O medo

TENHA MEDO DO QUE O GOVERNO PODE FAZER COM VOCÊ. NO BRASIL GOVERNAR É SATISFAZER NECESSIDADES FISIOLÓGICAS.

31 de mar de 2011

Cadê as outras quotas?!?

Se um afro-descendente (?!?) chama você de branquelo, você abre um processo contra ele por racismo? E cadê a quota para os carecas na universidade? Cadê a quota dos branquelos gordos, dos brancos feios, dos gagos amarelos, dessa minoria toda que anda por aí?!? Todo mundo é filho de Deus. Ou não avisaram ainda para quem anda usando e abusando da Lei Afonso Arinos?...

Pela Lei Afonso Arinos, universidade que não garante ingresso aos 80% que não pertencem aos 20% de afro-descendentes deveria responder pelo delito da discriminação pela cor da pele. Bolas, se não dá a esses 80% os mesmos direitos, as benesses e vantagens que oferece a 20% em honra à cor dos que serão inscritos, isso é discriminação clara a todos os demais, implícita na Lei. Veja:

Art 5º - Recusar inscrição de aluno em estabelecimentos de ensino de qualquer curso ou grau, por preconceito de raça ou de cor. Pena: prisão simples de três meses a um ano ou multa de Cr$500,00 (quinhentos cruzeiros) a Cr$5.000,00 (cinco mil cruzeiros).

Parágrafo único. Se se tratar de estabelecimento oficial de ensino, a pena será a perda do cargo para o agente, desde que apurada em inquérito regular.

RODAPÉ - Isso não quer dizer nada. Bolsonaro continua sendo um truculento boquirroto.

Descoberta

Impotência dá alerta para infarto.

Disfunção erétil pode ser primeiro sinal de que coração está doente.
Só agora o Garanhão de Pelotas descobriu que não é pelotense; é mineiro. Nasceu na terra do Pelé: Três Corações.

Dois pontinhos a ponderar

01. Vem aí 15% de aumento no preço da cerveja. Espere só o que vai acontecer com o litro da gasolina.

02. Não tenha medo das pessoas; cuide-se dos políticos.

Reforma Política?!?

E agora, o que as pessoas podem fazer para se defender dos políticos?!?

30 de mar de 2011

Do mundo um pouco

Como duplicar vencimentos
Sendo um político na Itália
Por Carlos Eduardo Behrensdorf - Brasília

Pedindo desculpas aos nossos leitores mais sensatos (se é que existem) voltamos a falar na figura carismática e com o rosto que reproduz a maior cara de mármore de Carrara (de pau já era) voltamos a falar em Silvio Berlusconi, personagem impar em toda a Europa.

Pois bem, a agência noticiosa italiana ANS revela o seguinte exemplo de boa aplicação de vencimentos.

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, teve seus rendimentos duplicados em um ano e se tornou o líder político mais rico do país, segundo sua declaração de impostos em 2010 relativas a 2009.

Na declaração aparecem R$ 95.343.185,43 (ou 40.897.004 euros) de entradas, sendo que em 2008 eram de R$ 53.755.071,11 (ou 23.057.981 euros).

Não aparecem novas aquisições de carros, barcos ou de novas participações em sociedades. Em 2010, o chefe de Governo vendeu um apartamento em Milão em co-propriedade de 50%.

Entre os imóveis no seu nome estão dois apartamentos em uso em Milão, duas garagens e outros três apartamentos na mesma cidade, onde têm em co-propriedade mais dois imóveis. Também aparece inscrito na declaração de renda do premier um imóvel no município de Lesa, província de Novara.

A mansão na ilha de Antigua também foi declarada, junto com um terreno, um imóvel e outro terreno adquirido em 13 de março de 2009.

O premier declarou ser proprietário de três depósitos de gestão patrimonial no banco popular de Sondrio, no banco Monte dei Paschi de Siena e no Banco Arnes Italia.

Não perca, ainda nesta semana, um dos internos deste sanatório contará, ao vivo e a cores, fatos ainda não tornados públicos, ou pelo menos nem tão públicos assim do empresário Silvio Berlusconi.

Mad Twitter

Primeiro foi o STF que “matou” Sarney
Agora é a Secretaria da Cultura de SP
Por Carlos Eduardo Behrensdorf - Brasília

Pouco menos de um mês após o Twitter do Supremo Tribunal Federal questionar quando José Sarney iria “pendurar as chuteiras”, o site da Secretaria de Cultura de São Paulo no microblog fez a seguinte pergunta, após a morte do ex-vice presidente da República José Alencar: “Porque foi o José Alencar e não o Sarney?”

A mensagem foi apagada e a Secretaria divulgou a seguinte informação. “Mensagem postada indevidamente no nosso perfil não reflete a posição oficial da Secretaria. Lamentamos o ocorrido”.

O site “Comunique-se” em matéria assinada pela jornalista Izabela Vasconcelos relata que a assessoria de imprensa da Secretaria ‘informou o seguinte: um funcionário estava com sua conta pessoal e a oficial do órgão abertas e confundiu os perfis.

A Secretaria lamentou a gafe, mas disse que o órgão não pretende punir o funcionário, porque entendeu que o ato não foi proposital.

Pois é...

Casa da Mãe Joana

Moradores contestam
proposta de controle
Por Carlos Eduardo Behrensdorf - Brasília



Mostrando que nem tudo está perdido, cabe-me usar uma frase original, da qual tive inspiração neste exato momento: há luz no fim do túnel. Acendi o meu pavio iluminando sala de praxiterapia deste inefável nosocômio, recuperador de cabecinhas levemente enfraquecidas pelo stress decorrente da vida fora dos muros que para cá nos trouxe.

Tudo começou com a proposta do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cezar Peluso, de o tribunal realizar um controle prévio de constitucionalidade de projetos aprovados pelo Congresso Nacional e enviados à sanção presidencial, conforme reportagem publicada pelo jornal O Globo, na sexta-feira (25).

Como não poderia deixar de ser, a notícia causou forte reação contrária entre parlamentares, especialmente aqueles ligados à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). A comissão é responsável pela análise da adequação constitucional dos textos que tramitam na Câmara.

Antes que perguntem de onde é que colhemos esta insanidade, informo que os detalhes sobre o assunto poderão ser encontrados na Agência Câmara de Notícias.

Assim sendo vamos em frente: está na reportagem global que a proposta será apresentada por Peluso à presidente Dilma Rousseff no âmbito de “um pacto republicano”, para reduzir as ações diretas de inconstitucionalidade (ADIs) que chegam ao Supremo.

Uma alternativa declarada pelo presidente é o STF avaliar, por até 30 dias, a constitucionalidade do projeto para só então a presidente da República sancioná-lo. A assessoria do tribunal informou que o assunto não foi discutido entre os ministros e ainda não há um texto elaborado sobre o tema.

Pois bem, um dos integrantes da CCJ que se manifestou contrariamente à proposta foi o deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), que exerce seu nono mandato. “Eu me coloco de forma enérgica contra essa idéia, porque ela fere duplamente a Constituição: tira do Legislativo a competência de remeter diretamente ao presidente da República o que aprova em seu plenário e afeta a liberdade do presidente em decidir se veta ou aceita os projetos que recebe”, disse. O parlamentar classificou a medida de Peluso como “revolucionária”, que não “coaduna com o procedimento democrático”.

O deputado Almeida Lima (PMDB-SE), que também integra a CCJ e é presidente da Comissão Especial da Reforma Política na Câmara, argumentou que a medida transformaria o Legislativo em um “poder manco”, menor que os outros. Ele questionou ainda a capacidade de o Supremo dar parecer claro sobre a constitucionalidade das matérias aprovadas no Congresso. “O próprio resultado da Ficha Limpa [seis votos contra cinco pela não vigência em 2010 da Lei Complementar 135/10] é a prova de que o STF não é uma casa de iluminados”.

