral de uma oposição até aqui quase tão conivente quanto inerte diante dos desmazelos que os três Poderes constituídos vêm cometendo contra o País. 

E assim, sem desalinhar uma gravata, sem amarrotar nenhum dos seus colarinhos brancos, sem despentear um só fio de cabelo, os proprietários da nação estão conseguindo desviar o som da voz rouca das ruas que já não quebra os cristais do poder cretino que domina o Brasil.

27 de jun de 2013

UMA PEC NO CAMINHO DA DEMOCRACIA

O Congresso Nacional está longe de ser a Casa do Povo

E a PEC 33 tomou agora o lugar da defenestrada PEC-37. A Proposta de Emenda à Constituição nº 33 - idade de Cristo - prevê que uma decisão tomada pelo Supremo declarando a inconstitucionalidade de uma emenda constitucional, deve ser analisada pelo Congresso Nacional que, se não concordar com a dita cuja, deverá enviar a questão a consulta popular. Pronto é isso.

O diabo disso tudo é que a Constituição-Cidadã de 88, não diz com clareza que cabe ao STF a palavra final sobre emendas constitucionais - famigeradas emendas, na sua esmagadora maioria.

Quando o Supremo deu de cara pela vez primeira com a questão, prendeu-se a analisar se ele próprio era competente para exercer o controle da constitucionalidade das tais emendas. E então, decidiu a favor de si mesmo. Isso, no entanto, não deve ser tomado como uma pá de cal sobre o assunto.

Em verdade, em verdade vos digo: no fundo, no fundo isso é muito mais uma questão de saber se estão puxando a sardinha para a minha lata ou a para a lata deles, do que uma simples decisão de que cabe ao Supremo e não ao Congresso ou ao povo o poder de enterrar o defunto. E a recíproca é verdadeira.

Essa PEC 33 de 2011, é de autoria do deputado Nazareno Fonteles (PT-PI), e foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados. Essa CCJ é aquela integrada pelos ínclitos Zé Genoíno e João Paulo Cunha.

Pela justificativa da proposta ela ganhou o codinome de “PEC da submissão”. O objetivo claro da emenda é o de combater o fenômeno da expansão do poder Judiciário que se manifesta sob duas conhecidas vertentes: a da judicialização das relações sociais e a do ativismo judicial.

O seu ponto mais agudo e perigoso é o artigo 102, parágrafo 2º da Carta de 1988. De acordo com o projeto, as decisões de mérito proferidas pelo STF nas Ações Diretas de Inconstitucionalidade deixariam de possuir imediato efeito vinculante e eficácia contra todos e seriam encaminhadas ao Congresso Nacional que no prazo de 90 dias poderia se manifestar de forma contrária a decisão. É aí que os parlamentares teriam obrigatoriamente que submeter a matéria à consulta popular.

A proposta, considerada apenas admissível pela CCJ, não é bem recebida pelo Judiciário, que a entende como uma tentativa de fragilizar a democracia, gerando uma tensão verbal entre os seus representantes e os do poder Legislativo.O que está em jogo agora é saber afinal, qual é o modelo de controle de constitucionalidade que nós queremos?

De minha parte, sem medo de ser feliz e do alto de 35 anos em Brasília, eu lhes garanto: assim como está o Congresso Nacional ele está longe de ser a Casa do Povo e a democracia não passa por ali.
ESPANHA X ITÁLIA
O jogo foi tão assim e tão assado que até o Felipão gostou

Antes de Espanha x Itália, estive assistindo o sérvio Djokovic x o americano Reynolds pelo Torneio de Wimbledom, 3° Grand Slam da temporada.

O seleto público, endinheirado, de olhos azuis e cabelos loiros era, igualziho, sem tirar nem pôr, ao público que a gente está vendo encher os a meia dúzia de novos estádios que a Fifa mandou o governo brasileiro construir por aqui.

Lá em Wimbledom, como tem se visto por aqui, não há um só desdentado, um único descamisado, nenhum pé descalço na plateia.

O tênis, em Londres, como o futebol aqui no Brasil, é esporte para as elites, esporte pra rico. Gente pobre e remediada assiste em casa, comendo pipoca e bebericando umas que outras, tudo comprado no super e no "crédito" com cartão que já é quase mês que vem.

Pronto, postei-me na minha sala de TV para assistir à semifinal Espanha x Itália. Quero só ver qual desses dois times vai caçar o Neymar em campo no domingo.

Quem diria que torcida de futebol no Brasil transcenderia perfume de gardênia e distribuiria sorrisos de todos os dentes? Quem diria que, no meio da galera, não se veria um único e tradicional vendedor de amendoím?  Quem diria?!? A Fifa, madre superiora e soberana do jogo de bola no mundo, diria! Como disse que assim fosse feito... Ou então, nada feito!

Então tá, vamos ao jogo. Até por quê o sérvio Djokovic já triturou o americano com uma trigina a bizuca. Vamos ao futebol.

Pronto, acho até que vi o Pirlo na hora do Hino cantando um trecho do Il sole e mio. Foi só impressão. O jogo foi tão assim e tão assado que até o Felipão deve ter gostado.

Se a Itália lamenta a ausência de Balotelli, a Espanha sofre o desfalque de seu melhor craque, o Lionel Messi. O que há de bom nisso aí é que nós, os que pagamos uma nota pelo aparelho de TV e os ricos que estão no Castelão, em Fortaleza - podemos botar a culpa na Argh!entina. Mais uma vez, ora essa.

Pronto, terminou o primeiro tempo. Vem aí, para gaúdio de Argh!nelo Queiroz, o Segundo Tempo.

E veio. E pronto, terminou. E foi um baita zero a zero. E, afinal, as penalçidades máximas. Como se espanhóis e italianos merecessem mais penalidade ainda. 

Casillas e Buffon, de tanta bola que levaram na trave durante o tempo regulamentar e a prorrogação, foram disputar o título de mais, digamos como diriam nossos ancestrais, de mais leiteiro da Copa-Cozinha.

