O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

30 de mai de 2013

Post Scriptum de Henfil

Então chegou outra vez o tempo em que Henfil mandava cartas para a sua mãe. Mãe dele, é claro. E sempre com um tradicional post scriptum. Nesta semana, resgato aquele em que Henfil dá o seu recado: 
Mãe, tira da Caderneta de Poupança e aplica na inflação.
SABE O SANTOS?
Sabe aquele grande Santos? Podia jogar com qualquer camiseta, mas só usava o uniforme branco dos pés à cabeça. Tinha Gilmar, Mengálvio, Dorval, Coutinho Toninho Guerreiro, Pepe, Edua. E tinha Pelé. Sabe essa Santos que aí está? Não pode jogar de azul piscina. E nem de branco. Já não tem sequer Neymar;

CAVALO TRICOLOR
O Fluminense saiu na frente e levou uma virada do Olímpia. O cavalo paraguaio era carioca. Em todo caso, valeu. Estamos conseguindo manter na Libertadores o glorioso19º lugar no ranking do futebol mundial.

UM E OUTRO
Lá em Volta Redonda, o Botafogo venceu o Santos por 2 x 1 pela segunda rodada do Brasileirão porque Seedorf não jogou e fundamentalmente porque Montillo jogou no Santos.

PRECONCEITO
Gilberto Carvalho, o Mala Preta de Santo André, hoje olheiro de Lula no governo Dilma: "Os índios são cidadãos e eles, como nós, precisam cumprir leis". "Como nós" quem, cara pálida? Como assim "os índios, como nós"... Também pensa assim "os negros como nós"... "os gays, como nós"? Os gordos, os feios, os corruptos, "como nós"?!? Esse "como nós" aí é ato falho. Preconceito puro. De minha parte, prefiro os índios. Com políticos desse calibre sou preconceituoso.

A DISNEY É AQUI
Em plena crise da boataria do Bolsa Família, a ministra do Desenvolvimento Social foi passear na Disney. Levou uma bicada do deputado tucano Carlos Sampaio: "Se é para ver o Pateta, ela não precisa ir até a Disny; basta ir até o gabinete do presidente da Caixa". nesse governo, a Disney é aqui.

LEDO ENGANO
O São Paulo fez 5 x 1 no Vasco e pensa que foi uma grande coisa. Não foi; qualquer time faz 5 x 1 no Vasco. O pior para o Tricolor paulista é que Luiz Fabiano fez dois gols. Agora pensa que pode contar com ele nos próximos jogos. Para o Corinthians, isso não tem preço.

Com temor da Gripe A a Igreja suspende hóstia na boca e abraço nas missas e cultos religiosos. Quer dizer,  a fé já não salva como antigamente.

A Polícia Federal já deu o ar de sua graça: diz que a "politização" do caso Bolsa Famíglia dificulta as investigações. É, realmente, este é um caso para quem realmente sabe investigar. Quem sabe o Ministério Público assume os trabalhos e elucida logo esse crime "absurdo e desumano"?!?

BOSTA É ELOGIO
Ainda sobre o soco que aquele escritor de bosta levou do prefeito carioca Eduardo Paes porque o chamou de bosta num restaurante do Rio. Houve quem defendesse o "respeito às instituições". Nada mais correto, para quem não é anarquista. Só tem um pequeno detalhe: no Brasil de hoje as "instituições" foram tomadas de assalto por gentalha tipo aquela meia dúzia de ministros que Dilma foi obrigada a varrer na marra da Esplanada dos Ministérios; tipo aquele cara do DNIT, tipo Rosemary, Sarney, Renan Calheiros, Zé Dirceu, Zé Genoíno e uma pandilha interminável de "respeitáveis" donos dos organismos oficiais. Quem deve respeito a honráveis bandidos como os que andam por aí com carteirinha de autoridade?!? Bosta é elogio para eles.

ROSEGATE
Antes que você esqueça ou deixe passar em branco: a ligação afetiva  entre Lula e Rosemary Noronha, cara a cara, frente a frente, lado a lado, por sinais de fumaça ou telefone é o de menos para a República. A ligação de negócios entre os dois e uma pandilha de terceiros naquela enorme suruba que virou o gabinete da Presidência da República em São Paulo é que interessa para os rigores da lei. Da Rose, Lula já se desfez; falta agora se desprender dos braços da Justiça.

INVESTIMENTO
O governo da Bahia está patrocinando show de Daniela Mercury na Parada Gay baiana. A cantora vai custar R$ 120 mil aos cofres públicos da terra do Senhor do Bonfim. Quer dizer, sair do armário, foi um bom investimento para a artista que, como estrela cadente, precisava de um nicho de bom retorno. Desse jeito, Marta Suplicy logo deixará de ser a musa do arco-íris.

29 de mai de 2013

MAROLINHA
E aí de repente, não mais que de repente, a eloquente ministra dos Direitos Humanos, perde a vez e a voz e já não diz mais nada sobre os boatos do programa Bolsa Famiglia; e mais que de repente ainda, Dilma já não esbraveja mais que se trata de um crime "absurdo e desumano". E então, de repente, não mais que de repente, vamos todos trocar de assunto que isso é mais uma marolinha que o povo inventou.

COLHER TORTA
E que porcaria é aquela que os 12 sinalizadores do Corinthians inventaram? Bolas, um ministro da Justiça do PT como Zé Eduardo Cardozo não tem nada que se preocupar com uma pirotecnia idiota. Afinal a Bolívia tem Justiça, por que razão o governo brasileiro teria que se meter numa fria dessas. Se é por frieza e pé gelado, chamem o Lula que  é amigo do Evo Morales. Se o cara é capaz de fazer Dilma viajar com lobista do seu lobby e facilitar o financiamento de R$ 1 bilhão para uma ferrovia na África, por que não pode meter a colher torta na cadeia dos corintianos ruins de mira?!?

PRENDAM OS OUTROS
Justiça manda soltar sócios e músicos da boate Kiss acusados de envolvimento no incêndio que matou 242 pessoas e que estavam presos desde 28 de janeiro. Tá bom, agora falta prender quem afrouxou o alvará de funcionamento. Não apenas o alvará da boate, mas todos os outros que rolam pelo Brasil afora. De boates a cabarés; de edifícios a condomínios, de bares a armazéns; de fio a pavio...

AÍ TEM
Com 22 ressalvas o IPTU aprova contas do segundo ano de governo Dilma Vana. Quer dizer, aí tem.

28 de mai de 2013

Pé na estrada, na rua...

Se é para falar de qualquer coisa dessa vida brasileira que a gente está levando, então vamos meter o pé na estrada. Na estrada, na rua, no trânsito, no transporte coletivo, urbano, interurbano, de caminhão a carro; de moto a bike...

Pé na estrada...
Quantos caminhões foram assaltados este ano no Brasil? Quantos roubados que não voltaram mais? Quantos caminhoneiros já eram? Quantos foram sequestrados e sumiram com as cargas? Quanto de pedágio vem sendo tirado de cada motorista à justa (?) medida do tamanho dos eixos de cada veículo?

Bolas, estou só perguntando. 
Pergunte você ao governo, pois ele tem a história oficial. E de mais a mais, suas fontes fidedignas não andam de caminhão há muito tempo. 

Qualquer coisa, qualquer dúvida, libere o seu jeito Rose de ser e pegue carona num dos aviões palacianos e fique sabendo tudinho e muito mais do que quer saber agora. Se o voo for rápido demais e ainda lhe restarem dúvidas, use o telefone como Rose usava, antes de ser chutada pra escanteio. Dá pé.

Pé na estrada ainda... 
Quantos ônibus urbanos foram incendiados, no Rio, em São Paulo, Paraná, Santa Catarina? 

Quantos taxistas foram mortos, quantos foram assaltados e sequestrados? 

Quantos ônibus interurbanos com sacoleiros e sacoleiras foram detidos pela polícia rodoviária, enquanto caminhões com toneladas de contrabando, cocaína, maconha e outros perfumes escapavam incólumes por estradas alternativas?

Bolas, estou só perguntando. Pergunte você ao governo, pois ele tem a história oficial. Os números e as estatísticas - assim como as pesquisas eleitorais - são todinhos deles, valem como verdade definitiva. Pergunte, se você quer mesmo saber.

Então pé na rua... 
Na rua, no asfalto, nas faixas de pedestres, nas ciclovias, nas calçadas, nos corredores de ônibus... 

Quantas motos já lhe podaram a frente hoje? Quantos motoqueiros já lhe apontaram o capacete como arma e máscara a um só tempo? 

Quantos já morreram e quantos estão paraplégicos ou tetra? Quantos ciclistas você já viu passar voando sobre o capô do seu carro, ou do motorista que ia ali na sua frente?

Bolas, estou só perguntando. Quer saber, vá perguntar você aos especialistas do governo. Pergunte por que eles fingem não ver os motoqueiros andando pelo corredor da morte, tirando fininhos de cada veículo a sua frente, ao lado, às costas. Pergunte por que as des/atentas autoridades não se fazem respeitar diante de tanto desrespeito. 