Antes que minha pressão fique alterada, troco de fonte e vou ao site do Globo para procurar resposta para um assunto bem mais ameno e cultural: quem terá sido o vencedor do BBB 11?Fui... (Carlos Eduardo Behrensdorf – Brasília)

29 de mar de 2011

Morre Zé Alencar

Ele estava internado no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo; a causa da morte foi falência múltipla dos órgãos.

Personalidades e políticos lamentam morte do ex-vice-presidente da República. O Hospital Sírio Libanês também.

A luta de Zé Alencar contra o câncer mostrou o quanto um homem pode driblar a morte por tanto tempo quando, mais do que ter os equipamentos médicos tem o aparelhamento estatal e a máquina política à disposição.

Foi um guerreiro. Sem coquetéis molotov, sem memórias de cárcere e sem dara margens a nenhum Araguaia. Lutou bravamente. Contra os juros. Contra o câncer. Perdeu. Como todos nós, um dia, perderemos. Ainda que se possa contar com os serviços, a atenção e o atendimento do SUS. Imortal nesse país, é Sarney.

BENGALADA MAGISTRAL

Juízes federais batem o martelo e marcam greve em abril por salário de R$ 30,6 mil. Teto seria para toda a categoria; para magistrados, aumento não tem de passar pelo Congresso.

Taí ó, os juízes estão se mobilizando. Se deputados e senadores,
sem merecer, ganham o que ganham, os magistrados mais do que os parlamentares, merecem ganhar o que hoje não ganham.

Entrementes...

Pois é. E os aposentados e pensionistas da Previdência, abandonados pelo presideus e esquecidos por Dilma, não são nem capazes de pegar uma bengala e dar uns pulinhos na frente do Palácio. Ficam pensando que um sindicato também decrépito pode dar as bengaladas por eles. Mexam-se, antes que acabem!

Foi nisso - o seu pé na cova - que FHC pensou quando criou o fator previdenciário; foi nisso que Lula acreditou para lhes dar uma banana; é nisso que Dilma aposta quando bota os velhinhos na geladeira. De dez anos para cá, quem se aposentou com 10 salários mínimos mensais, recebe hoje menos de cinco salários.

Os aposentados e pensionistas do INSS nem precisam contar os anos que ainda tem pela frente; basta contar as costelas que já estão à mostra. São capazses de morrer de fome, porque o governo nem lhes dá tempo de morrer de SUSto.

Já há quem esteja merecendo uma bengalada magistral. Nem que seja na próxima vez que os velhinhos forem às urnas.

28 de mar de 2011

LIVROS A QUALQUER ESTANTE

Sarney A Biografia
Por Carlos Eduardo Behrensdorf - Brasília

Estava demorando mas chegou às livrarias o livro "Sarney a biografia", da jornalista Regina Echeberria, com pesquisa feita no diário do biografado. Pelo menos nas livrarias onde andei, pelo menos três, o livro não era exatamente um best-seller e não havia fila

Independente do que pensam sobre José Sarney pacientes e visitantes deste Sanatório, não há como fazer de conta que ele não existe. Afinal de contas, são 50 anos nos quais a presença do homem do bigode indesbotável é constante.

Confesso que não li, mas, pincei de jornais algumas frases do biografado que me pareceram interessante. Sem maiores delongas como diria O Imortal, vamos ao que interessa, se é que interessa:

Deprimido

“Era uma solidão que não passava, uma dor insidiosa na alma que me levava a pensar recorrentemente na morte e nas fontes da vida.”

Arrependido

“O maior erro que eu cometi foi o Cruzado II. Eu preferia ter cortado a minha mão a ter assinado aquilo. Fiz porque acreditei neles.”

Dormiu

O chefe do SNI, general Ivan de Souza Mendes, fizera no passado um dossiê envolvendo Sarney e pessoas de sua família.

“Eu dormia com uma cascavel e não sabia”. Eu hein...

Ameaça

Fernando Collor chamou Sarney de “corrupto, incompetente e safado”. Collor disse, inclusive, que mandaria prender Sarney e arrancar seu bigode.

Caribenho

“Lula é a velharia ideológica. O partido marxista sectário e caribenho. É um anacronismo. Sua sedução permanente é Sierra Maestra. Não faz porque não pode”.

Mágoa

O livro confirma um fato sabido há muito tempo: a mágoa com Fernando Henrique Cardoso pela operação da Policia Federal que apreendeu dinheiro na empresa Lunus, no Maranhão.

Para quem não lembra, a empresa era dirigida por seu genro, Jorge Murad e acabou com a candidatura de Roseana Sarney a Presidência da República, em 2002.

Telefone

Sarney ligou para FHC que disse não saber de nada.
Sarney retrucou ”... Eu fui presidente, Fernando, eu sei que uma coisa dessas não acontece sem o presidente saber”... “Mas você foi presidente no tempo da ditadura”, teria dito FHC. “E você foi o líder da ditadura” respondeu Sarney, batendo com o telefone.

É o que está no livro.

RODAPÉ SANATORIAL - Diagnóstico da biografia autorizada, só para não deixar em brancas nuvens de marimbondos de fogo: - Não lemos e não gostamos. O seu texto, não; este nós a-do-ra-mos!!! Não gostamos do que não lemos da Echeberria.
Os goleiros-goleadores
Relação dos 10 Mais

Rogério Ceni: 100 gols - Brasil 1990.

2°) José Luis Chilavert - 62 - Paraguai 1982-2004; 3°) René Higuita - 41- Colômbia 1985-2010; 4°) Jorge Campos - 40 - México 1988-2004; 5°) Dimitar Ivankov - 35 - Bulgária 1995; 6°) Johnny Vegas Fernández - 34 - Peru 1997; 7°) Álvaro Misael Alfaro - 31- El Salvador 1995; 8°) Hans-Jörg Butt - 29 - Alemanha 1994; 9°) Marco Antonio Cornez - 24 - Chile 1982-1996; 10°) Dragan Pantelić - 22 - Iugoslávia 1969-1989.


Esse robusto aí é o Chilavert. Ele deixou de jogar em 2004, logo depois que cuspiu no rosto de Roberto Carlos, na sessão de cumprimentos ao término de mais uma derrota do Paraguai para a Seleção do Brasil. Se você acha que, só porque a sua silhueta é igual à de Adriano - O Imperador do Corinthians, ele ainda pode alcançar o Rogério Ceni na artilharia, está redondamente enganado. Nem ele, nem Adriano farão mais gols que Rogério Ceni.
CENI E ADRIANO
A semana futebolística paulista começa com duas notícias: Rogério Ceni fez o seu centésimo gol e Adriano veio para o Corinthians. Uma convicção: Adriano não faz, até o fim da carreira, mais gols que Rogério Ceni.

27 de mar de 2011

EXAGEROS DO BRASIL 2 A 0 ESCÓCIA

Não precisa exagerar. Aquela banana não foi jogada em campo por racismo no recreio futebolístico Brasil 2 a 0 Escócia. Foi atirada por um escocês de kilt - aquela saiazinha reveladora - por pura raiva.

Ele acabara de descobrir que ganhara de sua esposa aquela apetitosa e utilitária fruta, para que ele saísse logo de casa para ir ao estádio. Quando ele ligou da arquibancada para casa, quem atendeu foi o Ricardão. E, pelo visto, já estava até sem o saiote.

A polícia criminal que trabalha nos estádios europeus chegou logo à conclusão de que o exemplar jogado em pleno Emirates Stadium de Londres pertence à mesma penca daquela banana que outro dia mostraram para o Roberto Carlos, em São Petersburgo, lá na Rússia.

O que não falta nos estádios de futebol da Europa é banana. E chifrudo, menos ainda.

Neymar também não precisa exagerar. Com o futebol que tem nos pés não tem nada que botar um esquilo na cabeça só para aparecer em campo. O menino Lucas do São Paulo é outro que joga um bolão e, no entanto, usa o penteado modelo touquinha máquina zero.

Outro exagero em Londres nesse domingo foi Ronaldo Fenomeno vestido de executivo. Não se sabe se ele estava se sentindo pior fora de campo, ou dentro daquela fatiota. Tá bom, virou empresário. Mas tudo que é demais, excede.