A Itália adora perder título nas penalidades. Ei, o Loco Abreu bateu o pênalti para a Itália!!! Cavadinha no Casillas! Mas o Xavi empatou. E o resto é o resto. Afora a Shakira é claro que cobrou a penalidade junto com Piquet.

A primeira série terminou empatada: 5 x 5. Ninguém erra nesses times. O Brasilk que não se meta a decidir nada nos pênaltis com eles. 

Estava tudo muito igual. Parecia que a coisa só terminaria amanhã de manhã. Aí, Bonucci fez a diferença. Bateu bem do jeito que a Itália gosta de perder um bom título.

Agora sim, o Felipão gostou de verdade. Os caras se desmilinguiram numa prorrogação de meia hora e na cobrança dos pênaltis. O selecionado dos cartolas da CBF vai pegar um bagaço pela frente, domingo lá no Maracanovo. 

Vai ver até que o Brasil já nem precisa mais dessas mobilizações de rua e que Lula pode voltar que é tudo que a gente quer: um pé frio na Copa do Mundo do ano que vem.

Lula contra o governo Dilma

 "É hora de trabalhador e juventude irem para a rua para aprofundar as mudanças, enfrentar a direita e empurrar o governo para a esquerda".

Lula convoca "movimentos" sociais para ir às ruas. Epa! Lula também não está contente com o governo Dilma. Mais até que isso, Lula está contra o governo Dilma. Eis então que chegou a hora de Lula tomar de volta o lugar que nunca deixou. Ele já não aguenta mais ficar governando e fazendo lobby ao mesmo tempo, lá no seu instituto no bairro do Ipiranga, em São Paulo.

Sabe quem foi que ele chamou no apito para saírem às ruas e se misturarem com a mobilização popular que está sacudindo os três Poderes da República? Ninguém mais nem menos do que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a União da Juventude Socialista (UJS), o Levante Popular da Juventude e o Conselho Nacional da Juventude (Conjuve).

E, sem medo de ser feliz, disse-lhes que "é hora de trabalhador e juventude irem para a rua para aprofundar as mudanças, enfrentar a direita e empurrar o governo para a esquerda". Tradução: o governo dele e da Dilma - dupla no poder há 12 anos - não fez as mudanças que ele e ela prometeram fazer e mais: para Lula, o governo Dilma é de direita, ou então ele estaria enrolando a própria língua mandando o seu bando de manifestantes profissionais "empurrar o governo para a esquerda".

Retrato da patacoada: como ninguém mais lançou o golpe "Volta Lula!" ele mesmo resolveu dar o brado retumbante que já não pode mais calar. E nem é tanto por vaidade e exibicionismo, nem pelo gosto permanente e deslavado em sua boca pelo poder; Lula se atira assim de frente rumo à rampa do Palácio do Planalto, porque se amedrontou até os tentáculos com a verdadeira voz rouca das ruas.

Por causa desse clamor das ruas, o Congresso até decidiu que corrupção é crime hediondo. Crime assim não tem fiança; é cadeia na certa. Lula, muito mais do que ser presidente de novo, está precisando agora é de imunidade outra vez.
CRIME HEDIONDO
Com os olhos revelando o medo que lhes provoca o clamor das ruas, os parlamentares ficaram homiziados até tarde na Casa do Povo. Fizeram serão - quem diria?!? - e aprovaram projeto de lei que torna corrupção crime hediondo. Há pontos a ponderar: 1) não sabem muito bem o que é crime hediondo; 2) deveria ter efeito retroativo; 3) estão confiando demais na morosidade da justiça. Em todo caso, nada como uma boa manifestação popular para fazer essa turma entrar nos eixos e cumprir expediente.

ENTREMENTES...
Sem sair do aquário governativo em que transformou seu instituto para seminários e lobbies internacionais, Lula já inciou a espalhar seus tentáculos para confundir a voz rouca das ruas que nasceu de baixo para cima, livre, espontânea, indignada que está despertando e enquadrando o Brasil.

Lá mesmo no Instituto Lula, no bairro Ipiranga, em São Paulo, ele disse para os lacaios de sempre que "é hora do trabalhador e da juventude irem para a rua aprofundar mudanças, enfrentar a direita e empurrar o governo para a esquerda".

Até aí, ele falou, agora digo eu: trata-se de mais uma urdidura safardana e letal desse cara. Se é preciso "aprofundar mudanças" é por que nos oito anos como proprietário do Brasil ele não fez nada, a não ser tratar de enriquecer e banalizar escândalos; isso ele não diz.

E sabem para quem ele estava falando? Para as velhas e manjadas bandas largas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a União da Juventude Socialista (UJS), o Levante Popular da Juventude e o Conselho Nacional da Juventude (Conjuve).

Pronto, ele está misturando as coisas, como de hábito na sua vida e iniciando um movimento "criminoso, absurdo e desumano" - diria Dilma, se Dilma falasse - no sentido de estabelecer a mixórdia, a desordem e a confusão no seio das mobilizações verdadeiras e legítimas da população que já não aguenta mais a ladroagem, o vassalismo, o compadrio e a hipocrisia desse regime desbragado de corrupção e desmandos que, desde 2002, quando ele subiu a rampa tomou conta do país.

E, assim é que presidindo clandestinamente o país lá do seu instituto, matriz daquele escritório que era gerenciado por Rose, a primeira-dama do governo Série B brasileiro, ele consegue ser uma das mais perniciosas figuras da História do Brasil. O cara é mesmo hediondo.

26 de jun de 2013

CRIME HEDIONDO
E então os jornais e  a rede social anunciam: Após pressão popular, senadores aprovam projeto que transforma corrupção em crime hediondo. Aguardem! Vem aí um projeto para definir o que é corrupção. Eles têm uma vaga ideia, mas não querem parecer homofóbicos caçando corruptos ativos e passivos. E se o safardana for gilete e cortar dos dois lados, como é que fica?!?