Pergunte quem teve a ideia de jerico de criar ciclovias em ruas, avenidas e vias expressas de grandes cidades como se o carro, o ônibus, o caminhão, a moto não fossem armas letais nas mãos de seus condutores? Que sabedoria! Isso aqui, por acaso, é a China? 

Só eles não sabem que a lei de trânsito no Brasil é a lei do mais forte: caminhão bate em carro; carro bate em moto; moto bate em bicicleta; bicicleta atropela pedestre em cima da faixa de segurança. E se bobear, pedestre jovem dá encontrão em transeunte idoso, apesar do risco de levar uma bengalada.

Pergunte de onde foi que eles tiraram a idiotice de pensar que motos e bicicletas podem conviver pacífica e cordialmente em megalópolis como Rio, São Paulo, Belo Horizonte, Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, Salvador e todas as capitais e cidades de porte médio desse Brasil que não tem rumo e pensa que moto e bike são soluções para desafogar o trânsito caótico.

Vá perguntando. Eu estou perguntando só por perguntar. Enquanto isso, me diga aí, quantas pessoas morrerão hoje no Brasil por acidente de trânsito?

Se você quer saber, assim por um cara que treme de medo de atravessar uma rua e fica todo arrepiado quando dirige aqui nas vias expressas de Brasília em horas de pique, então eu lhe digo - com base em levantamentos oficiais feitos sob encomenda pelo governo: morreram ontem 118 - só para manter os cálculos oficiais que dizem haver 43 mil mortes no trânsito por ano. 

E os caras ainda querem que o passageiro troque o táxi pelo motociclo de aluguel. Nem se dão conta de que o mesmo capacete é usado - com lêndea, piolho, parasita, suor - por todo santo caroneiro que usar o mototáxi como transporte alternativo. E de quebra, a sua mulher ainda tem que fazer do piloto desconhecido uma espécie de cinto de segurança, agarrando-se nele pela cintura.

E os caras querem que o brasileiro troque o automóvel, o transporte particular, o ônibus urbano pela bicicleta. Além de extremamente arriscado, ir de bicicleta todo engravatado para o serviço é um descalabro.  

Se o ciclista eventual é chefe, os subalternos que aguentem o seu cheiro de suor; se é subordinado, vai ser corrido da sala pelo patrão até que tome um bom banho e aprenda a ser asseado. 

In Vino Veritas na Venezuela

No vinho, a verdade; e também no papel higiênico

Não é boato não e nem a Caixa Econômica Federal tem que desmentir, mas depois de ser obrigada a importar 50 milhões de rolos de papel higiênico para limpar o rastro que Hugo Chávez deixou, a Venezuela agora atravessa uma crise religiosa.

Hoje, tudo na Venezuela parece uma questão de fé de mais, ou fé de menos. As igrejas estão sob o risco de ficarem sem vinho e sem hóstia. 

A escassez de produtos necessários para a produção da bebida obrigou o único fabricante do país a parar de fornecer vinho para a Igreja. 

Também está seriamente afetado fornecimento de leite, açúcar, óleo de cozinha, farinha de milho - que é usado para fazer a arepa, prato típico da Venezuela e até o trigo para hóstias. 

O porta-voz do passarinho de Chávez chora as pitangas: "Um pacote de hóstia custava 50 bolívares, coisa de R$ 16, e agora custa 100." Resta agora ao povo venezuelano ficar sabendo que a verdade não está com Nicolás Maduro o alter ego post mortem de Hugo Chávez. 

Os venezuelanos agora sabem que In vino veritas... I anchi nella carta igienica.

Boato do Bolsa Famiglia

LEDO ENGANO
A Caixa Econômica Federal e o governo Dilma admitiram ontem publicamente o seu erro ao tratar dos boatos sobre o Bolsa Familia. O presidente do banco e o ministro da Justiça do PT sabiam desde o início sobre a antecipação de pagamentos. E então agora, como eles já contaram a história oficial, Dilma Vana vai baixar uma medida provisória transformando o "crime absurdo e desumano" em um simples engano. E fica tudo como dantes, pois como Dilma Vana já destemperou-se antes mesmo de chegar do lobby que estava fazendo lá na África, "somos humanos e capazes de errar". Dilma falou, tá falado.

Caxirola foi pras cucuias

Futebol não é pra quem quer; é pra quem sabe e gosta. Não basta bancar o esperto; tem que saber driblar.

E a caxirola de Carlinhos Brow foi pras cucuias. E a grana que o governo da Bahia pagou para fazer a engenhoca imbecil também foi pro espaço. A Fifa proibiu a caxirola na Copa do Mundo porque "incomoda e pode ferir se arremessada contra alguém". Pronto, a Fifa desarmou a babaquice.

A versão baiana dessa vuvuzela subdesenvolvida, inventada para animar os jogos da seleção brasileira foi tirada do caxixi, aquele chocalho à tiracolo do berimbau. Ela é feita de plástico verde “sustentável” desenvolvido pela Braskem. As caxirolas seriam vendidas por R$ 29,90, só para não aredondar para módicos R$ 30.

O mico é muito menos de Carlinhos Brown do que da primeira-mulher-presidenta Dilma Vana e da ministra do Tunguismo, Marta ainda Suplicy, mesmo depois do que milésimo casamento e com rebarbas para o ministro Aldo, do Esporte que pouco tugiu e mugiu com o artefato.
 
Se você não tá lembrado, dá licença eu vou contar: o lançamento da caxirola foi cheio de pompa e circunstância. Marta chegou a se desmanchar em elogios: “Carlinhos Brown é um exemplo desse Brasil diverso, que precisa resgatar sua história, cultura, a ponto de entendê-la para continuar caminhando pra frente. Somos todos indígenas, portugueses, africanos e tantos outros povos que trouxeram sua expressão pra cá. A caxirola será a marca no nosso futebol, só uma questão de genialidade pode fazer uma coisa como essas”. Tá bom pra você? Mas ainda tem mais.

Dilma Vana não ficou atrás; pelo contrário. Desmanchou-se toda: “O Carlinhos é um autor e um grande artista. E ele expressa um mundo diverso, mas muito específico, do Brasil, e especialmente da Bahia. Nos encanta porque ele combina essa imagem verde e amarela da caxirola. Estamos falando de um plástico verde, de um país que tem a liderança da sustentabilidade no mundo e ao mesmo tempo é um objeto capaz de fazer duas coisas: de combinar a imagem com som e nos levar a gols.”

E agora, esse novo chute no traseiro foi bom também pra você? Então, relaxe e goze. Futebol não é pra quem gosta; é pra quem sabe. Não basta bancar o esperto; tem que saber driblar.
A LOBISTA NA ÁFRICA

Ninguém estranhou que o Brasil tenha sido o único país que deu bola para o jubileu de ouro da União Africana? Pois olha, Dilma Vana foi lá fazer coisa nenhuma de proveitoso para o Brasil. Até que lá pelas tantas, assinou o financiamento de R$ 1 bilhão para construção de uma ferrovia que vai dali até o Sul do Sudão, com dinheiro do BNDES. E adivinhe só quem foi o lobista da empreiteira que vai realizar a obra que, aqui no Brasil ninguém sequer cogita em construir? Isso, ele mesmo. Dilma Vana saiu-se bem como sua assessora, mais uma vez.

BOATO: CABRAL VICE DE AÉCIO

Entrementes - na pele daquele colega de aula esperto que ninguém escolhe para companheiro de verdade, porque sempre tira o dele da reta - Lula deu um jeito de antecipar a corrida eleitoral do ano que vem para tirar de foco suas ligações com o mensalão e seus enredos com Rosemary, a gata do governo genérico que ele montou em São Paulo.

Os dilmistas acham singelamente que Lula está se lixando para os percalços que criou para a candidatura de Dilma Vana. Ingenuidade pura: Lula queria isso mesmo. Quanto pior para Dilma, melhor para ele.

Pode ser mentira; como pode ser mentira sempre tudo que vem de Cabral, o descobridor dos morros pacificados do Rio de Janeiro. Agora surgem boatos de que ele pode ser o vice na chapa de Aécio Neves à Presidência da República, no ano que vem.

Cabral garante que só ficou sabendo disso nesta quarta-feira, mas tinha pousado na segunda-feira para as fotos de jornal sobre o assunto. Um caso de profecia do acontecido.

Em todo caso, todo boato tem um fundo de verdade. Nesse caso, serve para balançar o coreto de Dilma e levantar a poeira da campanha Lulalá Traveis!

É que com o triângulo eleitoral Minas-São Paulo-Rio de Janeiro nas mãos de Aécio, a rede PT-PMDB-Terceirizados não teria chance de reeleger Dilma Vana. É então aí, justamente aí que cresce a campanha "Volta, Lula!".

Resumo de mais uma ópera bufa: o boato de Cabral como vice de Aécio não veio do Rio de Janeiro; veio de São Paulo, de um lugar chamado São Bernardo do Campo.
HISTÓRIA OFICIAL
Viu só como é bom ouvir a fonte fidedigna? Agora veio o chefóide da Caixa Econômica Federal dizer que fez mesmo o depósito na sexta-feira para cobrir os boatos que começariam no sábado sobre o fim da menina dos olhos do governo, o programa Bolsa Famiglia. Então tá. Conhecida a história oficial, vamos mudar de assunto. E não se fala mais nisso.