O zagueiro escocês é que achou exagerados a ginga e o jogo de cintura de Neymar. Tanto é que disse pro goleiro: - Esse cara tá cambaleando demais, veio da balada com a cara cheia de scotch...

Show dos Mensaleiros


Por mera questão consuetudinária do Supremo Tribunal Federal, Zé Dirceu deve escapar da acusação que lhe foi imputada pelo Ministério Público de ser o chefe da corrupção no show dos mensaleiros - o caso deixou de ser escândalo há muito tempo.

O tribunal não costuma aceitar denúncias e muito menos condenar alguém sem provas definitiva e cabalmente provadas.

Assim é que, como já se sabia, Dirceu escapa. Escapa mas, sem ser inocentado, deixa no ar uma certeza: o chefe do mensalão era outro. Outro que o trem não pega. Alguém que, na época, estava não só nos andares de cima, mas colocado acima de qualquer suspeita.

De todas em que se meteu e se mete até hoje, a única punição que Dirceu não conseguiu evitar foi aquela bengalada. Mas, o bengaleiro Yves Hublet que chamou seu alvo de "corrupto e mau caráter" já não está mais aí para contar a história.

Apagão Planeta

A intenção até que foi ecopoliticamente correta, mas na prática essa "Hora do Planeta" que apagou ontem, por uma hora, os "cartões postais" das principais cidades do mundo, surtiu o mesmo efeito na sociedade quanto pode dar certo um susto para acabar com uma crise de soluço.

Imagine que as inscrições aqui no Brasil para "coalizar-se" ao evento foram feitas nas prefeituras e outros organismos estatais. Ora, justamente nas fontes que não vem cuidando como devem do assunto.

O que o mundo precisa é de governos sérios e eficazes no trato da questão do aquecimento global.

Em todo caso, o que são 60 minutos para quem teve um apagão em fevereiro que deixou oito estados do Norte/Nordeste às escuras? Por lá, naquele glorioso dia 4 do mês passado, só escapou do obscurantismo o Maranhão, estado precário que pertence à famiglia Sarney.

Todas as alas do Sanatório da Notícia aderiram ao movimento Earth Hour e fizeram sua parte: às 20h30 desse digno sábado se ligaram pela TV a um monte de lugares famosos em diversas capitais do mundo, completamente às escuras. Que coisa mais linda de não se ver!

26 de mar de 2011

Abre-te Sésamo!

Nem a Carrochinha acredita que um governo que, durante oito anos, se dedicou com sucesso absoluto a comprar, vender e coalizar o que encontrava de empecilho pela frente, não teria êxito na corriqueira missão de absolver os mensaleiros. Vai absolver, não há qualquer sombra de dúvida.

O que não vai conseguir, nem que a vaca tussa ou que o camelo peça água, é provar sua inocência. Naquela pandilha de sevandijas - como Seu Encarnado disse uma vez a respeito do Congresso Nacional - "Aqui ninguém é freira; ninguém é anjo".

Pois agora, o repórter Felipe Recondo, do jornal O Estado de S. Paulo, dá o mapa da mina. Melhor até, ele mostra que o bando está prontinho para gritar a frase mágica usada por Ali-Babá em As Mil e Uma Noites, senha para que a porta do esconderijo dos 40 ladrões se abrisse automaticamente.  A matéria mata a cobra e mostra o pau:

Prescrição do crime de formação de quadrilha esvazia processo do mensalão

Em agosto deste ano, 22 réus do processo sobre o pior escândalo da Era Lula vão estar livres de uma das principais acusações


BRASÍLIA - O processo de desmantelamento do esquema conhecido como mensalão federal (2005), a pior crise política do governo Lula, já tem data para começar: será a partir da última semana de agosto, quando vai prescrever o crime de formação de quadrilha. O crime, citado por mais de 50 vezes na denúncia do Ministério Público - que foi aceita pelo Supremo Tribunal Federal (STF) -, é visto como uma espécie de "ação central" do esquema, mas desaparecerá sem que nenhum dos mensaleiros tenha sido julgado. Entre os 38 réus do processo, 22 respondem por formação de quadrilha.

RODAPÉ - Tido e havido pelo Ministério Público como o "chefe" do esquema, o ex-ministro Zé Dirceu, ao que tudo indica, está cada vez mais perto da absolvição. Inocência é o de menos. Ninguem fala nisso. E muito poucos se lembram que os mensaleiros são quarenta, contando com o que aparece como "chefe".

Quem falou que mexer com essa sujeirada toda que já está quase morrendo de velha foi o Seu Encarnado, alter ego daquele que ainda não desencarnou dos fluídos palacianos. Às vésperas de deixar a "herança bendita" para Dilma, ele regorgou que sua principal missão, a partir de janeiro de 2011, seria mostrar que o mensalão "é uma farsa".

Isso é que senso de justiça. Fazer força para transformar em farsa o que fazia e faz a alegria e a força dos farsantes.

O que fica evidente aí é que a turba que, contando com o "chefe" tem 40 mensaleiros, necessariamente precisa do com,ando de um Ali Babá misterioso... só para garantir o script das Mil e Uma Noites.

Nesse interim, enquanto a maior corte de Justiça do País deixa o barco correr, a turba da farsa faz força e grita diante do governo da sua fada-madrinha: "Abre-te Sésamo!".

Esses verdadeiros arremedos de camelos, navios do deserto em que transformaram a Esplanada dos Ministérios vão entrando à vontade, ocupando os lugares mais seguros desse enorme esconderijo.

Como camelos, todos eles tem força e resistência para manter a farsa, sem precisar de um gole de água sequer, por muito e muito tempo. Bom seria que lhe tirassem também o pão da boca.

Hora do Planeta

Foto: Adek Berry/AFP
O mundo inteiro, do Oiapóque ao Chuí, como diriam os brasileiros e do Chuí à Terra do Fogo, na Patagônia, como se gabariam os argentinos, vai apagar as luzes pelo menos uma hora, no dia de hoje. É a Hora do Planeta - um alerta ao mundo que precisa de luz. O evento se dá em cadeia, em razão dos fusos horários. A foto aí de cima revela como, Jacarta participou do movimento: apagou as luzes do hotel Indonésia, um dos símbolos da cidade (no meio da rotatória).
Foto: Embratur/Divulgação
Aqui no Brasil, por exemplo, os Arcos da Lapa ficarão às escuras na noite deste sábado. Nem precisava, pois oa apagão do mês passado, deu de sobra para Edson Lobão mostrar o quanto cuidar da energia é importante para os brasileiros e para o mundo em geral. Prefeito e governador do Rio já providenciaram plantão extra de uma Unidade de Polícia Pacificadora no local. Governo prevenido vale por dois.

Ficha-Limpa em moedinhas de salame

Essa coisa de ficha-limpa, ficha-suja, já está virando série brasileira de pornografia explícita.

Agora vem o ministro aquele que tem um nome que parece um palavrão, Lewandowski, e nos ameaça dizendo que "Ficha Limpa vai ser fatiada como salame". Deve estar pensando que o nosso é cofrinho.

Ela é a Cara!

Eu quero dizer / Agora, o oposto do que eu disse antes / Eu prefiro ser / Essa metamorfose ambulante. Trecho cantado por Seu Encarnado - Alter Ego daquele que ainda não desencarnou da presidência da República.

Ele aparece aqui disfarçado de Raul Seixas, só para dizer que "achei importante. Veja bem: votar para que haja fiscalização, o Brasil votou corretamente”.

O Alter Ego estava - imagine só, você! - fingindo que aprovaria e aprova a atitude que Dilma mandou Patriota adotar diante do ditador Mohamoud Ahmadinejad, apedrejador de iranianas, unha e carne com ele quando está na pele de Lula.

Seu Encarnado, a essas alturas, já suspeita que Dilma vai conseguir a cadeira permanente que ele tanto queria ter conseguido para ele no Conselho de Segurança da ONU. A visita de Barack Obama, dentre tantos riquefafes, acabou não sendo em vão. Dilma é A Cara!