CBF 2 x 1 Uruguai

E que no ano que vem a Copa do Mundo venha quente que o Brasil vai estar fervendo

Acabou mais um comercial do Minha Casa Melhor, outro engodo do governo em forma de bolsa-mobília que vai deixar o brasileiro humilde mais encalacrado ainda e começou a semifinal da Seleção da CBF contra o Uruguai, de Zé Mujica.

E lá estava uma vez mais a pátria de chuteiras cantando o Hino Nacional que, dessa vez, não fo entoado por uma dupla sertaneja. Nesta tarde em Belo Horizonte, os únicos mascarados estavam fardados, no Mineirão. Lá na mobilização de rua, não havia predadores.

De novo, um estádio hodierno desse imenso Brasil estava lotado de gente rica. Uma elite feliz da vida. E para cada 10 mil torcedores, um era afro-descendente. Isso é que é uma copa politicamente correta.

A bola não tinha rolado ainda e uma faixa desfilava em campo: "Não ao racismo". Besteira. Impossível qualquer manifestação racistas no Mineirão. Ali só tinha olho azul e cabelo loiro.

10 Minutos - Epa! Acabaram de me acordar. pensei que era o celular. Foi o apito do juiz. Que pelada! Pelo visto, a Espanha ganharia desses dois times ao mesmo tempo.

12 Minutos - Pênalti burro de Davi Luiz. Forlan justifica o boicote que sofreu do técnico uruguaio que não o colocou em campo para fazer dez gols no Taiti e se transformar no maior goleador da história dessa Copa-Cozinha. Bateu fraquinho, rasteiro. Até Julio Cesar pegaria. Pois, pegou.

25 Minutos - A seleção de Scolari joga assim como se fosse um ministério da Dilma Não tem produtividade nenhuma. Tá bom, pode ser um pouco menos: a seleção joga como se fosse o Congresso Nacional.

30 Minutos - A torcida já desconfia que Scolari não é técnico; é eletricista. Isolou o meio de campo e o time só faz ligação direta.

35 Minutos - Pô, me acordaram de novo. É um amigo do vizinho aqui do lado. Ele gosta de soltar foguete e sinalizador. usa uma camiseta lkistrada em preto e branco. Como é junho ele solta foguete que não acaba mais. É devoto de Santo Antônio. E a mulher dele também. Já casou quatro vezes.

40 Minutos - Quando eu ia dormir de novo, Paulinho deu um balão pra frente. Caiu no peito de Neymaravilha que quase fez o gol. A bola deu no peito do goleiro e sobrou, adivinha pra quem, hein, hein? Gol de Fred - O Mago. Não, não é que ele seja mágico ou faça milagre; é que Fred é tipo assim Paulo Coelho, escreve uma página e vira best-seller. Fred toca uma vez na bolla e ela entra.

45 Minutos - FIm do primeiro tem. Vem aí para gaúdio de Argh!nelo Queiroz o Segundo Tempo.

Fiquei no Facebook o tempo suficiente para perder po um minuto o gol de empate do Uruguai. Dizem os narradores dos canais que se alternam na minha TV que foi Cavani quem marcou. Dizem que ele está agradecendo até agora o presente de Davi Luiz.

Bom, passou um bocado de tempo. Agora, saiu Hulk por antipatia da torcida e entrou Bernard, por pura simpatia mineira.

FeliPão acha que se botar Jô em campo ele não faz gol nesses caras. Não botou. Tirou Oscar e botou Hernanes. Deve ter sido por causa da bela e bem articulada entrevista que deu de manhã sobre as mobilizações de rua no Brasil.

92 Minutos - Zagueir Gonzales do Uruguai sai de campo e provoca Neymar que se preparava para cobrar mais um escanteio. Neymar retribuiu as ofensas com um desaforo: mandou a bola na cabeça de Paulinho. Pronto CBF 2 x 1 Uruguai. Esse Felipão é um gênio!

Aí, entrou Dante e saiu Neymar... E eu saí da sala.

Agora, só falta a Espanha levar um pontapé por minuto contra a Itália amanhã e se classificar com um flamante 2 x0 que vai lhe deixar com pelo menos nove jogadores seriamente lesionados. NO domingo, a CBF ganha do segundo time espanhol e pronto, de novo, o Brasil é o País do Futebol.

E então é como gritam os manifestantes com sua tonitruante voz das ruas: Que no ano que vem a Copa do Mundo venha quente que o Brasil vai estar fervendo.

Meia Verdade

João Pedro Stédile, um bufão carimbado do sindicalismo de resultados, craque na "estratégia lulática de coalizão pela governabilidade" e, acima de tudo, presidente do MST, botou a boca no trombone, como se fizesse uma grande denúncia. Ele diz agora que "a Copa foi boa para Globo e empreiteiras". Claro que foi; choveu no molhado. Pena que disse só meia verdade, como faz bem aos que são da turma dele.

Foi boa pra Globo, para as empreiteiras, para a turma de lobistas capitaneada por Lula que trouxe essa copas para um Brasil que precisa de hospitais, de segurança, de transporte, de educação e igualdade social; foi boa para quem, como a primeira-mulher-presidenta da República, aliviou as licitações para as obras faraônicas; foi boa para quem vai pegar a gorda comissão pela intermediação e viabilização do grande e mafioso negócio que é uma Copa-Cozinha, uma Copa do Mundo e uma balio de Jogos Olímpicos.

Stédile fez lembrar aquela velha história dos dois grandes amigos bêbados numa mesa de bar:

- Ei, Paquito, tenho que te dizer, tua mulher está te traindo.
- Como assim, Deodato?
- Pô, me desculpe, mas sou teu amigo tenho que te dizer: Aninha tá te metendo chifre!
- Muito obrigado. Obrigado mesmo. Você é um amigão - disse o corno que se levantou e foi pra casa.