PODE?!?
Peralá, resmungar contra Joaquim Barbosa por estar numa mesa de bar... Pode. Correr Renan Calheiros e sua esposa titular de um SPA em Gramado, no Rio Grande do Sul... Pode. Vaiar o Lula no antigo Maracanã, na abertura do Pan-Americano... Pode. Chamar um prefeito bosta de bosta... Não pode?!? Pode... Mas leva um soco na cara. Ah, bom.

MESA DE BAR
O hetero para o casal gay seu parceiro de happy hour:
- Tá bom, tá bom, você estão casados. Então Mário faz um filho no João que eu quero ter o orgulho de ser o seu padrinho.

HAPPY HURRA!
No outro entardecer o mesmo hetero - esse cara vive em mesinhas de bar - está tomando um chopinho com Maria e Terezinha suas colegas na agência de publicidade em que trabalham há muito tempo:
- Ei Maria, engravida a Terezinha, engravida...  Tá bem, tá bem, não se fala mais nisso.

HAI-KAIS

Hai-Kai é um poeminha chinês, de três linhas. A primeira e a terceira devem ser compostas com cinco sílabas; a do meio, com sete. Não há necessidade de rima; se tiver, melhor. O importante é a verdade chinesa:

MEDICINA CUBANA
Só para trouxas:
Médicos e charutos
Feitos nas coxas.

PREFEITO X ESCRITOR
Bosta é bosta
Assim, cada prefeito
É como gosta.

BOLSA FAMIGLIA
Chama o ladrão!
Depósito na Caixa
Foi premonição.

27 de mai de 2013

BOLSA BRIOCHES

A coisa tá ficando bem como o diabo gosta. Eduardo Campos, ainda governador de Pernambuca, mas muito mais candidato a presidente em 2014, chutou o pau da bandeira do biunvirato Dilma/Lula, o Bolsa Famiglia. Campos diz que tem coisas melhores do que esmolas para dar aos brasileiros pobres.

Aproveitou o vacilo da Caixa Econômica que explicou mas não justificou a bagunça do programa e cobrou de Dilma Vana um verdadeiro fundo social para o que agora é apenas migalha pra quem está na miséria: "Vemos as filhas do Bolsa Familia serem mães do Bolsa Família. Vamos ficar olhando elas serem avós? Não é isso que queremos!".

Malhou em ferro frio. Lula e Dilma Vana sabem disso melhor do que ninguém. Bolas, 40 milhões de eleitores fazem a diferença. E além do mais, não sabem fazer mais nada pelo Brasil do que isso mesmo. O Brasil da Silva repete a monarquia francesa dos tempos que antecederam a queda da Bastilha.

O Bolsa Famiglia é à beira da rampa do Palácio do Planalto e para o biunvirato Dilma/Lula o que a fome dos miseráveis era para Maria Antonieta às cercanias do Palácio de Trianon: - Estão com fome; não têm pão? Que comam brioches

Prefeito do Rio acha que não é bosta

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, foi chamado de "bosta" num restaurante carioca por um escritor Bernardo Botkay e por sua mulher. Reagiu como um bom pastor em horas vagas e deu um soco na cara do desafeto. Logo em seguida seus seguranças particulares seguraram o desbocado pecador e impediram a sua reação.

Assim é fácil ser audaz. O sujeito fica brabo, bate na cara do outro e os guarda-costas seguram a onda, o agredido e deixam tudo por isso mesmo. Pronto, 1 x 0 para o prefeito Eduardo Paes está pra lá de bom.

No dia seguinte o prefeito reconheceu publicamente que errou feio e pediu desculpas... Pediu desculpas à "população da minha cidade".

Quer dizer, tratou de limpar a barra com os eleitores. Limpou-se com os votos que não quer perder. A humilhação do soco está doendo até agora na cara do escritor.

Não tem nada pior que apanhar na carinha que mamãe beijou e ser impedido de reagir. Botkay registrou queixa na polícia. Na polícia do Rio de Janeiro, cidade administrada pelo agressor.

A Mídia Chapa-Branca e a Sucessão no Império Civita

Morreu Roberto Civita. Aos 76 anos de uma idade que começou em Milão, onde nasceu. Moço. Na flor da idade. Vejo a coisa assim dessa maneira porque, - como dizia Millôr Fernandes - "todo velho que encontro pela frente já chegou na minha idade".

Civita foi um editor de tal forma competente que era chamado de doutor Roberto. Quase que com a mesma respeitabilidade e subserviência - de empregados, leitores, políticos flagrados e políticos soltos - com que Roberto Marinho era paparicado. Seu império era de Abril.

Nem bem o corpo do doutor Roberto Civita foi encomendado e a cretinalha chapa-branca que habita a esgotosfera, está preocupada - muito mais que seus herdeiros - com quem ficará o espólio editorial do combatente sem quartel já de saudosa memória.

Vituperam que ele foi amo e senhor da "maior editora de revistas do País" que se transformou nos últimos anos em "instrumento de ódio e numa trincheira de combate ao PT". Pobre PT, tão inocente. Pobre jornalismo amestrado que não sabe sequer como esconder que já não tem mais medo de ser feliz.

E a pandilha comenta, como se não fosse a voz rouca do PT que o herdeiro natural do pequeno e incomodativo império é Giancarlo Civita, um cara "sem nenhuma experiência jornalística".

Burros, deveriam estar comemorando!  Se Giancarlo não tem experiência, a banda larga chapa-branca do governo tem. É só fazer com o herdeiro do doutor Civita o que tem dado certo para o plano de poder do PT: patrocinar com as verbas das estatais, a publicidade que celebra a história oficial.

Bolas, é só colocar em prática a "estratégia da coalizão" que Lula tão bem lhes ensinou. Compra as páginas da Veja e pronto, estamos conversados. Mas não; tremem nas bases.

Querem o que chamam de "um pacificador"; uma cara que tenha "trânsito em Brasília"; alguém que não "odeie" o PT e os seus terceirizados que integram o governo que faz o que bem entende com o Brasil Dilma da Silva.

Morrem de medo só de pensar num diretor-geral de jornalismo e pauteiro que incentive a linha editorial de, por exemplo, Reinaldo Azevedo, "que odeia" por odiar, como se aflige a pandilha que presta serviços de opinião ao PT e seu governo.

E fingem se deliciar com a possibilidade de ver o jornalismo investigativo da Veja chegue às mãos de Augusto Nunes que sabe das coisas e escreve as coisas que o PT não quer e não gosta de ler.

Mas vem cá, a quem foi que essa gentalha perguntou  se o Brasil, pátria amada e idolatrada, não quer que haja pelo menos um veículo que faça cócegas na base da sociedade para que ela possa dar risada de quando em vez, bem do jeito que essa gangue que assumiu o País se estrebucha de tanto rir?!?

Tomara que o herdeiro não entenda nada do jornalismo que o PT e o governo dele, do PMDB e das siglas terceirizadas gostam de ler e fazer, mas que seja honesto o suficiente para não ser comprado pela propina tradicional que compra os maiores e mais maleáveis editores que trocam a publicidade pelas pautas venais e corrompidas que escondem o Brasil fabricado por essa pandilha de calhordas.



BRIGA DE FOICE
A briga de foice no campo estadual entre o PT e o PMDB, vai cortar as asas da reeleição de Dilma. Lula está mais vivo que nunca. Os dois partidos se engalfinham para meter a mão no governos dos estados do Rio de Janeiro, Pernambuco, Bahia, Bahia, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul. Os gulosos do PMDB já ameaçam obstruir qualquer desejo importante do Palácio no Congresso e, mais do que isso, não dar apoio à candidatura de Dilma em 2014.

VOTO DE CONFIANÇA
Prestem atenção nesse Eduardo Cunha, líder do PMDB. Ele não gosta de Michel Temer e Dilma Vana não gosta dele. Já merece um bom voto de confiança. Ou dois.

SÓ ELE?!?
Está bem. Até que enfim, Paulo Maluf está devolvendo a dinheirama que pegou dos cofres públicos e vem guardando com o maior zelo. Mas, só ele?!?

BOLSA MISÉRIA
Pensa bem: se o governo tira dos pobres para dar esmola a 14 milhões de pobres em feitio de Bolsa Famiglia, então multiplicando-se esse número por três, em razão do grupo de afinidade,  há pelo menos 42 milhões de desempregados no Brasil. O sucesso eleitoral do programa é o fracasso retumbante do combate à miséria.

Brasil Dilma da Silva

Fazer saber não é saber fazer; faça chuva, faça sol, o governo é só farol.

Vivendo há 13 anos de slogans, o Brasil Dilma da Silva, faz saber mas não sabe fazer. Não fez a reforma política, não sabe o que é reforma agrária e, muito menos, reforma urbana. De reforma só entende a do Palácio e do próprio patrimônio. Trocou a mentira do PAC - Plano de Aceleração do Crescimento pela realidade do PAP - Plano de Aceleração do Próprio Patrimônio.