De sua parte, de discurso em discurso, Seu Encarnado vai abocanhando R$ 200 mil daqui, um carrinho blindado dali... Afinal, o caminho até as eleições de 2014 está ficando cada vez mais longo e mais árduo. Seu Encarnado vai ter que suar a camiseta. A propósito, com tamanha popularidade, um carro blindado não é um exagero, não?!?

TUDO NA MESMA

O mais novo voto de Minerva do Supremo, vai redundar no seguinte: mais de 170 fichas-sujas podem ser empossados no lugar de quem exerceu o mandato até aqui.

Tudo em razão da decisão do 11° ministro indicado pelo Palácio, referendado pelo Congresso e acolhido pelos outros dez julgadores máximos do nosso País.

Agora, fazendo a prova dos nove que, como já se sabe são mais de 170, todos os TREs precisarão recalcular o coeficiente eleitoral e, com base nele, proclamar novamente o resultado das eleições.

Grandes coisas. Ninguém vai notar diferença nenhuma. Só os cabides de emprego serão sacudidos. Mudam apenas as moscas.
Muar Kadafi, adepto da torcida organizada Gaviões dos Fiéis Amigos, Irmãos e Líderes.

Muar Kadafi, sem dar bola se vai desagradar a gregos e troianos, mostra sua verdadeira preferência: surge como um esmeraldino fanático.

Muar Kadafi, pronto para a sair na Ala dos Guerreiros em mais uma batalha na Sapucaí.

Muar Kadafi, no set de filmagem do premiadíssimo Os Guarda-Chuvas do Amor. Nesse remake, Catherine Deneuve não apareceu.

Muar Kadafi, olhar perdido, relembrando os Anos Dourados. Cá pra nós, não há anos que aguentem.

DITADOR FASHION - Olhando assim, daqui de longe, o amigo, irmão e líder Muar Kadafi envolto em seus mantos sacrossantos, você seria capaz de imaginá-lo nu em pelo, cercado de odaliscas? Não é capaz, não?!? Pois, então, ele não vai perder a guerra tão cedo. Só sem aquelas fantasias ele se sentiria mal sentado no trono da Líbia. Que ninguém nos ouça, você seria capaz de encarar o Kadafi de peito aberto?!?

OLHA O DRAGÃO - Taí ó, estamos em plena herança bendita que o Seu Encarnado nos deixou: o preço da gasolina nos postos de serviço está mais caro que a garrafa de cerveja nos supermercados. E isso não quer dizer que o açúcar, o pão e a margarina estão mais baratos. Não é qualquer um que, toda segunda-feira, pode tomar "Café com a Presidenta".

HORA DO LOBÃO - Hoje é o dia do mundo inteiro apagar a luz por uma hora. O movimento mundial "Hora do Planeta" para conscientização contra os riscos iminentes de apagões espera que Edson Lobão se enquadre. Aí já é demais. O máximo que ele pode fazer é dar uma boa explicação. Tudo, no entanto, vai depender da coincidência de fusos horários.

PERDAS E DANOS - Pré-escola esbarra na falta de mais de 100 mil professores. Dados do Inep apontam que escolas do magistério estão perdendo alunos. E agente perdendo tempo com uma informação dessas... O ministro da Educação de Lula - Ops, de Dilma! - continua sendo Fernando Hadad.

EU JÁ SABIA - A matéria é do Estadão: ''Não vai dar nem para olimpíada''. Estudo do Ipea prevê que obras em aeroportos não ficarão prontas nem para 2014 nem para 2016. O lead é de Fernando Dantas e Glauber Gonçalves - do jornal O Estado de S.Paulo:

As obras nos aeroportos brasileiros não ficarão prontas a tempo de atender a demanda da Copa do Mundo de 2014 nem da Olimpíada de 2016, prevê estudo inédito do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A avaliação dos pesquisadores é que, com projetos ainda inacabados, não será possível cumprir os prazos para entregar as obras para os eventos esportivos.

A GRÉCIA É AQUI - Aquela farra toda de abraços e queijos e... vinhos, em maio de 2009, quando Joseph Blatter declarou que o Brasil seria  a sede da Copa levou às lágrimas Lula que então encarnava a presidência, Roberto Teixeira, Arthur Nuzman, Orlando Tapioca, Eduardo Paes, Pelé, cartolas e aloprados de sempre. Era choro de olho grosso.

Todos sabiam que a grana era muito alta e a capacidade de realização muito baixa. Não é por uma questão de tempo que as obras não saem do papel é que tem muita gente olhando o olho grosso dos vivaldinos de sempre. Copa e Olimpíada já tem o selo de garantia de um dos maiores micos da história esportiva do mundo. Ou então - você decide - de um dos maiores rombos financeiros de um país.

O povo grego vem pagando há 7 anos os descalabros dos Jogos Olímpicos de 2004 e vai pagar ainda por mais 40 anos os elefantes brancos erigidos pela ganância de um governo irresponsável e vigarista que se contentou com uma Olimpíada e nem quis uma Copa de quebra.

O Brasil é hoje a Grécia de 2004. Com a Olimpíada por acréscimo. O povo - se essa loucura for levada adiante - vai pagar a conta desses filhinhos da pátria rica, por mais de meio século.

25 de mar de 2011

Surrealismo

Foto: Vilmar Tavares
Aquela ficha limpa não poderia resistir muiito tempo mesmo no meio daqueles dois enormes latões lá no Planalto Central do Brasil. Até porque um deles já está até emborcado....

Não há ficha limpa que aguente a poluição de um lugar que tem o maior índice de sujeira por metro quadrado no mundo. Olhando assim, com bons olhos, Fux cumpriu com presteza sua tarefa. É o faxineiro-mor da República.

24 de mar de 2011

Foto às vezes sem fato

Uma casa em praia alemã
Por Carlos Eduardo Behrensdorf - Já em Brasília


Kullungsbor é uma praia ao norte da Alemanha, no Mar Báltico, bem pertinho da Dinamarca. Tem história desde 1886, construiu os primeiros Spa’s e no fim da II Guerra Mundial serviu de refúgios a nazistas.

Foi também controlada pela Alemanha do Leste e com a unificação transformou-se em uma praia para a classe média alta.
Foto: Arq/Behrens
No melhor terreno do local há uma casa sombria e sobre a qual poucos ou quase ninguém fala. Motivo: era a casa de praia de Goebbels, Paul Joseph Goebbels, ministro do Povo, Alegria e da Propaganda de Adolf Hitler na Alemanha Nazista. Figura-chave do regime exerceu sua capacidade de convencimento controlando instituições educacionais e os meios de comunicação.

Em 1943, Goebbels intensificou a propaganda, exortando os alemães a aceitar a ideia de guerra total e de mobilização. Goebbels permaneceu com Hitler em Berlim até o suicídio do Führer. Em suas últimas horas, dizem os registros da época, que Goebbels permitiu a sua mulher, Magda, matar os seus seis filhos pequenos. Goebbels e sua mulher cometeram suicídio.

A casa continua lá. Os mais velhos não olham e os jovens também não. Na praia há jovens lindas e carros modernissimos circulando.A propaganda lá cuida de grifes e marcas. Melhor assim. (Carlos Eduardo Behrensdorf – Brasília)

Casa da Mãe Joana

O retorno do JB
Por Carlos Eduardo Behrensdorf - de Brasília

Chamou a atenção o elogio do líder do governo na Câmara Deputados, deputado Cândido Vaccarezza (PT/SP), à decisão do STF. Em sua (dele...) opinião, “... o resultado reafirma o compromisso com a democracia e com o Estado democrático de direito. Uma lei não pode retroagir para punir. Não é correto mudar a lei no meio do jogo". Pois é: cada cabeça uma sentença.

Sua conclusão aí está: "O Brasil deu um passo adiante, independente se favoreceu A, B ou C." Sem pressa, Vaccarezza argumenta que a situação “ficaria pior para a democracia se permanecesse alguém que não está embasado no arcabouço jurídico".