E foi profundamente agradecido. Aquilo sim é que era amizade. Já no mesmo bar, na mesma mesa, o grande amigo Deodato tomava mais uma dose e conversava com seus botões: - É verdade, Aninha tá traindo mesmo o Paquito....Bosta, eu deveria que ter dito que Aninha tá metendo chifre nele... E que é comigo.

Ah sim, a Copa-Cozinha das Confederações está sendo boa para quem tem todos os dentes, camisa esportiva Lacoste, tênis de grife e dinheiro no bolso. A Copa foi boa até aqui, para quem se contenta em assistir a uma partida de futebol pela TV, em casa, ou pelos telões colocados estrategicamente bem por onde passam os filhos dos ricos que entram nos estádios.

Dia do Ranço nas Ruas

Se você pensa que só o PMDB é caroneiro no bonde do Poder, não só está redondamente enganado, como pegou o bonde errado.

Olhe só a manchete da edição desta quarta-feira do jornal O Estado de São Paulo: Centrais sindicais anunciam greve geral para o dia 11 de julho. Líderes marcaram "Dia de Luta" para pressionar Dilma a dar mais atenção à pauta trabalhista. 

Como sempre, os manjados grandes sindicatos - que botam o bloco na rua e depois seus líderes de sempre "negociam" a portas fechadas com os governos - pegaram carona com a onda de mobilizações populares que sacodem e despertam o Brasil.

"Dia da Luta", um privica! "Dia do Ranço nas Ruas"

Dia do Ranço nas Ruas

Se você pensa que só o PMDB é caroneiro no bonde do Poder, não só está redondamente enganado, como pegou o bonde errado.

Olhe só a manchete da edição desta quarta-feira do jornal O Estado de São Paulo: Centrais sindicais anunciam greve geral para o dia 11 de julho. Líderes marcaram "Dia de Luta" para pressionar Dilma a dar mais atenção à pauta trabalhista. 

Como sempre, os manjados grandes sindicatos - que botam o bloco na rua e depois seus líderes de sempre "negociam" a portas fechadas com os governos - pegaram carona com a onda de mobilizações populares que sacodem e despertam o Brasil.

"Dia da Luta", um privica! "Dia do Ranço nas Ruas"

Isso é que é maquiagem!

Enquanto banca a mosca tonta diante das manifestações de rua, Diolma Vana não perde tempo e mostra o que uma primeira-mulher-presidenta deve fazer diante de situações em que veste saia justa e vai ler seu improviso por escrito na TV: sua maquiagem e penteado ajeitadinho para aparecer na TV, custaram R$ 3.125.

Para tratar da própria imagem da mandona da República, sua assessoria cada vez paga mais caro pelo tratamento adequado a um bom  pronunciamento.

Usando a  Lei de Acesso à Informação, o jornal Folha de São Paulo obteve os orçamentos detalhados de 12 das 14 aparições oficiais de Dilma na sua sala de televisão.

E conta: nos nove primeiros, preparar o visual presidencial custou R$ 400. Nos três de dezembro de 2012 a março deste ano, o governo pagou, em cada vez, R$ 3.125 - 681% mais, variação de fazer corar o tomate, vilão da inflação.

Tá bom, tá bom. A gente só quer saber agora quanto custou o último penteado da sua esposa. Eu ontem chorei as pitangas lá no Salão do Onofre, na W-3 Norte, onde aparo minhas madeixas desde que cheguei em Brasília, em fins de 1977, porque eles me cobraram R$ 23 pelo corte, escova e só, porque lavar eu o lavo no banho matinal. Para me arrefecer os ânimos ganhei o seu tradicional cafezinho e balinhas de menta. Nem agradeci pela revista Veja que me deram para ler enquanto realizavam a minha operação visual.

No fundo, no fundo, a gente vai acabar achando que R$ 3.125 para deixar Dilma Vana bonita está pra lá de barato. Calcule quanto não estarão cobrando para maquiar a inflação.

O Ranço

Ninguém se sente melhor com o ranço do poder do que o PMDB. Gosta de mandar e manda mais que o PT. Pobre do PT de Lula sem o PMDB de Michel Temer. Pois agora, pobre da Dilma.

O PMDB acostumado como é com o status de eterno vencedor e perene co-mandante, já sente o cheiro de derrota que começa a escapar do gabinete da primeira-mulher-presidenta Dilma Vana rumo às eleições do ano que vem.

E então, entre aspirar os aromas que cercam uma mosca tonta, o partidaço já começa a se inclinar pela maresia que denuncia a presença de um dos velhos e apetitosos frutos do mar.

O PMDB de Michel Temer, brabo porque não foi consultado por Dilma na hora de sugerir o plebiscito, já botou Lula no seu cardápio.

Vejam só o que a mobilização desta nova geração fez em uma semana com a República dos Calamares. Os primeiros efeitos estão no ar. E no Palácio, logo todas as moscas estarão revoando ao redor dos monturos que mais gostam. E agora Lula não é mais o prato preferido apenas dos petistas descontentes é também uma espécie de banquete para quem gosta do ranço do poder.

PT AGORA QUER TAXAÇÃO DAS GRANDES FORTUNAS

Com seu líder, mentor, mestre, guru e inventor de postes que atende pelo nome de Lula da Silva, palpiteiro-mor da República dos Calamares, recolhido à mais recôndita distância do clamor das ruas, o PT banca o valente e tenta juntar-se à geração que está sacudindo esse Brasil que o próprio PT vem dominando.

O PT agora tirou do fundo do baú a luta pela taxação das grandes fortunas. Epa! O silêncio de Lula começa a ser retumbante. Pelo visto o PT está mergulhado numa grave guerra intestina.

Onde será que se enfiarão Lulinha, Dirceu, Palocci, seus advogados e outros líderes  da sigla que já foi dos trabalhadores e agora é da brizolista Dilma Vana?
CUIDADO! CUIDADO COM OS AGUAPÉS

Olhaí gente! Cuidado, meu povo! Muito cuidado. A mexida que esta geração indignada deu e está dando no país, está fazendo os aguapés também se mexerem.