A turma enriqueceu. Foram precisos só 13 anos de poder para chegar à metade do que planejaram. Ainda faltam mais 7 anos para realizar o sonho de 20 anos de bonança e abastança sacudindo a pança. Sonho deles; pesadelo de quem paga a maior carga de impostos do mundo e nada recebe de serviços essenciais em troca.

Que o digam os brasileiros do Norte e do Nordeste que são antes de tudo uns fortes, mas não são de ferro. Estão mortos de sede pela maior seca de todos os tempos, sem que o governo lhes alcance água; que o digam os do Sul, do Sudeste, da região serrana do Rio de Janeiro, abaixo de aguaceiros e sem tábua de salvação, já que a Defesa Civil chega sempre muito depois.

Se o tempo está bom, a saúde vai mal - menos para os que tem, como eles, leitos quentes e aconchegantes em hospitais de alto padrão e não morrem dengue e nem de câncer; se não cai canivete, caímos todos, menos eles, nas mãos dos sequestradores-relâmpagos, na saidinha dos bancos, dentro de casa por trás das grades; faça chuva ou faça sol o governo é só farol.

Caso o sol surja ao cantar do galo das madrugadas, ou desperte pela buzina do trânsito caótico, o brasileiro se dará por feliz então porque seu caminhão não foi ainda assaltado nas estradas entregues aos cobradores de pedágio; o trabalhador brasileiro ficará feliz da vida porque sua velha moto pegou de primeira e escapou de bater de frente com um carro dirigido por um beberrão que não fez bafômetro; pensará que é um herói, pois chegou ileso na obra da empreiteira em sua flamante bicicleta.

Se, no entanto, é dia de chuva, tanto faz, para a grande aventura que é a sua vida.

Se os impostos não fazem chover na nossa horta, no quintal deles as taxas, os tributos, as multas regam os canteiros que não param de dar bons frutos. Frutos saboreados na grande feira da máquina pública apinhada de aliados terceirizados incompetentes e despreparados para tocar os canteiros de obras de verdade, pomposamente inauguradas e solenemente inacabadas.

Enquanto eles enchem o bucho e o bolso, você estrebucha e desembolsa. Acha que não? Então aponte um só deles que não esteja gordo, saudável e nadando em dinheiro, saúde e segurança, com leves braçadas pelas ondas da educação, ainda que precárias, mas suficientes para que sejam tidos como semianalfabetos ilustrados, capazes até de presidir o Brasil.

Capazes de presidir o Brasil Dilma da Silva, porque do Brasil, pátria amada e idolatrada que se canta no Hino Nacional eles não querem nem saber. E se quisessem, não saberiam.

Esse Brasil domesticado e sem poder de indignação tem que pagar o imposto mais caro do mundo e ainda se virar do avesso para ter na vida um pingo de educação, um mínimo de segurança e acabar morrendo porque não tem dinheiro para pagar o plano de saúde que o SUS não é, nem nunca será.

E tudo isso, para ver num só fim de semana, Dilma Vana flanando pela África; Michel Temer palanqueando lá no Equador; Henrique Alves trocando olhares com a estátua da Liberdade nos States e, o mais grandioso deboche de todos, Renan Calheiros presidindo o Brasil.

Presidindo o Brasil Dilma da Silva... Porque boa parte do Brasil, pátria amada e idolatrada passou o fim de semana morto de vergonha; a outra parte quase morreu de tristeza porque o Neymar foi embora.

26 de mai de 2013

Neymar se despediu em branco

 Como é bela a vida...

Como é bonita a visão de um cambalacho. Como é linda a vista de um conchavo. Como é bela a vida de quem troca saúde, segurança, educação por um estádio de futebol. O Mané Garrincha está divino, maravilhoso. Por fora e por dentro. Por baixo é só mais um baú da felicidade que abriga um tesouro de R$ 1 bilhão e meio já descoberto pelos piratas do Planalto Central do Brasil.

O céu inigualável de Brasília deu a cobertura ideal para o jogo de despedida de Neymar, uma jóia de 120 milhões de euros, coisa assim em torno de R$ 320 milhões pelo câmbio oficial.

O jogo do Santos contra o Flamengo, ficou no indelicado zero a zero para o adeus brasileiro a Neymar. Mais do que esperado, já que Neymar não fez gol e o Flamengo não joga nada.

Mas que a visão do cambalacho é bonita, isso não se pode negar. É assim, com beleza e ostentação, que se douram todas as pílulas que o brasileiro combalido, assustado e emburrecido vem engolindo.

E então, Neymar despediu-se em branco; vai-se daqui deixando a impressão de que não vale tudo aquilo que o Barcelona pagou por ele. Não vale pra você, brasileiro mané que já está zarolho de tanto ser enganado pelos proprietários indébitos desse país.

Diga lá só uma coisinha, meu chapa que acha que Neymar ficou devendo uma boa exibição de despedida: se você tivesse 21 anos de idade e tirado R$ 320 milhões ontem na Mega Sena, estaria jogando futebol neste domingo?

Cara, com a bolinha que você tem nos pés, teria entrado hoje no Mané Garrincha, não para jogar futebol; estaria lá negociando com o bando das maracutaias a compra de pelo menos a quinta parte desse maravilhoso elefante branco de proveitosos dentes de marfim.
SÓ PAPO
A famosa Transnordestina vai atrasar cinco anos e custar quase o dobro. O preço deve superar R$ 8 bilhões após mais um acordo entre governo e CSN. A concessão será espichada em mais 30 anos. A Transnordestina assim, suplanta a famigerada Belém-Brasília de Andreazza e empata com a Transposição do São Francisco que ficou só na garganta. Uma coisa é prometer; outra é inaugurar a promessa; outra bem diferente é cumprir. Esse governo Dilma Vana, herança de Lula faz saber, mas não sabe fazer.
O FAVOR DE DILMA
Com a escolha de Roberto Barroso para ministro do Supremo, Dilma Vana fez o favor que Dirceu esperava: já não precisa se preocupar em curtir a pena de corrupto e chefe de quadrilha na cadeia. No máximo vai dormir numa cela de segurança máxima. Regime fechado, nem pensar. E Zé Genoíno e João Paulo Cunha também não se preocupam mais com a perda de mandato. Fica-lhes só a vergonha de continuarem no lugar onde se encontram.

BICO ERRADO
O PSDB quer que o ministro da Saúde (!?) Alexandre Padilha seja multado por propaganda antecipada. A razão é uma página no Facebook que promove a sua candidatura a governador de São Paulo no ano que vem. A coisa pegou de tal jeito que o ministro já pediu para retirar a página do ar. Outra vez os tucanos metem o bico errado. Com o estado que a saúde está no Brasil, o adversário mais barbada de vencer num pleito a qualquer cargo eletivo seria justamente o ministro da Saúde. Tirar agora a tal página do Facebook é a melhor propaganda para Padilha. Quanto menos souberem que ele é o responsável pelo caos da saúde no país, melhor para ele.
A PERDULÁRIA
E então Dilma Vana foi a uma festa lá na África, gastando dinheiro público e assim mesmo não ficou contente enquanto não cumprimentou os africanos com o nosso chapéu: perdoou-lhes com toda empáfia, pompa e circunstância uma dívida de 900 milhões de dólares, mais de R$ 2 bilhões.

Enquanto isso, o governo dela, aqui no Brasil, não tem dinheiro para acabar com o fator previdenciário que está acabando com os aposentados.

Dilma Vana dá de mão beijada para os africanos, o dinheiro que tira de gente que trabalhou a vida toda neste país para que alguém como ela mesma pudesse chegar onde chegou.

E onde, pelo que se vê, nunca deveria ter chegado.

De quebra, os brasileiros tiveram que passar a vergonha e a humilhação de ver um Renan Calheiros como presidente da República. Foi por um dia só, mas foi demais. O Brasil não merece.

THE SHOW IS OVER
 Neymar é do Barcelona. Isto, se hoje, em Brasília, ele não for destroçado por um brucutu qualquer do Flamengo. Em todo caso, resta a expectativa de que Neymar tenha deixado uma última homenagem para este seu jogo de despedida no Mané Garrincha: um gol de bicicleta.


ADIÓS Y TAL VEZ
De mi parte, este Santos y Flamengo es el último juego de la Liga brasileña que veo esta temporada.

Estou mais interessado agora é no campeonato espanhol.

Quizás até assista a um jogo lá que outro do São Paulo... Se aquele tal de Ney Franco escalar o Paulo Henrique Ganso. Quizás, tal vez, quizás.

SUJOU

Bastou Hugo Chávez bater as botas para o mundo saber o que foi mesmo que ele fez durante seu tempo de governo. A Venezuela precisa agora de 50 milhões de rolos de papel higiênico para limpar o que estava escondido.

E agora os governistas que servem a Nicolás Maduro, novo dono do país, alegam que a necessidade é urgente porque com o regime que Chávez deixou para Maduro "os venezuelanos hoje estão comendo mais".