Não custa nada lembrar nesta libertária e acolhedora Casa da Mãe Joana que no alfabeto citado pelo petista, se formos adiante encontraremos JB, não o uísque, mas o também popular senador Jader Barbalho (PMDB/PA)

Outra pergunta: o Congresso Nacional, no caso o Senado Federal, não pensa em cassar o mandato de Jader Barbalho ou a chamada ficha limpa ficou inválida com a decisão do STF?

E se não fosse só isso, ainda tenho que ver e ouvir jovens comentaristas na televisão que Jader Barbalho é mais experiente do que a candidata que foi empossada anteriormente.

Há situações na vida de um homem que só bebendo. Pode ser até um JB, o legítimo.
(Carlos Eduardo Behrensdorf – Brasília)

A Casa da Mãe Joana - II

Jornalismo
Por Carlos Eduardo Behrensdorf - Brasília

Pode me chamar de asessor administrativo.

A jornalista (ou assessora administrativa?) Izabela Vasconcelos do site Comunique-se fez uma excelente matéria, mostrando que nem sempre aquilo é o que parece ou que parece mas não é.

“A Folha de S.Paulo registrou dois jornalistas como assessores administrativos. A informação foi confirmada pelo vice-presidente do Comitê de Imprensa do Senado, o jornalista Fábio Marçal, que também é membro do Conselho de Ética do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal.

O Comunique-se teve acesso aos documentos que comprovam a irregularidade na contratação dos jornalistas. Nos dados, o jornal alega que o registro como assessor administrativo é uma norma da empresa. “Eu não sei se eles fazem isso pra fugir do sindicato ou pra burlar a legislação, é um absurdo”, contestou Marçal.

O jornalista enfatiza que apenas os dois casos se tornaram conhecidos, mas acredita que outros profissionais já tenham passado pela mesma situação.

Para o presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal, Lincoln Macário Maia, a situação é absurda. “É um absurdo. É uma demostração de que veículos como a Folha são muito apressados em denunciar irregularidades, mas não prestam atenção no que acontece debaixo do seu nariz”, afirmou.

Maia lembrou do caso de outra empresa, que segundo ele, também já cometeu a mesma irregularidade. “A Bloomberg também tenta disfarçar suas contratações de jornalistas. Essas ‘inovações’, formas toscas disfarçadas de sofisticação, precarizam a profissão”, declarou. A Bloomberg não se pronunciou contra a acusação.

Deputado critica contratações

Há uma semana, o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), autor da PEC que pede a volta da exigência do diploma de jornalismo para atuar na profissão, foi informado da irregularidade na Folha, e protestou. Segundo ele, que também é jornalista, irregularidades já eram cometidas em muitos veículos, mas tendem a aumentar. “É uma sinalização clara de que o fim do diploma levará à precarização da profissão”, afirmou.

Folha nega irregularidade

Procurada pela reportagem, a Folha negou as irregularidades e afirmou que todos os profissionais são registrados de acordo com a função que exercem. Segundo o jornal, as carteiras de trabalho poderiam estar desatualizadas. No entanto, os documentos que o Comunique-se teve acesso foram redigidos este mês.

A Casa da Mãe Joana – III

A força da Hollywood brasileira
Por Carlos Eduardo Behrensdorf - Brasília

Quem vai ao Congresso terça, quarta ou quinta feira encontra notícia à vontade. Pois foi só a Rede Globo de Televisão mostrar no Fantástico as reportagens sobre a exploração de menores e maiores no chamado turismo sexual em estados nordestinos (Ceará, Pará, Pernambuco e Rio Grande do Norte) e a Comissão de Turismo e Desporto (CTD) da Câmara dos Deputados aprovou a realização de um Seminário para discutir o combate ao turismo sexual no Brasil.

O que se sabe é que o Seminário, que será feito em conjunto com a Comissão de Direitos Humanos e Minorias. Surgiram os nomes daqueles que serão convidados: os ministros do Turismo, Pedro Novais, e da Justiça, José Eduardo Cardozo, além das Secretárias de Políticas para as Mulheres, Iriny Lopes, e de Direitos Humanos, Maria do Rosário, e o presidente da Embratur, Mário Moysés.

Os secretários de Turismo dos estados do Rio Grande do Norte, de Pernambuco, do Pará e do Ceará também serão convidados.

Por sugestão do agora deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP), representantes da Polícia Federal, do Ministério Público e da Vara da infância e Juventude serão convidados a participar.

Já que o assunto envolve tantas autoridades, por que a bússola não aponta também para o Sul?
(Carlos Eduardo Behrensdorf – Brasília)

Fica logo ali...

Toda classe trabalhadora, numa república calamar tem um Calabar. Em 2009, às expensas das burras públicas, Franklin Martins comandou, em obediência a Lula, o Confecom - Conselho Federal de Comunicações. Era o embrião do controle social da mídia, monstrengo hoje cognominado marco regulatório, pronto para engolir jornalistas e seus meios de levar a vida.

A promessa feita em brados retumbantes no discurso de posse da primeira-mulher-presidenta de que mais vale o clamor das ruas do que o silêncio das ditaduras, ou coisa mais ou menos assim, está apenas no purgatório das almas governamentais.

Paulo Renato, o ministro das comunicações de Dilma, jogou na cesta de lixo a proposta mal-enjambrada que, em desencanto, Franklin deixou displiscentemente para o governo que o desencarnou, antes mesmo que Lula chegasse aos últimos dias de governo. Mas isso quer dizer muito pouco, ou nada.

Se não houver cerceamento explícito da liberdade de expressão, o controle das comunicações estará rolando na surdina, sem os alardes, nem as gabolices do governo anterior.

A herança bendita de Lula está sendo realizada de forma paulatina e silente: o controle é feito pelo patrocínio oficial bem distribuído pelas redes de TV do País. Ou pela intermediação sigilosa de negócios de compra e venda de emissoras e redes televisivas que caem das mãos de opositores no colo de companheiros bons e batutas. Depois é só pautar as programações e pronto, tá tudo dominado. Assim acontece com jornais e revistas. De repente, são todos veículos filhos da pauta.

Quanto ao rádio, tudo é muito mais fácil. Basta usar a rampa do Palácio do Planalto como plataforma incial do deslizamento de milhares e milhares de autorizações de funcionamento para rádios comunitárias para que o mapa da mídia eletrônica do Brasil esteja coberto de sons e vozes sem dissonância com o governo que lhes deu vida útil, mas não inocente.

Eia, pois que não teremos choro nem vela, nesse vale de lágrimas, pela supressão da liberdade de expressão. Jornais, revistas, redes de TV e de emissoras de rádio em Ondas Média e Curtas ou em Frequencia Modulada seguirão dizendo e fazendo o que suas linhas editoriais determinam. Desde que sigam a pauta estabelecida pela chefia de redação do governo.

O marco regulatório fica logo ali.

Brasil Abapuru

O texto e a imagem são do Blog do Planalto. Uma ode a mais uma iniciativa político-cultural da primeira-mulher-presidenta do Brasil. Não é nada, não é nada, Dilma segue repartindo o país. Não o divide como Lula, em Brasil dos ricos e Brasil dos Pobres. Para ela, o que há mesmo é o Brasil dos homens e o Brasil das mulheres. O rodapé é do Sanatório da Notícia.

Mulheres, Artistas e Brasileiras’ é dedicada
aos que querem ver a arte exposta

Foto: R. Stuckert Filho/PR/Blog do Planalto
Presidenta Dilma Rousseff, Tarsila do Amaral, sobrinha-neta da pintora, e o presidente do Museu de Arte latino-americano de Buenos Aires, Eduardo F Costantini, participam da cerimônia de abertura da exposição Mulheres, Artistas e Brasileiras.

Uma mostra em homenagem às mulheres, mas dedicada “a todos aqueles que querem ver a arte exposta e não trancada entre quatro paredes”. Foi assim que a presidenta Dilma Rousseff definiu a exposição ‘Mulheres, Artistas e Brasileiras’, aberta nessa quarta-feira (23/3), no Salão Oeste do Palácio do Planalto, com a presença de artistas, ministros de Estado e outras autoridades.