A pandilha detonou ontem a PEC-37 que impedia o Ministério Público de investigar os corruptos e malfeitores públicos. E os nobres deputados discursaram vibrantes em homenagem "'à vitória do clamor das ruas".

Ah é, é?!? E por que então, esses mesmos parlamentares não atenderam ao clamor das ruas que pediu e ainda pede a saída de Renan Calheiros da presidência do Senado?

Agora, ainda varando a madrugada, os mesmos políticos jogaram para a plateia aprovando 75% dos royalties do petróleo para a educação e 25% para a saúde. Ah é, é?!? Quanto é 100% do prejuízo que a Petrobras vem oferecendo?!? Vão se catar!

Agora mesmo, as centrais sindicais - que sempre se acumpliciaram com o poder dominante - estão convocando greve geral no país para que "o governo ouça os apelos trabalhistas".

Olhaí, gente! Cuidado! Muito cuidado, eles estão se misturando e logo estarão desfraldando suas bandeiras de vitória, como sempre as fizeram drapejar depois de entrar em acordo com quem está no poder há mais de 12 anos traindo até mesmo suas próprias falas, já que ideologia nunca tiveram mesmo.

Cuidado, gente! O grande mentor da carcomida voz rouca que sempre comandou as massas e balançou a pança está encolhido, escondido, tomou Doril. Daqui a pouco, ele dará o bote. Cuidado, prezada geração de verdadeiros indignados, não deixe que essas tralhas se metam em seu caminho.

Enquanto isso, a verdadeira voz rouca das ruas está cumprindo o seu papel. Hoje mesmo a Rocinha desceu o morro e está lutando pacificamente por saúde e transporte dignos, não é por 20 centavos, não. E nem querem teleférico nenhum no lugar de qualidade de vida.

Hoje mesmo a periferia de São Paulo está nas ruas pelo mesmo motivo: saúde, educação, segurança e transporte. Já não suportam andar enlatados como sardinhas, nem por menos 20 centavos, nem pelos R$ 3 de sempre.

O Brasil está se mexendo. Cuidado, prezada geração de inconformados com o que esses governos vêm fazendo com o seu Brasil. Eles já estão se vestindo de camaleões. Não deixem que eles se misturem a vocês.

O Brasil mais velho também já não aguenta mais. E não demora nada, vocês desta nova geração de indignados, terão as bengalas  desses marchas-lentas a seu lado e a sua disposição. Desses cidadãos mais vagarosos que tiverem a honra de juntar a voz e o ânimo de sua indignação à sua mobilização, vocês não precisam se cuidar.

25 de jun de 2013

Confissão de culpa

 Os compadres não têm antídoto.

A voz rouca das ruas retumbou pelo país afora e meteu medo no poder de tal maneira que, mais do que revelarem isso no olhar, os senhores e senhoras dos anéis, acabaram confessando sua culpa, sua máxima culpa pela caujsa que levaram à indignação do povo.

A velha guerrilheira Dilma Vana saiu da trincheira palaciana para explicar. E, como sempre acontece com quem tem culpa, explicou mas não justificou.

Quem a assistiu no primeiro improviso por escrito na TV e quem a escutou abrindo a Cúpula dos Compadres, percebeu uma confissão de responsabilidade disfarçada em abertura solene de pauta: "Nós estamos ouvindo essas vozes que querem mais; que querem mais saúde, mais educação, mais transporte, mais segurança"...

Pronto, nem precisava saber do que falavam nesse conclave de culpados, nesse compadrio de hipocrisias, para saber porque Dilma Vana não disse que "essas vozes" queriam menos corrupção, menos gastos, menos desvios, menos impunidade, menos desigualdade...

A confissão de incompetência, de descaso, de falsidade estava ali, no ato inaugural da reunião de emergência dos compadres que, ao fim e ao cabo dos salamaleques de sempre, culminaram com a proposta "criminosa, absurda e desumana" de um plebiscito para fazer a reforma política que adormece no Congresso há 25 anos.

Tão crimonosa, absurda e desumana, quando aquele boato plantado pela Caixa Federal sobre o fim do Bolsa Família, assim classificado pela própria Dilma quando pensou que o "crime" era obra dos imaginários opositores.

E tão rota e esfarrapada foi a proposta de agora que foi apenas um reles cópia - talvez pelo soprão no ouvido que levou na véspera em São Paulo - da sugestão de plebiscito que um cara chamado Luiz Erário Lula da Silva fez em 2006, no auge do escândalo do mensalão que, na época, não mereceu passeata, nem marcha, nem contramarcha.

Dilma Vana, valeu-se agora do plebiscito para desencarnar a pressão pelas malfeitorias dos malfeitores do seu governo, mero prolongamento da Era Lula, tempo de compra e venda de almas e siglas partidárias.

Dilma Vana, desta feita, tomou-se de prudência. Andou olhando as orelhas do Príncipe, de Maquiavel. E aconselhando-se com seu bruxo de casamata, vendo que o dano não tinha remédio, remediou a crise  dissimulando uma saída de débil astúcia, atirando um plebiscito para explodir no colo dos seus compadres enquanto tenta tirar o corpo fora. 

Ela que se prepare pela arapuca que armou nesse baile de cobras. É que essa cobras criadas estão acostumadas a devolver a quem lhes dá veneno, outros venenos bem mais danososo e letais.

Assim é que, a voz rouca das ruas retumbou nos salões do poder. O povo já sabe que o veneno mortal para essa pandilha de compadres é a verdade. A verdade nua e crua.

Para a verdade nua e crua, essa horda de depredadores do patrimônio público não tem antídoto.
ELA QUER SABER
Vejam só quem apóia o "plebiscito" de Dilma: Renan Calheiros, Mercadante, Zé Guimarães, o bom de cueca e líder do governo na Câmara, essas figuras cascorrentas da República dos Calamares. Dilma quer saber o que é mesmo que precisava ter feito e que até agora não fez. Bolas, faz um plebiscito só com o Lula e o Rui Falcão que já dá para saber porque a democracia no Brasil está no estado em que se encontra.