Todo mundo sabe que é uma deslavada mentira, uma desculpa nojênica, mas serve como sempre, para o governo botar a culpa no povo.

25 de mai de 2013

CRIME
Agora que o nó apertou na garganta da primeira-mulher-presidenta Dilma Vana, ela diz que não fala sobre o "boato" do Bolsa Famiglia até o fim das investigações que vem sendo procedidas pela sua Polícia Federal. Boato, uma ova! Palavra de presidenta não volta atrás! Foi Dilma Vana que chamou a lambança de crime. Crime "absurdo e desumano"! Então não é boato; é crime. E como crime tem que ser tratado.

BAGUNÇA DO BOLSA FAMIGLIA

De "criminoso, absurdo e desumano" para um "episódio lamentável".

Celebrando o jubileu de ouro da União Africana, Dilma Vana já baixou a bola no fino trato que vinha dando à bagunça do Bolsa Famiglia. Como já não tem como ignorar o pré-depósito de R$ 100 milhões que a Caixa fez para si mesma na véspera do boato se espalhar, a primeira-mulher-presidenta-candidata ao repeteco no Palácio, diz agora lá de Adis Abeba que "temos que esperar o resultado da investigação. Acho um episódio lamentável".

Como assim "um episódio lamentável"?

Só porque a meleca foi feita pela companheiorada que quer a sua pele, agora já não é mais um ato "criminoso" nem mesmo "absurdo e desumano"?

A hipocrisia e a desfaçatez são tamanhas que agora lá da festa na África, ela passa a mão na cabeça e os culpados já tem outro tratamento: "Nós somos humanos; pode ter tido falhas".

Quer dizer, a sua camarilha é humana; o resto da nação brasileira é o resto, uma pandilha criminosa, absurda e desumana. A hipocrisia como forma de governo é uma espécie de hermafrodita do mal: corta dos dois lados quando bem lhe aprova e mais lhe interessa. E o mal quando se finge de bom é o que há de pior.
PRIVATIZADORA
Sem mais o que fazer, a imprensa chapa-branca quer saber: Quem vende melhor o Brasil no exterior: FHC ou Lula? Nem um, nem outro. Quem vende melhor o Brasil - aqui e lá fora - é Dilma Vana que vende estradas, portos, aeroportos, terceiriza a máquina estatal,está leiloando o Pré-Sal e, com o que sobra, compra milhões de brasileiros com o Bolsa-Famíglia.

MEDICINA CUBANA
Pelo jornal Grahma, órgão duro e oficial da ilhas dos irmãos Castro, o governo de Cuba garante que seus médicos são capazes. Claro que são. São capazes de tudo. O passarinho de Hugo Chávez está aí pra não deixar ninguém mentir. Ah, e Fidel, - defenderão os castrados - não é eterno?!? Não! - contestarão os céticos - Não! Fidel já morreu e não sabe. E outra coisa, grande porcaria os governantes de Cuba dizerem que seus médicos são capazes; pô, eles garantem que Cuba é uma democracia.

FOGÃO
Dilma Vana, ao repórter Jorge Moreno, do jortnal O Globo: "Eu preciso ter um fogão, urgentemente!". Todo mundo acha que ela se referia ao Seedorf, do Botafogão.

Garganta Merecida

Sou viciado em liberdade de expressão. É por isso que destilo blood, sweat & tears contra o PT do Mal, seus moluscos de honra e falconetes presidenciais.

Na última reunião geral das estrelas do partido dos trabalhadores que nunca trabalharam de verdade, Rui Falcão presidente do dito cujo, desfraldou uma vez mais as suas duas bandeiras prioritárias: o financiamento público de campanhas eleitorais e a censura que chama de "democratização dos meios de comunicação".

O financiamento público, já se sabe por quê: é que o PT do Mal tem a chave dos cofres da Republica. Isso seria consagrar o sistema do Mensalão. Uma safadeza que livraria os quadrilheiros de Dirceu da cadeia, já que é justamente pelo uso do dinheiro público que eles foram condenados. O financiamento público de campanhas seria o verdadeiro "Abre-te, Sésamo!".

Quanto à democratização dos meios de comunicação, o que todo mundo sabe é que a imprensa tem sido a pedra no sapato para o projeto de poder que o PT quer gozar e exercer para sempre no Brasil.

Sou viciado em liberdade de expressão. Essa pandilha não me desce pela garganta. O PT do Mal já tem a garganta que merece; nas condições que merece.
RENAN, PRESIDENTE
Só faltava ter sido uma sexta-feira 13. Renan Calheiros, presidente do Brasil. É como se Deus sentasse à mão direita de Judas Scariotes por um dia no Paraíso.

NEYMAR AINDA É BRASILEIRO

Então foi assim esta noite de cartolas na Vila Belmiro: o Barcelona ofereceu R$ 74 milhões e o Real Madrid chegou aos R$ 90 milhões pelo passe de Neymar. O Santos aceitou as duas propostas e deixou, como sempre deixa dentro de campo, para o Neymar decidir com quem iria casar.

O noivo foi embora pra casa e deixou todo mundo na mão. Diz que o negócio dele é jogar bola e que neste domingo ele tem jogo no Mané Garrincha contra o Flamengo pelo Brasileirão.

Bom para a crônica esportiva que, enquanto Neymar ainda não é estrangeiro, pode continuar condenando a melhor coisa que apareceu no futebol brasileiro nos últimos 40 anos com a velha sentença e surrada sentença "Pelé é Pelé".

A propósito, 80% dos cronistas esportivos brasileiros não viram Pelé jogar; os outros 20% se tivessem visto não teriam entendido nada. Ah sim, Neymar está com pé no Barcelona e outro no traseiro do Santos.

CRÉDITO ABSURDO E DESUMANO
Em uma rápida semana a Polícia Federal descobriuo serviço de telemarketing que bagunçou o Bolsa Famiglia. Não descobriu até agora porque a Caixa Econômica baixou na sexta-feira um absurdo e desumano crédito de R$ 100 milhões nas contas de suas agências, já que o boato de que o Bolsa Famiglia ia acabar só começou no sábado. Já há versões oficiosas garantindo que foi um simples caso de premonição.

DORIL
Há fontes na PF que simplesmente seguem a cartilha. A exemplo do que ocorreu com o sumiço repentino da fita com 122 telefonemas entre Lula e Rosemary, os investigadores poderão anunciar que o telemarketing tomou Doril. Basta que se trate de fogo amigo.

PERGUNTE-SE
Qual o país que não se chame Brasil, onde se ouve falar em epidemia de dengue? Qual o país que não se chame Brasil em que se ouve falar de explosão de caixas eletrônicos? Qual o país que não se chame Brasil em que semianalfabetos ingressam em cursos superiores? Pois esse país exótico está fora de controle em matéria de saúde, segurança e educação. Ainda bem que não se chama Brasil.

ROMANCE DE LESA-PÁTRIA
O escândalo das caronas aéreas, do ronca e fuça no rendez-vous do governo genérico em São Paulo, do mexe-mexe que metia a coisa pública do cara na privada da cara pode ter sido mesmo o primeiro romance de lesa-pátria.

PUBLICIDADE
Diálogo ligeiro com um consumidor de jeitinho brasileiro:
- Assistindo na TV a esses comerciais dos postos Ipiranga, me dá vontade de abastecer em qualquer um deles. A gente pode levar uma baita vantagem.
- Por que, os anúncios são inteligentes?
- Não. É porque os seus frentistas são uns verdadeiros idiotas.

24 de mai de 2013

FARO OFICIAL
Polícia Federal identifica, em menos de uma semana, empresa de telemarketing do Rio de Janeiro que espalhou boatos sobre o fim do Bolsa Famiglia. É a mesma Polícia Federal que, uma semana depois do escândalo Rosegate, descobriu que as 122 gravações de telefonemas entre Rosemary e Lula nunca existiram. Quer dizer, nunca existiram depois que foram parar na pá do ventilador.
ENTREGAÇÃO
Primeiro foi-se a luz, depois a água, logo a telefonia; as estradas já estão sendo loteadas há muito tempo; Dilma faz leilão com os aeroportos e está prontinha para entregar os portos brasileiros. Cadê o Brasil que estava aqui?!? Socorro estão nos roubando a pátria!

RODAPÉ - Quem não sabe fazer terceiriza. Quem terceiriza fica rico.

Se Dilma Vana se perguntasse...

Quem perde e quem ganha com o boato da falência do
Bolsa Famiglia

E tão preocupada estava Dilma Vana com o boato de que o Bolsa Famiglia ia acabar que viajou para a África a fim de fazer por lá o que faz aqui: nada.

E tão preocupada estava que nem se importou, diante do terrível perigo de acabarem com o Bolsa Famiglia,  maior moeda de compra de votos da história desse país, que Michel Temer fosse para o Equador e Henrique Alves já estivesse se esbaldando pelos Estados Unidos.

Tão preocupada estava Dilma Vana que nem se importou de deixar em seu lugar no gabinete da Presidência da República com as gavetas abertas, ninguém mais nem menos do que o faceiro e ligeiro Renan Calheiros.