Em seu discurso, a presidenta Dilma ressaltou o Abaporu, de Tarsila do Amaral, obra que definiu como “maravilha que tem simbologia especial aos brasileiros”. Na ocasião, a presidenta agradeceu ao colecionador argentino Eduardo Costantini, proprietário do quadro, que emprestou o Abapuru à mostra.

“[O Abapuru] tem uma simbologia especial a nós brasileiros – a todos aqueles que querem ver a arte exposta e não trancada entre quatro paredes. Um especial agradecimento ao Costantini por garantir que nós brasileiros possamos ver essa obra que considero muito importante”, afirmou.

RODAPÉ - Pois não é que a obra O Abapuru mostra um mulher de pés enormes, com uma cabecinha desse tamanhozinho?... Isso simboliza mesmo o quê?!?

Fux retribui a gentileza

Fux fuxicou a Lei da Ficha Limpa. Consagrou o preceito de que no Brasil as leis servem apenas para punir as pessoas comuns.

Na primeira grande oportunidade, o 11° ministro do Supremo, com pompa e circunstância, retribuiu à primeira-presidenta Dilma a gentileza de sua indicação para a maior Corte de Justiça do Brasil.

Os outros dez ministros confirmaram seus votos anteriores. Os cinco que foram a favor da extinção da ficha-limpa para esta gloriosa temporada de cassa aos eleitos no ano passado, mais que penhorados, agradecem aliviados ao bode expiatório.

Com a volta dos que não foram aos cargos que haviam perdido por força da lei, Dilma ganhou por tabela uma pequena legião de fichas-sujas. Ela, penhorada, agradece o voto de Minerva.

RODAPÉ - Experimente não pagar o IPVA, só para ver se não tomam o seu carro; não pague o IPTU e deixe o caso ir para a Justiça: tomam sua casa; atrase o aluguel, e logo você vai morar no olho da rua; pegue uma propina, sem ter carteirinha de mensaleiro e encomende desde já cigarro e radinho de pilha; diga, no balcão de qualquer farmácia, que não sabe "com quem está falando" que, em seguidinha, você vai ficar sabendo o que é bom pra tosse...

23 de mar de 2011

FUXtração

Ministro de Dilma no Supremo, Luiz Fux votou contra e agora o STF deve derrubar a validade da Ficha Limpa.

Agora basta que o voto dos demais ministros seja o mesmo que nos julgamentos que acabaram empatados, para que a nova legislação fique sem validade para 2010.

Pronto, se tudo for assim mesmo e tudo indica que assim será - sob pena dos doutos magistrados se desdizerem - os políticos condenados pela Justiça e que tiveram seus votos invalidados nas eleições de outubro do ano passado serão todos reabilitados.

É o triunfo retumbante dos fichas-sujas. A volta dos que não foram.

RODAPÉ - Jader Barbalho vem aí! Joaquim Roriz está inconsolável, estaria nesse rescaldo se não tivesse pulado fora. Foi o típico pulo de gato escaldado.

Pé sem cabeça

Há coisas que não podem deixar de ser vistas, lidas e ouvidas. A "notícia" a seguir é do Blog do Planalto. Um primor de pieguice. O blog e a nota... Afora isso, tem o rodapé.

Exposição ‘Mulheres, Artistas e Brasileiras’ vai ser aberta no Palácio do Planalto

Presidentes Dilma Rousseff e Barack Obama prestigiam o Abaporu, durante visita do líder americano ao Brasil.

Concebida pela presidenta Dilma Rousseff em homenagem ao Mês da Mulher, será aberta nesta quarta-feira (23/3), no Salão Oeste do Palácio do Planalto, a exposição ‘Mulheres, Artistas e Brasileiras’, mostra que reúne obras de grandes artistas do século XX.

O destaque da exposição é o Abapuru, de Tarsila do Amaral, que foi cedido a pedido da própria presidenta pelo colecionador Eduardo Costantini e que estava exposta no Museu de Arte Latino-Americano deBuenos Aires (Malba).

Outro desejo de Dilma Rousseff é que a mostra fosse composta por obras de acervos de órgão públicos como Banco Central, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, dentre outros.

A convite do Palácio do Planalto, a Fundação Armando Alvares Penteado (Faap) organizou a mostra, que tem patrocínio do Banco do Brasil.
Foto: R. Stuckert Filho/PR
Durante a visita oficial do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, no último sábado (19/3), ao Brasil, a presidenta Dilma fez questão de levar o casal Obama e Michelle a conhecer a mostra que homenageia as mulheres artistas brasileiras.

Na ocasião, o casal demonstrou bastante interesse nas obras, sendo que a primeira-dama Michelle Obama se disse “encantada” pelo Autorretrato de Tarsila do Amaral.

RODAPÉ - A expressão de Barack Houssein Obama é de espanto, diante de um pé sem cabeça:
- Essa moça calçava 44?!?

Ficha-Limpa?

SupremoTribunal Federal decide hoje o passado, o presente e o futuro do Ficha-Limpa. Grandes coisas. Aconteça o que acontecer, tanto faz como tanto fez, os políticos vão continuar sendo a mesma coisa que isso que está aí.
Morre Elizabeth Taylor
Reprodução/Div
Ela era muito mais bonita. Sua beleza era de meter medo em Virgínia Woolf.

MANTEIGA x CALOCCI

Está bem, a disputa de beleza entre Guido Manteiga e Antonio Calocci continua. Mas pode melhorar: um dos dos dois logo deve dar os doces.

Agora, essa pirraça entre o criador e a criatura já está ficando chata. E vai dar em nada. Quer dizer, tudo vai acontecer como o previsto.

Bom para os brasileiros carentes: Dilma é Dilma, Lula é Lula. Nessa fogueira de vaidades, o incompreensível é como Gilberto Carvalho - O Quase,  vassalo-mor de Encarnado, alter ego daquele que ainda não desencarnou, continua abrindo, sem bater, a porta do gabinete da primeira-presideusa.
HILARIEDADES

O Encarnado fez sorrir muita gente da comunidade árabe que patrocinou seu discurso no Clube Monte Líbano, em São Paulo. Foi hilário quando disse que eram hilários os elogios da oposição ao governo Dilma: “Durante os oito anos do meu governo, tinha gente que dizia que era a continuidade do anterior, e agora que elegeram uma mulher estão falando que ela está fazendo tudo que era feito antes de Lula”. Errado, caríssimo Alter Ego. Dilma está fazendo tudo que o governo anterior deveria ter feito e não fez.

No fim da festa Lula ganhou da empresa AgroStar um automóvel para o Instituto da Cidadania. Mesmo que possa parecer uma espécie de cachê pela descontraída palestra, o carro é para o Instituto. Não deve ser guardado em garagem particular. Não deve. Isso também é hilário.
PÉ-FRIO

O Encarnado, alter ego daquele que ainda não desencarnou, perdeu uma ótima chance de ficar calado. Foi só abrir a boca para criticar o ataque da ONU ao governo de Kadafi que as forças coalizadas passaram de cinco para dez países unidos aos combates diretos na Líbia. Era pé-frio no futebol, agora é também nas relações internacionais. Ex não serve nem para árbitro de futebol: não apita nada.

O TOQUE DA CLASSE

Levantamentos oficias dizem que a classe C passa de 100 milhões de pessoas no Brasil. Em 2010, 19 milhões de brasileiros foram das classes D e E para a C. Agora, são 53% . Isso quer dizer apenas que a miséria se consolidou no país. Quem era D e E agora é C, pois ganhou a facilidade de crédito vinculado. Hoje pertence a uma classe igualzinha ao que era antes. O trágico é que agora ele deve uma vela pra cada santo. Era feliz e não sabia.