Os médicos cubanos

Fui remexer nos gorgulhos do Google só para saber quantas escolas de medicina o Brasil disponibiliza para seus quase 200 milhões de habitantes. Resposta: 201 escolas médicas em atividade - 116 particulares, 48 federais, 30 estaduais e 7 municipais. Elas formam por ano nada menos de 16.500 médicos. Ponto.

Fui saber da China, tigresa asiática que tem uma população de mais de 1 bilhão e 300 milhões de pessoas. Resposta: a China possui 150 cursos médicos. Vai ver que a verdade chinesa está na acumpuntura. Reticências...

E então, movido a discursos de Alexandre Padilha, fui saber de Cuba, paraíso com menos de 11 milhões e 300 mil fiéis seguidores dos irmãos Castro. Resposta: lá tem 25 faculdades públicas de medicina e uma escola latino-americana que matricula acadêmicos estrangeiros.

Acho até que foi lá que Lula recebeu o seu primeiro diploma de doutor honóris causa própria. Em Cuba, nada menos de 11 mil estudantes recebem diploma de médico por ano. Há controvérsias. Exclamação!

Isso quer dizer o seguinte: o povo cubano está farto de ver tanto médico pela frente. Queixou-se para Lula que falou para Dilma que mandou Padilha trazer para cá os doutores que, pela notória especialização, não conseguiram emprego na simpática e atrativa ilha de Fidel.

Ah bom, a saúde pública do Brasil agora vai. Ponto final.

A Reunião dos Compadres

Do compadrio saltou uma proposta de plebiscito; ninguém tugiu nem mugiu sobre uma reforma moral: Corrupto, não! Ladrão é ladrão, cidadão é cidadão.

O complexo de culpa é tão grande que Dilma Vana, ao invés de procurar uma solução tentou passar a batata quente para as mãos dos compadres que ela chamou ao Palácio. Fingiu que queria dialogar com ministros, líderes parlamentares, prefeitos e governadores e lhes passou um rol de roupa molambenta para que fosse encaminhado à lavanderia mais próxima.

De onde se esperava que nada saísse, foi dali mesmo que nada saiu. Do compadrio saltou uma proposta estapafúrdia de plebiscito para uma reforma política; mais um golpe aplicado por quem não soube sequer fazer mais do que nem lavar a roupa suja em casa até agora. Dilma Vana empurrou com a barriga. Espera que alguém perca tempo bastante para abafar o clamor das ruas.

A coisa foi tão nonsense, tão sem noção, que já na abertura da Cúpula de Crise Dilma Vana deixou a nítida impressão de que se a seleção da CBF ganhar amanhã do Uruguai, Felipão não tem para quem perder nas eleições presidenciais de outubro do ano que vem. Não, Neymar não pode ser presidente. Além de não ser filiado ao PT nem ao PMDB, ele joga no Barcelona; agora é estrangeiro.

O pior de tudo é que, antes de convocar aquela banda de caras largas que lá esteve com ela, Dilma saiu de casa e foi a São Paulo consultar com seu guru, Luiz Erário Lula da Silva que, como sempre que o caldo engrossa, tomou chá de sumiço. Sua voz rouca já não é aquela voz das ruas. Pelo menos até o próximo episódio. Mas falando baixinho ao pé de um ouvido, ele continua um perigo.

Resultado, no day after Dilma só disse besteira boca afora. Falou assim como se todas as mazelas não fossem herança de Lula, mas dos tempos de FHC - outro que o trem não pega - com quem também esteve ela conversando antes de ir falar com o presidente de honra do PT.

Dilma faz que se esquece de que o "governo anterior" era do Lula. Acha que Lula é diferente de FHC e que ela é diferente dos dois. Aí dá no que deu. Em nada. Saiu dos dentes pra fora uma proposta de plebiscito. Pronto! Passou por cima do Legislativo, atropelou o Congresso Nacional, uma vez mais.

E sem a menor necessidade. Bastaria uma PEC da Reforma Política e estava feito o carreto. PEC, se você não está lembrado, quer dizer Proposta de Emenda Constitucional. Isso, num Congresso em que o governo dela tem a maioria, passaria rasgando; com uma mão atrás e outra na frente. E o povo teria a chance de ficar com um pé atrás. 

Não o já tradicional pé no traseiro, pé nos fundilhos que esse governo anda levando até do secretário da Fifa; pé atrás no sentido de ficar com o olho vivo e o pé ligeiro. Que não é por nada que esse Congresso é o que é e o que tem sido até aqui... Tudo, menos a Casa do Povo.

Enfim, da reunião de Dilma com seus acólitos malfeitores titulares de governos malfeitos, saiu tudo aquilo que já se esperava: bulhufas. Dilma Vana, bem mandada e cabeça feita, quer pactos por responsabilidade fiscal, reforma política, saúde, educação e transporte. Não falou nada sobre segurança. É que isso ela e eles têm até demais.

Quer dizer, tudo isso que ela agora diz querer - sem dizer porque não fez até hoje - é tudo quanto ela, Lula e FHC tiveram 21 anos para fazer e não fizeram. 

Nenhum deles tugiu nem mugiu sobre a urgência urgentíssima de uma reforma moral: Corrupto, não! Ladrão é ladrão; cidadão é cidadão!

24 de jun de 2013

MORTE LENTA

O brasileiro se acostumou a comer pratos feitos como se fossem banquetes. Um deles: "A justiça tarda, mas não falha". Uma ova que não falha. Tarda e falha. Zé Dirceu e seus sequazes que o digam.

Outro: A Justiça no Brasil é lenta". Meia verdade. É lenta, sim. Mas não está sozinha. O governo é lento em tudo e por tudo, menos para gastar os tubos com ele mesmo. De resto fica tudo pra depois. Sempre para o período eleitoral mais próximo, quando tudo é empurrado pra a pr´poxima gestão.