Tão preocupada estava que nem quis saber mais em que pé estão as investigações que devem levar ao criminoso "absurdo e desumano" que levou à loucura a banda larga dos bolsa-familiares que quase prenderam e arrebentaram meio mundo e meia-porção das milhares de agências da Caixa espalhadas pelo Brasil que está hoje sem sua presidenta e que ninguém notou.

Tão preocupada está com tudo isso que nem vai dormir no Brasil conduzido por Renan e finge até que nem se dá conta de que anda dormindo com o inimigo.

De lá, das savanas africanas talvez nem saiba - provável é que saiba de tudo e esteja fazendo cara de paisagem - que o senador tucano Cássio Lima quer saber da Caixa Econômica Federal tudinho, por que e como é que na sexta-feira passada mais de R$ 100 milhões foram destinados, num repasse de mágica, as suas agências em todo o país.

A grana serviu para cobrir a inusitada avalanche de mais de 900 mil bolsistas familiares aos terminais caxirolentos à cata de antecipação do tal benefício que eles pensavam iria acabar, já que não há mal que sempre dure...

Cássio Lima quer saber, e a gente também quer, que tramóia foi essa feita na sexta quando a boataria só ganhou as ruas no sábado e no domingo.

Dilma Vana tão preocupada está que nem se antenou no estranho fato de que a turminha suja do Bardhal da Caixa já poderia - e certamente podia - estar sabendo que seria preciso mobilizar enormes recursos extras para atender à corrida do ouro de tolo dos 900 mil eleitores cooptados.

Dilma Vana tão preocupada está que nem foi capaz de imaginar que quem pode e se sacode para movimentar os fundos da Caixa assim, de uma hora pra outra, é só quem tem a chave do cofre.

Para saber disso, Dilma Vana não precisaria - se quisesse - apelar para a Polícia Federal, nem para o ministro da Justiça do PT, o seu "porquinho" Zé Eduardo. Bastava-lhe ter perguntado de si pra si mesma quem leva a pior e quem leva vantagem numa hora dessas.

Não só quem leva vantagem... Quem leva a maior vantagem.

Aí, seria bastante responder-se:
- Bolas, eu! Eu e minha candidatura à reeleição levamos desvantagem.

E se fosse esperta o bastante, responder-se-ia uma vez mais:
- Bolas, quem leva a maior vantagem numa hora dessas é... Ele! É ele, o cara que nunca largou o osso! É ele, o cara que se estiver longe do poder é capaz de morrer engasgado com um nó na garganta!
A PODEROSA
A revista Forbes acaba de escalar a nossa primeira-mulher-presidenta Dilma Vana como a 2ª mulher mais poderosa do mundo. 

A oposição garante que a notícia caiu como uma bomba num apartamento de luxo lá em São Bernardo do Campo. Não fosse Dilma Vana, qual seria a brasileira escolhida para ocupar o posto de segundona; hein, hein?!? A Galega quer saber.

COPA E ELEIÇÃO
Esse ano que vem será desprezível em tudo e por tudo. Tem Copa do Mundo e eleições. A Copa é para os milhões de cooptados pelo Bolsa Família darem banho em seus filhos em dia de jogo e levá-los, bem penteadinhos e limpinhos até o local do espetáculo para que vejam os filhos dos ricos entrando no estádio. Já nas eleições, os bolsa-familiares tomarão conta das filas tomando o lugar nas sessões eleitorais de quem não foi comprado pelo governo.

QUE PAÍS É ESTE?!?
Com todo mundo batendo asas por aí à nossa custa,  Renan Calheiros hoje é o presidente da República do Brasil. Meu Deus do céu! Tenha santa paciência, mas o Senhor não é mais brasileiro.
NOVO MINISTRO
O jurista Luiz Roberto Barroso, indicado por Dilma Vana para o Supremo Tirbunal Federal, goza de bom conceito nos círculos jurídicos do país. Tem fama de ser independente, sem ligações partidárias e neutro politicamente. Será sabatinado pelos doutos indagadores do Congresso, antes de bater papo em alemão com o ministro Joaquim Barbosa. Se não fosse convidado por Dilma, na frente do ministro Zé Eduardo, ministro da Justiça do PT, o novel constitucionalista iria morar em Berlim ainda este ano para cumprir a tarefa de professor sênior no austero Instituto de Estudos Avançados.  

NÃO MUDA NADA
Dilma está na Etiópia fazendo bulhufas; Michel Temer, no Equador para o repeteco de Rafael Correa como presidente deles lá; Henrique Alves, está nos Estados Unidos. Renan Calheiros só para debochar fica de presidente até amanhã. Seu mandato presidencial, no entanto, deixa um bom recado: nenhum deles faz falta e tanto faz quem esteja na presidência, ninguém vai notar a diferença.

POCILGA
O povo brasileiro é muito inocente. Mobilizou-se e conseguiu emplacar a Lei da Ficha-Suja. Grande coisa. Agora está acontecendo com essa lei, o mesmo deboche que acontece com a Lei do Nepotismo. Os canalhas empregam seus parentes nos gabinetes do vizinho ao lado e vice-versa. Agora, a Justiça permite passivamente que os fichas-sujas elejam os afins em suas bocas-ricas. Já chegam emporcalhados na pocilga. Mas, grande coisa.

FÁBRICAS PARADAS
Gugu Liberato anda à cata de um novo canal. Edir Macedo se deu conta de que o salário dele vale 600 vagas na TV Record. Os ganhos de um deputado - computando salário, verba de gabinete e mordomias - vale mais que o salário de 200 operários por mês. Quer dizer, cada deputado é uma fábrica de porte bem acima do médio. Paralisada, é claro.

BRASIL, FORA
Você ouve falar de dengue em outros países? E de explosão de caixas eletrônicos? E de semi-analfabetismo às portas das universidades. Ou será que saúde, segurança e educação é só para países que já estão de fato no Século 21? O Brasil está fora de controle e do 3° milênio.

CUCAFONIA
Ontem o Atlético Mineiro levou um baile lá no México. O show foi do Tijuana Brass. No final, porém, o time de Ronaldinho cantou de Galo: saiu de um 2x0 adverso para, nos acréscimos, emplacar um empate que livrou o técnico da ira dos torcedores. No fim do jogo, a torcida gritava para o banco atleticano: - Deixa o Cuca aí! Deixa o Cuca aí!

PELÉ E NEYMAR
Pelé gostaria que Neymar não fosse para a Europa: "Se pudesse, eu o comprava e deixava no Santos". É o Rei do Futebol refazendo a própria história. Ele só saiu da Vila Belmiro depois de aposentado. Foi brincar de levantar o futebol nos Estados Unidos. A diferença é que Pelé tinha as canelas grossas e escorregadias; as de Neymar são finas e um alvo tentador. Do jeito que apanha aqui no Brasil, Neymar se aposenta a qualquer momento e vai brincar de pebolim.

O "SUSPEITO"
Notícia no jornal Estado de S. Paulo:  Suspeito de estuprar psicóloga em SP é preso e confessa o crime, diz polícia. O homem preso afirmou ter fumado dez pedras de crack antes de atacar a vítima. Peralá! O cara confessa e é "suspeito"?!? Francamente, acho que esse patife só deveria fumar crack na frente da mãe dele. Quem sabe assim ele não passasse pela vergonha de ser tido como suspeito. Ficava tudo em casa, sem vexame, numa boa.

23 de mai de 2013

Não dá mais!

Ontem, depois de saborear a honrosa desclassificação do seu time, o Joinville, diante do Santos, o goleiro perdedor foi tietar Neymar e pedir-lhe a camiseta. No rápido bate-papo ele pediu também para que seu ídolo ficasse aqui pelo futebol brasileiro. Ouviu como resposta: - Não dá mais!

Informado pelo goleiro sobre a rápida confidência, um repórter fez retumbar pelo Brasil de audiência o que virou uma declaração de despedida de Neymar.

Pronto! O "não dá mais!" de Neymar virou adeus pra todo mundo. Principalmente para a imprensa paulista que não fala de outra coisa desde o início do ano.

Não quiseram nem levar em conta que o "não dá mais!" de Neymar tenha sido um desabafo: não dá mais para aturar tanta falta, tanta agressão, tanto pontapé de zagueiro e tanta leniência dos árbitros a cada jogo.

Não dá mais mesmo. Não adianta a gente ir para a sala de TV, com pipoca e guaraná amazonense para assistir ao Neymar dar show. Os Brucutus não deixam. Assim, não dá. Não dá mais, mesmo.