22 de mar de 2011

Tijolaço do Dia


Marcelo Câmara sai no Globo e explica

O Globo de ontem trouxe uma nota muito simpática sobre o trabalho de Marcelo Câmara como cachaçólogo e degustador, ofícios que exerce há mais de quarenta anos. Quase tudo certo com a nota do colunista e amigo Joaquim Ferreira dos Santos. Apenas uma correção: Marcelo não abriu consultoria, apenas reativou plenamente, consultoria de vários serviços profissionais que presta há quase vinte anos.

E como o diretor deste renovado Sanatório é altamente compreensível, pois também é chegado a um “mé” social, autorizou este compreensivo escriba a apresentar as explicações de Marcelo.

Queremos deixar bem claro que o SDN – não confundir com o partido do Kassab pois é apenas a sigla do Sanatório da Notícia – jamais censura ou persegue seus internos ou aqueles que como o Marcelo ficam no vai e vem.

“A minha intenção, ao ser procurado pelo jornal, foi fazer uma breve análise crítica da defectível produção e do enganoso mercado mundial de cachaças, que crescem espetacularmente, impávidos e incólumes, a despeito de todos os seus desvios e reincidentes anomalias, estruturais e conjunturais. Disse a O Globo que Sua Excelência, a Cachaça, uma das mais belas expressões da Cultura Brasileira e um importante produto da nossa economia há mais de quatro séculos, tem raras vitórias contra a insistente inhaca, o amadeiramento calhorda e o veneno latente. Atualmente, é uma façanha hercúlea, um milagre até, encontrar no mercado brasileiro e internacional, Cachaça (nova: fresca ou “descansada”) “pessoalmente” e Cachaça Envelhecida (em suas variadas idades), “pessoalmente”, duas bebidas diversas, com excelência sensorial. Isto é, cachaças que podem receber, na minha avaliação, notas acima de 8 (oito), cachaças com aroma agradável de bagaço de cana-de-açúcar (de melado ou rapadura) e com o sabor delicioso e único do destilado nacional. São seis mil marcas ativas no mercado nacional e pouquíssimas, talvez uma dezena de marcas de Cachaças e outra dezena de Cachaças Envelhecidas que apresentam verdadeiras virtudes sensoriais: o fascinante aroma e o gosto rústico e peculiar da cachaça, essa exuberância sensorial virtuosa, forte e inebriante que encanta os estrangeiros e faz tremer as grandes corporações que produzem os outros destilados como a vodca, o rum, o uísque e o hegemônico soju, à base de arroz coreano. As cachaças tem cheiro e gosto de tudo – álcool anidro, madeira, cereal, ervas, frutas, loção pós-barba, conhaque e uísque falsos, perfume barato, água de colônia, remédio, protocolo do INSS guardado – menos o legítimo perfume e gosto de cachaça, de cana.

Noventa e nove por cento das marcas são medianas ou ruins, não são saborosas. Três são os recursos criminosos normalmente utilizados pela grande maioria que fabrica produtos imbebíveis, e quer vender a sua cachaça nauseabunda. O primeiro consiste em tingi-la com madeiras agressivas, amadeirar criminosa e sordidamente, ao máximo, a cachaça, transformá-la numa mistura de etanol e serragem a fim de esconder a inhaca original e dissimular o seu terrível fedor e sabor de veneno. O outro é criar embalagens luxuosas e escrever no rótulo que tem quatro, seis, oito anos de ‘”envelhecimento”. Por último, estabelecer preços altíssimos, irreais, exorbitantes. Estas são as três formas vigentes de enganar, de ludibriar o pingófilo, ignorante, iniciante ou acostumado a beber mal.

Quem sabe fazer e envelhecer cachaça com sabedoria e arte, cachaça com qualidade química e, principalmente, com excelência sensorial, nada teme, nada tem a esconder, e vende os dois tipos da bebida: a nova e a envelhecida. Nenhuma cachaça permanece cachaça, mantém a sua natureza, preserva as características sensoriais próprias da bebida, se passa de quatro, cinco, seis anos armazenada em madeira, mesmo apropriada e tratada. Nenhuma das dez Cachaças de excelência que possivelmente existem ou nenhuma das dez Cachaças Envelhecidas de excelência que possivelmente existem tem perfume e sabor estranhos, esdrúxulos, que não sejam o de cana. Nenhuma delas possui embalagem sofisticada ou custa mais que cinquenta reais. A dica para quem quer se iniciar na degustação: “O olfato é a antessala do paladar. Se a cachaça não tem o perfume peculiar e característico da cana, do bagaço da cana, que remete ao melado, à rapadura ou ao manuê-de-bacia (bolo feito de melado) – pode desprezar. Não é pinga boa".

Pronto. Marcelo dixit.
(Pela transcrição Carlos Eduardo Behrensdorf – Brasília)
E a lição de casa?!?

E aí, o Seu Encarnado voltou a ficar mudo. Calou-se na hora em que deveria exercitar a modalidade política que mais gosta de praticar: dar aula. Uma falha, por certo, de sua porção professoral.

Diante da criação de mais dois ministérios - um para aeroportos e outro para micro-empresas, o alter ego de Lula, aquele que ainda não desencarnou do cargo de presideus, comeu em tranca. O lado pedagógico do Cara não tugiu nem mugiu.

A platéia ensandecida ficou esperando sentada a sua corriqueira e didática sentença final: "Em vez de...". Dessa feita, Seu Encarnado não ensinou o que deveria ensinar para a primeira-presidenta, sua aplicada discípula: "Em vez de criar um novo ministério, a presidenta Dilma deveria fechar os que nunca serviram pra nada nesse país".

Seu Encarnado apagou a pedra dessa vez. O apagão apenas confirmou que sempre esteve voltado muito mais para estudar e se diplomar nos países dos outros do que para saber o que é mesmo o Brasil.

Assim é que o professor, em vez de se dedicar a governar os países dos outros, deveria se preocupar com o Brasil que, só em cabides ministeriais, já está custando os olhos da cara dos brasileiros. Menos para os bolsa-familiares ociosos e os portadores de carteirinha da base alocada, é claro.

Tudo seria bem mais fácil de entender se, em vez de ser o maior gazeteiro de expediente presidencial da história desse país, o Seu Encarnado, alter ego magistral lulático tivesse feito a lição de casa, quando teve tempo para fazer isso. Tempo e obrigação.

Dos dentes pra fora

Ao invés de...

Seu Encarnado, alter ego de Lula que ainda não desencarnou do papel de presideus, discursou esta semana no Clube Monte Líbano, em São Paulo, para uma platéia extasiada que arrasta o portugues como se tivesse chegado ontem ao Brasil. A dificuldade de dominar o nosso idioma, só para se ter uma leve idéia, é dos níveis do sotaque de Henri Sobel, o rabino colecionador de gravatas. Pobre Sobel, entra aqui como Pilatos no Creio em Deus Padre... É que não foi convidado para a festança.

Pois Seu Encarnado criticou a decisão da ONU de invadir a Líbia. E, cativando a comunidade árabe que promovia o encontro e o discurso, disse que "em vez de mandar avião para bombardear a Líbia, a ONU deveria ter mandado um representante para negociar a paz”.

Simples assim. Quem não sabe fazer, manda fazer. Seu Encarnado ainda não percebeu algumas coisas: aquilo não é invasão, é libertação; ele preside, com honra, o PT e não mais o Brasil; ele é só um palestrante bem remunerado, já não manda mais nem na Dilma, o que dirá na ONU.

Ele faz de conta que não entendeu também que continua querendo governar as ditaduras de seus amigos, irmãos e líderes; finge que não sabe que fez isso durante oito anos. Dedicou-se o tempo todo a governar os vizinhos e amigos ao invés de acabar com a guerra do tráfico, de prender os mensaleiros, de combater o crime organizado estatal, de tratar de cumprir as promessas que fez ao aposentados e pensionistas da Previdência.

Então era só aparecer um membro duro da oposição e mandar o recado de volta para Seu Encarnado: "Ao invés de governar os outros países, da próxima vez venha governar o Brasil".