O Legislçativo é lento. O Congresso é um paquiderme. Tudo é prorrogado ali, menos a corrupção, os achegos, as maracutais da única estartégia governamental que lhes faz bem ao fígado: "coalizão pela governabilidade" quer dizer, cargos, salários, propinas, ministérios, moedas de troca de todo tamanho e feitio.

O pior é que o brasileiro tem estômago de avestruz: digere tudo como se fosse verdade absoluta. E não morre engasgado. Morre lentamente de indigestão. De enfartado pela desigualdade social.
PROJETOS CONCRETOS

Os canalhas de sempre já começaram a querer desqualificar a mobilização popular que sacode o Brasil, cobrando "projetos concretos" para o clamor das ruas.

Cretinice pura. A geração que está nas ruas não tem que ter "projetos concretos" nem acabados, nem assim ou assado.

A mobilização tem uma razão: a indignação; o cansaço de ver malfeitores imunes e impunes debochando da nação.

Quem tem que ter projeto concreto e acabado é o governo Dilma, o Senado de Renan,  a Câmara de Henrique Alves; o Ministério Público, a Magistratura, o Judiciário que lento e que falha porque tarda.

O projeto da mobilização popular é mais que conccreto; é definido: é contra a corrupção; contra o desmando, a incompetência; contra a péssima qualidade de vida; o descaso para com os serviços essenciais como saúde, educação, transporte, segurança pública.

O que esta geração quer é reforma moral: ladrão é ladrão, cidadão é cidadão; quer reforma política: voto facultativo, distrital, como direito e não como obrigação e cabresto.

Querem mais que isso? Pois essa geração tem mais um "projeto concreto": cadeia rápida e rasteira para os corruptos.

A Poderosa

Se Dilma dita, o povo desdita.

Dilma Vana, não faz nem dez dias, foi considerada a 2ª mulher mais poderosa do mundo pelo ranking da Forbes, a revista Caras do imperialismo deslumbrado. Dilma Vana, se você não se deu conta ainda, é presidenta-diligenta apenas e tão somente do Brasil.

Isso quer dizer que, para ser a segunda mulher mais poderosa do mundo, tem que poder muito, bem mais do que esperava; tem que poder tanto que seu governo governa demais o país que preside.

Nas verdadeiras democracias, não é possível nem é crível e, muito menos cabível alguém ter tanto poder e não fazer certo o que precisa fazer certo e nem sequer saber ditar direito o que dita.

Se Dilma Vana dita quando edita uma medida provisória, seu AI-5 predileto; se Dilma Vana dita quando convoca ministros; se Dilma Vana dita quando chama governadores e prefeitos, então Dilma Vana é uma ditadora.

Ela é poderosa porque manda no Palácio, no Congresso, no Supremo e, não demora nada, vai regular de vez o 4° Poder. Quem sabe Dilma dita uma Bolsa-Mídia. Mas aí, a geração que está despertando o Brasil desdita.

Já se sabe agora, por causa dessas mobilizações que estão apenas começando, que Dilma Vana não é a 2ª mulher mais poderosa do mundo só porque preside o Brasil; ela é poderosa porque manda no Brasil. E a voz rouca das ruas sabe muito bem quem manda na Dilma.

Mobilização solitária no Planalto

Canto Cisne? Bravo! Eu quero aplaudir

Nessa mobilização solitária desta segunda-feira imposta por Dilma - a 2ª mulher mais poderosa do mundo, pela Forbes vai pressionar, na frente de governadores e prefeitos, seus ministros e líderes congressuais, a liberarem 100% das receitas do petróleo para a Educação.

Como drible de corpo, é uma boa jogada pra torcida; como lance de gol, vai ser flagrada em impedimento. Não é tão fácil assim, como Lula bravateou um dia, extrair o que há de bom na camada do Pré-Sal. Quanto é que já saiu de lá?!? Bem menos, um oceano Atlântico inteirinho a menos do que a Petrobrás perdeu de ganhar nesse último semestre.

O encontro desta segunda no Palácio, entre Dilma e os verdadeiros culpados pela indignação popular, não terá o menor sentido se não for dado lá dentro mesmo, antes que a reunião termine, o primeiro passo para a reforma moral do governo: ladrão é ladrão, cidadão é cidadão. E amanhã mesmo, o segundo passo, rumo à reforma política que estabeleça pelo menos o voto facultativo e distrital.

Resumo de mais esta ópera bufa: em vez de pressionar pelas reformas, ela resolve engambelar com essa conversa fiada, com jeito de nota desafinada de royalties do petróleo. Está soando como se fosse uma ária do Canto do Cisne. Bravo! Eu quero aplaudir.

RODAPÉ - Ser a mulher mais poderosa do mundo não quer dizer nada. Só que o mundo sabe agora pela revista Forbes o que a nação brasileira está percebendo aos poucos: Dilma manda e desmanda no Brasil. Ou não seria a "segunda mulher mais poderosa do mundo". Ela é poderosa porque preside uma nação escrava da democracia da Silva e submissa da ferramenta terrível das medidas provisórias que reduzem o Legislativo e o Judiciário a nada. Ser poderosa não significa, nem de longe, nem de perto, nem agora e nem nunca que ela seja a mulher que o Brasil precisa.
PERALÁ, TODO CUIDADO É POUCO!
E viva a mobilização popular! Viva a indignação em movimento! Mas, peralá! Fernandinho Beira-Collor deu com os burros n'água quando conclamou o povo a pintar a cara de verde e amarelo. O povo saiu às ruas vestido de preto. E está de luto até hoje. Então, devagar com o andor. Essa turba que está se reunindo hoje no Palácio do Planalto é a pandilha que sobrou de lá pra cá. Essa banda bandalha é muito mais perigosa do que parece. Todo cuidado é pouco.
PERALÁ, TODO CUIDADO É POUCO!
E viva a mobilização popular! Viva a indignação em movimento! Mas, peralá! Fernandinho Beira-Collor deu com os burros n'água quando conclamou o povo a pintar a cara de verde e amarelo. O povo saiu às ruas vestido de preto. E está de luto até hoje. Então, devagar com o andor. Essa turba que está se reunindo hoje no Palácio do Planalto é a pandilha que sobrou de lá pra cá. Essa banda bandalha é muito mais perigosa do que parece. Todo cuidado é pouco.
MARCHA DAS CRIANÇAS
Marcha das Crianças. Lindo, lindo. Criança é sempre fascinante. Transmite pureza, candura, inocência. E também o sentimento de receio porque crescer é inevitável. Marcha das Crianças. Coisa linda. Tomara que tenham pais politizados e com firme convicão sobre liberdade de credo, pensamento e expressão.