22 de mai de 2013

Churumela da Ananconda

Por: Carlos Eduardo Behrensdorf



Pênis pequeno não é motivo para anular casamento
No dia 20 de junho de 2012, o portal Âmbito Jurídico veiculou a seguinte notícia, que transcrevemos na íntegra:
“Mulher pede indenização na justiça por ter casado com homem de pênis pequeno
KDB, 26 anos, advogada e residente no município de Porto Grande no Amapá decidiu processar seu ex-marido por uma questão até então inusitada na jurisprudência nacional. Ela processa ACD, comerciante de 53 anos, por insignificância peniana.
Embora seja inédito no Brasil os processos por insignificância peniana são bastante frequentes nos Estados Unidos e Canadá. Esta moléstia é caracterizada por pênis que em estado de ereção não atingem oito centímetros. A literatura médica afirma que esta reduzida envergadura inibe drasticamente a libido feminina interferindo de forma impactante na construção do desejo sexual.
O casal viveu por dois anos uma relação de namoro e noivado e durante este tempo não desenvolveu relacionamento sexual de nenhuma espécie em função da convicção religiosa de ACD. KDB hoje o acusa de ter usado a motivação religiosa para esconder seu problema crônico. Em depoimento a imprensa a denunciante disse que “se eu tivesse visto antes o tamanho do ‘problema’ eu jamais teria me casado com um impotente”.
A legislação brasileira considera erro essencial sobre a pessoa do outro cônjuge quando existe a “ignorância, anterior ao casamento, de defeito físico irremediável, ou de moléstia grave”. E justamente partindo desta premissa que a advogada pleiteia agora a anulação do casamento e uma indenização de R$ 200 mil pelos dois anos de namoro e 11 meses de casamento.
ACD que agora é conhecido na região como Toninho Anaconda, afirma que a repercussão do caso gerou graves prejuízos para sua honra e também quer reparação na justiça por ter tido sua intimidade revelada publicamente. O fato é que se o gato não come o bife. Ou o gato não é gato. Ou o bife não é bife” (Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=visualiza_noticia&id_caderno=20&id_noticia=85370. Acesso em 22 de junho de 2012).
Nada obstante a notícia não nos fornecer dados conclusivos, ficando a questão a depender da análise do caso concreto pela Justiça, o fato é que o caso ganhou as redes sociais, e, pelo ineditismo afirmado, pensamos seja interessante um debate sobre o tema.
O Código Civil, ao tratar da invalidade do casamento (artigos 1.548 a 1.584) dispõe em seu art. 1.550, inciso III:
Artigo 1.550. É anulável o casamento:
(...)
III – por vício de vontade, nos termos dos arts. 1.556 a 1.558.
O artigo 1.556 dispõe que “o casamento pode ser anulado por vício da vontade, se houve por parte de um dos nubentes, ao consentir, erro essencial quanto à pessoa do outro. Adiante, o art. 1.557, III, diz:
Artigo 1.557. Considera-se erro essencial sobre a pessoa do outro cônjuge:
"(...) III - a ignorância, anterior ao casamento, de defeito físico irremediável, ou de moléstia grave e transmissível, pelo contágio ou herança, capaz de pôr em risco a saúde do outro cônjuge ou de sua descendência."
Pois bem, inicialmente cabe-nos investigar se o episódio narrado configura caso de anulação de casamento, pois há que se determinar se o tamanho reduzido do pênis, por si só, é suficiente a autorizar a adoção da medida anulatória pretendida pela mulher.
Quanto ao pedido de anulação do casamento, o inciso III, do artigo 1.557, fala em “defeito físico irremediável”. Sendo assim, o primeiro aspecto a ser considerado é saber se um pênis cujo tamanho não se encaixa na média da população masculina pode ser considerado um defeito físico irremediável. O segundo aspecto diz respeito a descobrir se o tamanho do pênis, caso isso seja considerado um defeito, é irremediável.
Sem pretender aprofundar o tema, pesquisando a Classificação Internacional de Doenças (CID), utilizando o vocábulo “micropênis” — que é, aparentemente, a “moléstia” da qual padece o ex-marido da autora da ação, o respectivo catálogo não fornece resultados para o item pesquisado. Ao que parece, de fato não se trata de uma doença, isto é, de uma patologia, mas sim de uma condição do pênis humano. Essa definição pode ser encontrada em diversos sites da internet que tratam do assunto. Por todos, confira-se: http://www.ipadiponeipod.com/a-condicao-micropenis-NzY4NDg.html.
Sem embargo, o médico americano Brian Richards, em sua obra intitulada O Pênis (São Paulo: Editora Produtos Paradise Ltda., 1980, p. 93-103), enumera as doenças que podem acometer o pênis humano, dividindo-as em doenças gerais e doenças específicas. As primeiras relacionam-se aos hábitos de vida do indivíduo, isto é, podem derivar de obesidade, alcoolismo, dependência de outras drogas, diabetes etc; as demais têm origem no próprio órgão sexual. Ao todo, o referido autor descreve, minuciosamente, cada uma das 25 doenças que arrola em seu livro, sendo que o micropênis sequer é citado dentre as patologias.
Assim, num primeiro momento, parece-nos que a questão não envolve defeito físico, pois a literatura médica trata essa condição como mero desvio de padrão, tendo em vista que o tamanho normal do pênis humano varia de 5 a 10 cm quando flácido, e de 12,5 a 17,5 cm quando ereto, sendo que um micropênis, quando flácido, mede menos de 4 cm, e, quando ereto, não passa de 7,5 cm (Disponível em: http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?403. Acesso em 23/06/2012).
Ademais, a pediatra Gabriela Zanola esclarece:
“Micropênis
Nesta condição, o pênis é bem formado, mas o comprimento é inferior a uma faixa de medidas das dimensões penianas consideradas o normal para um recém-nascido. Simplificando, um recém-nascido a termo deve ter um pênis com comprimento de no mínimo 1,9cm. As dimensões inferiores devem ser alvo de uma investigação do perfil hormonal, especialmente da secreção de testosterona. A palpação dos testículos é outro aspecto importante do exame da genitália, devido a possibilidade de haver um distúrbio do desenvolvimento sexual. A causa mais comum do micropênis é o hipogonadismo hipogonadotrófico (hipotalâmica/hipofisária) e pode estar no contexto de síndromes hereditárias. O micropênis decorrente da falência testicular geralmente é acompanhado por testículos pequenos e na maioria, criptorquídicos. Alguns pacientes que apresentam micropênis de causa não identificada, com dosagens hormonais normais, apresentarão virilização espontânea e crescimento peniano adequado na puberdade. O tratamento do micropênis é a reposição hormonal.
Não deve ser confundido com micropênis aquelas condições encontradas em crianças obesas, onde o pênis fica oculto na gordura supra-púbica!” (Disponível em: http://www.brasilclinicas.com.br/artigos/ler.aspx?artigoID=166. Acesso em 23/06/2012).
Em síntese, um pênis pequeno não é considerado doença, apresentando-se como mera diferença de tamanho, se comparado com a média da população masculina.
Em relação ao requisito relacionado a ser um defeito irremediável, a questão também aponta para a impossibilidade de se acolher tal argumento, tendo em vista a Portaria 67/06, editada pelo Ministério da Saúde (que aprovou o Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas - deficiência do hormônio do crescimento. Nas informações constantes desse documento, pode ser encontrada a seguinte informação:
“3.1 Diagnóstico clínico
Os principais achados clínicos em crianças com deficiência de GH são baixa estatura e redução na velocidade de crescimento. A investigação para deficiência de GH está indicada nas seguintes situações: "Sinais e sintomas de deficiência de GH no período neonatal (hipoglicemia, icterícia prolongada, micropênis, defeitos de linha média)”.
Além disso, podem ser encontrados inúmeros sites da internet esclarecendo sobre os possíveis tratamentos utilizando hormônios, cirurgias e fisioterapia para o micropênis, dentre eles a faloplastia, considerada simples e pouco agressiva.
Então, segundo a literatura médica, essa condição do pênis é passível de tratamento.
Sendo assim, aparentemente essa condição do pênis humano (micropênis), por não configurar um defeito físico, tampouco irremediável, afasta a pretensão da ex-esposa de anular o casamento, pois, conforme o que foi apurado acima, os requisitos do inciso III, do art. 1.557, do CC/2002, não estariam preenchidos. Não seria, então, a nosso ver, caso de anulação de casamento, mas de mero divórcio.
A notícia dá a entender que dois foram os fatos que motivaram o pedido de anulação de casamento, cumulado com a condenação em verba indenitária, a saber: (i) o desconhecimento da “doença” do ex-marido (motiva o pedido de anulação do casamento); (ii) a ex-esposa ter se sentido enganada pelo ex-marido, que escondeu dela o “problema” durante o período de namoro/noivado, bem como a frustração sexual após o casamento (motivam o pedido de compensação por dano moral).
Pois bem, quanto ao primeiro motivo, já vimos que, ao menos aparentemente (pois não conhecemos os detalhes do caso), a questão não se encaixa na hipótese prevista pelo inciso III, do artigo 1.557, do CC/2002. Por sua vez, o segundo motivo merece detida análise.
Discutindo a questão com a advogada e professora de Direito Civil Jesica Lourenço (que entende ser caso de anulação do casamento), via mensagens em uma rede social, foram por ela tecidas as seguintes considerações:
“A análise desse caso pede uma importante separação dentro do Direito Civil, das situações subjetivas puramente existenciais (que parece ser o caso) das situações efetivamente patrimoniais. Quando ingressamos na análise de situações existenciais a solução é sempre complexa e tendente a não chegar a um equilíbrio entre os dois lados, até mesmo porque o Código Civil de 2002, que já nasceu velho, não está preparado para solucionar essas situações sem o viés patrimonialista. Então, é claro que somente os contornos do caso concreto podem afirmar isso, mas pela legislação há a anulação do casamento, mas já essa indenização parece deveras abusiva, até mesmo porque se houve impacto à esfera psíquica, o impacto foi na dos dois. E tem mais: aquela grande discussão que existe hoje nas relações afetivas, se estamos nos relacionando com o sexo, com o gênero ou com a pessoa. Há uma total inversão de valores, a exposição que o marido sofreu me parece muito mais prejudicial do que o problema que ela alega. Além disso, agora não mais como civilista, mas como pessoa... Se houvesse sentimento de amor aí, ela jamais submeteria esse rapaz a isso, há coisas mais sublimes...”
É importante atentarmo-nos para a seguinte passagem, apropriadamente abordada pela eminente civilista: “aquela grande discussão que existe hoje nas relações afetivas, se estamos nos relacionando com o sexo, com o gênero ou com a pessoa...”
Vive-se a era do chamado Direito Civil Constitucional — escola que propõe o estudo das instituições do direito comum à luz da Constituição Federal, que é a norma de onde as demais retiram seu fundamento de validade. Referindo-se à doutrina atual, Flávio Tartuce e José Fernando Simão destacam o conceito de casamento, segundo a lição de Maria Helena Diniz, que assim o define: “O casamento é o vínculo jurídico entre o homem e a mulher que visa o auxílio mútuo material e espiritual, de modo que haja uma integração fisiopsíquica e a constituição de uma família” (DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro. Direito de Família, 20ª ed. São Paulo: RT, 2005, p. 39, apud TARTUCE, Flávio; SIMÃO, José Fernando. Direito Civil 5. Direito de Família, 7ª ed. São Paulo: Método, 2012, pp. 35-36).
Pelo conceito da eminente civilista, percebe-se que, modernamente, o casamento é um complexo de relações que envolve não só a sexualidade dos cônjuges, mas também a consecução de objetivos de caráter patrimonial, espiritual, afetivo... Em outras palavras, não se pode olhar o casamento tão somente sob o ponto de vista sexual.
Sendo assim, surgem algumas indagações:
1. Será que, à luz das normas constitucionais, o pedido de anulação, por parte da ex-esposa, não viola o princípio da dignidade humana?
Ora, se o casamento deve ser encarado como o conceituado por Maria Helena Diniz, levar em conta somente o aspecto sexual, ignorando os aspectos espirituais e afetivos, por exemplo, a nosso ver a ex-esposa está, verdadeiramente, se lixando para os sentimentos do ex-marido que, aliás, não tem culpa alguma de ter nascido com um pênis cujo tamanho diverge do padrão. Some-se a isso o tabu envolvendo a virilidade masculina, cuja exposição negativa é capaz de provocar danos indeléveis na personalidade dos homens, verdadeiramente inutilizando-os perante a sociedade. O homem vira motivo de gozação, indubitavelmente.
Imaginemos, agora, outra situação: caso fosse o homem descobrindo, por exemplo, que a mulher não pode ter filhos, será que o problema dela causaria o mesmo efeito perante a sociedade? Pensamos que não, absolutamente! Aos olhos da sociedade, e consoante a prática cristã, uma mulher que não pode ter filhos é verdadeiramente digna de dó; penaliza as pessoas; merece, sim, ser acolhida no seio da sociedade. Aos olhos da sociedade, uma mulher que não pode ter filhos, certamente não é tão “engraçado”. Já o homem, não; ele tem que ser viril a todo custo! E se apelidassem a mulher de “árvore seca”, seria engraçado?
2. Como fica a questão do ponto de vista religioso? O sexo baseia-se somente no coito? A relação baseia-se somente no sexo?
Pois bem, ambos optaram por fazer sexo somente após o casamento; estavam de pleno acordo quanto a estes fundamentos filosóficos; decidiram pela união sem ter a relação sexual. Como relatado, os indivíduos compartilhavam da mesma premissa filosófico-religiosa, o que já demonstra uma relação aprofundada, ao menos se a considerarmos objetivamente, já que a mulher concordou com o consorte em ter relações sexuais somente após o casamento.
3. Independentemente de tudo isso, mesmo que a mulher achasse inadmissível o fato do marido ter um pênis pequeno, a anulação do casamento é a medida adequada?
Sobre esse ponto, por tudo que abordamos acima quando tratamos da questão relacionada ao micropenianismo ser ou não uma doença ou um defeito físico irremediável, pensamos que não. A medida adequada seria o divórcio, pura e simplesmente. Podemos até concordar que a incompatibilidade sexual é capaz de gerar a insuportabilidade da convivência conjugal, mas para isso existe o divórcio. A anulação é instituto destinado aos casos eleitos pelo legislador como extremamente graves, capazes de gerar uma presunção absoluta (iure et de iure) de insuportabilidade da vida em comum.
4. Dar publicidade ao fato, a ponto de o ex-marido ser apelidado de Toninho Anaconda, sendo ele conhecido em toda a cidade, solucionaria o problema?
Certamente não. Esse fato, a nosso ver, tem requintes de pura vingança. A princípio, parece-nos que a prioridade da ex-esposa era de ordem sexual, pois, se na relação do casal houvesse a convergência de todos aqueles aspectos descritos por Maria Helena Diniz em seu conceito de casamento, certamente a ex-esposa buscaria outros meios para contornar o problema, uma vez que, como dissemos, a condição de seu ex-marido não é irremediável. Digno de nota, ainda, considerar que, se o sexo é uma obrigação do casamento, logo há o risco de que não seja assim tão bom para um ou ambos os nubentes. Não significa, no entanto, que todos devam fazer sexo antes do casamento; isso vai de cada um. No entanto, já tivemos a oportunidade de ouvir de um padre, publicamente, durante a celebração do casamento de uma amiga, que isso não é algo recomendável (acreditem!). Destarte, casar sem antes ter feito sexo é, sem dúvida, um risco para quem assume essa postura.
Passando à abordagem do suposto dano moral alegado pela ex-esposa, consta da notícia que ela teria se sentido enganada pelo ex-marido, que escondeu dela o “problema” durante o período de namoro/noivado, bem como a frustração sexual após o casamento. A nosso juízo, pairam dúvidas sobre a configuração do alegado dano moral. É que deve-se investigar a conduta do ex-marido, no sentido de esconder dela a sua condição.
Como dissemos, a relação entre os nubentes deveria ser pautada não só sob o ponto de vista sexual. Havendo no casamento deveres recíprocos de índole espiritual e afetiva, ao descobrir o problema do ex-marido, a ex-esposa deveria adotar uma conduta de compaixão, a qual seria mais condizente com todo o amor que, ao menos em tese, permeou a relação, a ponto de ela concordar em passar o período de dois anos de namoro/noivado sem que o casal tivesse relações sexuais. Em outras palavras, ela anuiu à manifestação do futuro marido, no sentido de se abster do sexo, correndo, assim, o risco de ter uma vida sexual insatisfatória, ainda que seu futuro marido tivesse um pênis normal. E mais: suponha-se que, ao contrário, o pênis do futuro marido fosse demasiadamente avantajado, e provocasse dores insuportáveis à mulher no momento da cópula. Isso é absolutamente subjetivo! Se levarmos isso em consideração, não há que se falar em dano moral algum sofrido pela ex-esposa, pois ter um micropênis é um fato (um acontecimento natural), e não um ato do homem, sendo que o dever de indenizar decorre de um ato ilícito (artigo 186 do CC/2002), isto é, de uma manifestação decorrente da vontade humana, que venha a causar prejuízo material ou moral a outrem.
De sua sorte, analisando a situação do ex-marido, em nossa opinião não há dúvidas de que ele é quem, verdadeiramente, sofreu abalo moral considerável. Absolutamente, não havia necessidade de que a ex-esposa tornasse publico o fato, o qual, pelo teor da notícia, repercutiu negativamente sobre a honra do homem (honras objetiva e subjetiva), mormente por ter sido ventilado na imprensa. Ora, se todos os elementos descritos por Maria Helena Diniz estivessem presentes na relação entre o casal, certamente a última providência da ex-esposa seria dar publicidade à condição do ex-marido!
Nada obstante, na hipótese de se considerar que o ex-marido realmente causou algum dano moral à ex-esposa, deverá ser reconhecida a concorrência de causas, tendo em vista a conduta muito mais danosa praticada pela mulher. Nesse caso, aplica-se o disposto no artigo 945 do CC/2002, que diz:
Artigo 945. Se a vítima tiver concorrido culposamente para o evento danoso, a sua indenização será fixada tendo-se em conta a gravidade de sua culpa em confronto com a do autor do dano.
Por fim, o tema não se esgota aqui. Nossa intenção neste breve texto é somente convocar os estudiosos do Direito Civil ao debate, tendo em vista o noticiado ineditismo do caso, que não possui precedentes em nossas cortes.
Vitor Guglinskin é advogado membro do Instituto Cultural para a Difusão do Conhecimento Jurídico - INJUR.
Larissa Affonso Mayer é advogada.