Encontro de Culpados

Dilma cumpre na tarde desta segunda-feira o ritual do medo ao clamor das ruas e reúne-se com quem vem sendo, tanto quanto ela mesma e seu governo - um dos mais poderosos do mundo dito democrático -a causa da indignação do povo brasileiro. Encontra-se com prefeitos e governadores. A expectativa é de que haja um quebra-pau. Depredadores do patrimônio público tem de sobra.

O encontro serve para mostrar que, depois de 12 anos no poder, o regime  não tem nenhum programa de governo; tem apenas um plano de poder. Farta distribuição de bolsas e financiamentos bancários, não é programa é embromação populista que leva ao desestímulo laboral e à boca de urna.

Se dessa reunião não sair a disposição expressa de uma urgente reforma política, rumo ao voto facultativo e distrital, vai ficar explícita a bandalheira de que os culpados se juntaram só para encontrar um jeito de remendar os estragos que o bloco da verdade já causou nas candidaturas para o ano que vem.

No primeiro minuto desse encontro de ir/responsáveis pela péssima qualidade de serviços essenciais que fingem prestar ao país, é obrigatório que tenha começado a primeira grande reforma do Brasil da Silva: a reforma moral nos três poderes constituídos e no instituído 4º Poder: é proibido ser corrupto ativo ou passivo; ladrão é ladrão, cidadão é cidadão... No Executivo, no Legislativo, no Judiciário e na Mídia.

Quanto ao povo - seja qual for a sua idade, ou sua classe social: pobre, média, remediada - terá que ter paciência. Embora tenha cravado estaca nas eleições do ano que vem, infelizmente ainda vai ter que votar - quem sabe pela última vez - no "menos ruim".

O que está ficando de bom dessa mobilização que abomina o vandalismo e quer construir o futuro no presente, é que Lula, o assustado camaleão, agora já sabe que não é só ele quem comanda a massa e balança a pança. Do contrário já teria colocado o nariz pra fora da porta.

23 de jun de 2013

BRASIL VAZIO NA TARDE DE DOMINGO

Que coisa, né não? Brasil está vazio na tarde de domingo, é. Olha o sambão, aqui é o país do futebol. Todo conglomerado humano será, decerto, de torcedores.

E eis que jogam Nigéria e Espanha.  E treinam pacificamente Uruguai e Taiti.

A Espanha joga contra os nigerianos como se eles fossem taitianos. Está brincando de, de vez em quando, fazer um gol na Nigéria.

Já no outro ensaio, é engraçado ver o Uruguai querendo bancar a Espanha diante do Taiti. É uma coisa tipo assim, treinamento para aplicar um novo maracanaço na CBF.

Deixar o Diego Forlan no banco de reservas numa pelada como esta é boicote. O técnico uruguaio está tirando do veterano Forlan a sua última chance de ser o maior goleador da história dessa Copa-Cozinha das Confederações.

Mas há coisas que só acontecem com o Taiti. É como se tivesse vestido por baixo a camisa do Botafogo. Ó, pênalti injusto contra os taitianos. Mestre Didi ensinava: "Deus não joga, mas fiscaliza". Dessa vez jogou. Foi Lá e pegou.

A torcida do Taiti como se fosse o seu segundo gol na competição. Logo em seguida, o mesmo urugauio que errou o pênalti acertou as canelas de um taitiano. Foi expulso.

O Taiti comemorou como se fosse o seu terceiro gol. Não demorou nada, seu zagueirão foi pra rua. Ficaram dez contra dez. Esse árbitro não tem noção, dez contra dez é como se fosse o Taiti contra uma multidão.

Enquanto isso, a Espanha brincou de fazer mais um. O Jordi Alba só não entrou com bola e tudo porque teve humildade: gol!

Pronto, acabou o domingo de mobilização esportiva. Uruguai 8 x 0 Taiti; Espanha 3 x 0 Nigéria. Na quarta-feira, a seleção da CBF pega Diego Forlan pela frente. Ainda bem, dessa vez o Obdulio Varela não joga.

Na quinta-feira tem olé da Espanha na Itália. Em todo caso, fica o sinal de alerta. É possível que no final da semana o Brasil e Espanha disputem o terceiro lugar. E Uruguai e Itália se engalfinhem pelo título dessa Copa-Cozinha. É possível, afinal o futebol é uma caixinha de surpresas. Mas é zebra.
AS REDES
No dia 24 de janeiro de 1984 eu estava em São Paulo, num seminário de comunicação social. No dia 25 mais de 300 mil pessoas se concentraram na Praça da Sé no já longínquo comício pelas Diretas Já.

No dia 26 lá pelas 11 horas da manhã, saindo do banho e da ressaca de uma noite mal dormida, assistindo à TV no meu apartamento do hotel, eu vi a Globo noticiar tudo como se fosse um espetáculo retumbante, "uma grande festa pelo aniversário de São Paulo".

De lá pra cá, todas as redes de TV brasileiras submeteram-se a uma grande globalização. Então, como tiveram 30 anos para aprimorar a arte de contar a História Oficial, não se espante porque estejam todas dizendo que esse milhão de manifestantes foi às ruas apenas por 20 centavos.

O filme é antigo; a diferença é que agora há uma nova heroína, uma grande protagonista: a rede social. Pode ser que no final, o mocinho beije a mocinha.