O alter ego sabe muito bem que Lula não governou para o Brasil. Governou para os Evos e Chávez das redondenzas; para os Ahmadinejads e Kadafis de outras paragens. Lá pra eles, sempre dos dentes pra fora que trabalho não é a sua praia; cá pra nós, governou sempre para os Da Silva e sua base alocada - que ninguém é de ferro.

Guerra é Guerra

Caça americano cai na Líbia

Reprodução/Reuters

Como assim "caça americano cai na Líbia"?!? O avião tropeçou, o céu da Líbia tem lombadas, há redutores de velocidade naqueles ares, o piloto tomou umas que outras, o co-piloto é barbeiro?!? Aquilo lá agora é Guerra, meu. E guerra é guerra, festa é festa e Vasco é Vasco. 

O porta-voz do Comando da África, Kenneth Fiddler apressou-se a dizer que "um caça F-15 Eagle dos EUA caiu na Líbia, depois de um funcionamento defeituoso".  Já o porta-voz de Muar Kadafi gritou para os jornalistas que ainda restam por perto: "Oba! Abatemos o primeiro caça deles. Começou a virada!". Da parte de Dinamite, Diego Souza estraçalhou no campo da luta e detonou o Botafogo.

21 de mar de 2011

Yes we can!!!!

Vestido vermelho e o lobo bom
Por Carlos Eduardo Behrensdorf - Brasília


Com seu vermelhinho básico, a presidente Dilma Rousseff mandou bala em sua fala oficial no já tradicional estilo Wilson Simonal, ou seja, “... não vem que não tem”. Dona Dilma falou claro, calma e pausadamente.

Dando uma geral no que foi escrito, dito e comentado pela eletrizada “Brazilian mass mídia”, nós aqui dentro deste Sanatório cheirando a tinta nova, nos atrevemos a concluir o seguinte, antes que a enfermeira traga a bandeja com os coloridos remedinhos para ver o Jornal Nacional:

Obama fez cara de cartão postal enquanto Dilma criticava as famosas barreiras alfandegárias para produtos brasileiros conhecidos: aço, algodão, carne, etanol, suco de laranja, etc. e tal.

Sobre o interesse no ingresso do Brasil como integrante no Conselho de Segurança da ONU, Obama deu uma de mestre-sala e rodopiou: elogiou a liderança brasileira na América do Sul, disse que a ONU precisa ser aprimorada e fechou malandramente bem: “Vejo a hipótese com apreço e simpatia”

Obama é fofo.

Resumindo: a conversa de sempre. Ou mais resumido: uma vez Flamengo sempre Flamengo.
(Carlos Eduardo Behrensdorf – Brasília)

Yes we can!!!!

Requentando a massa em Pindorama
Por Carlos Eduardo Behrensdorf - Brasília

Como dizem os cronistas maiores de tradicionais meios de comunicação de massa, a performance do presidente norte-americano Barack Obama no Brasil cumpriu a risca o script traçado em Washington. A ordem para mandar bala na Líbia foi rotina administrativa.

O discurso feito no palco do Theatro Municipal do Rio de Janeiro foi o suficiente para alegrar o sensível povo da Terra de Pindorama. Pensando bem, quem é que resiste ser saudado em português por um poderoso sobrinho do Tio Sam?

"Alô, cidade maravilhosa!" foi a senha para começarem os aplausos. As palmas recrudesceram quando Obama, sem gravata e sem documento, falou em futebol, Jorge Benjor e Paulo Coelho.

Só faltou o pedido de bis e o retorno agradecido do orador. Mas, isto seria pedir demais.

Enquanto dentro do Theatro tudo era enlevo e confraternização, do lado do lado de fora o microfone aberto da Globo News, se não me enganei de canal, captava um sonoro e repetitivo grito de guerra: “Um, dois, três, quatro, cinco mil, queremos que Obama vá pra PQP”.

Como pano de fundo, bandeiras vermelhas agitadas de algumas siglas que ainda carregam a foice e o martelo. Como costumeiramente ocorre nestas manifestações, um jovem agitava uma bandeira de Cuba.

Os resultados da visita de Obama ao Brasil e o encontro com a presidente Dilma Rousseff dividem opiniões: os pessimistas dizem que tudo não passou de um espetáculo e os otimistas entendem que o Brasil é tratado como um país que deixou de ser do futuro porque já é presente.

O resto deverá seguir o velho e conhecido refrão: ” business is business”.
Mas esta é outra história. (Carlos Eduardo Behrensdorf – Brasília)

Yes, we can!!!!

Chapa Branca e luvas da mesma cor
Por Carlos Eduardo Behrensdorf - Brasília

Mostrando que alguns dos internos aqui deste renovado Sanatório da Notícia possuem ligações com altos coturnos do Itamaraty, transcrevemos, na integra, um dos mais importantes memorandos de entendimento assinados em Brasília.

Sorry, periferia. Dentro do melhor estilo chapa branca, lá vamos nós:

Ministério das Relações Exteriores
Assessoria de Imprensa do Gabinete
Nota à Imprensa nº 112
19 de março de 2011

Memorando de Entendimento sobre Cooperação para Apoiar a Organização de Grandes Eventos Esportivos Mundiais assinado entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América – Brasília, 19 de março de 2011

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE COOPERAÇÃO PARA APOIAR A ORGANIZAÇÃO DE GRANDES EVENTOS ESPORTIVOS MUNDIAIS

O Governo da República Federativa do Brasil
e O Governo dos Estados Unidos da América
(doravante denominados os “Participantes”),

Considerando que o Brasil é o país anfitrião da Copa do Mundo da FIFA de 2014, dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016 no Rio de Janeiro e de outros importantes eventos esportivos internacionais (os “Eventos”);

Considerando a experiência dos Estados Unidos como anfitrião de Jogos Olímpicos e Paraolímpicos e da Copa Mundial da FIFA; Notando que o Governo da República Federativa do Brasil está empenhado em que o planejamento, a preparação e a atuação como anfitrião dos Eventos representem uma oportunidade para contribuir para o fortalecimento, a prosperidade e a diversidade da economia brasileira e construam um legado sólido com grandes benefícios esportivos, sociais, culturais e educacionais, e está portanto disposto a promover as mais amplas oportunidades nessas áreas;

Considerando que os Participantes pretendem estabelecer um relacionamento de trabalho e uma parceria para partilhar melhores práticas e conhecimentos em relação a estruturas de governança, o papel do governo e a criação de legados econômicos, sociais, culturais e físicos sustentáveis decorrentes desses Eventos;

Afirmando que vêem os Eventos como oportunidades de promover desenvolvimento econômico, eliminação da discriminação racial e étnica, avanço da mulher, inclusão social e sustentabilidade ambiental;

Notando seu desejo de desenvolver a cooperação para garantir a segurança durante os Eventos;

Reconhecendo também seu desejo de maximizar as oportunidades econômicas resultantes dos Eventos;

Recordando seus compromissos anteriores refletidos tanto no Plano de Ação Conjunto para a Eliminação da Discriminação Étnico-Racial e a Promoção da Igualdade, assinado em Brasília em 13 de março de 2008, e o Memorando de Entendimento para o Avanço da Condição da Mulher, assinado em Brasília em 3 de março de 2010; e

Reconhecendo os benefícios potenciais que resultam da cooperação e da troca de informações sobre eventos esportivos mundiais;

Chegaram aos seguintes entendimentos em relação à cooperação:

1. Em reconhecimento da amplitude dos desafios e das oportunidades inerentes ao fato de sediar esses eventos mundiais importantes, a cooperação entre os Participantes enfocará planejamento e desenvolvimento estratégico, infraestrutura, segurança, apoio ao turismo e à hospitalidade e empreendimentos comerciais para o benefício de todos os cidadãos em qualquer nível da sociedade, de forma ambientalmente sustentável, como parte da condução dos Eventos.

2. Os Participantes trabalharão em colaboração para promover cooperação, compreensão e troca de informações (incluindo melhores práticas), procurando ao mesmo tempo eliminar discriminação racial, étnica e de gênero e promover a igualdade de oportunidades para todos.

CONTRATO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE COOPERAÇÃO PARA APOIAR A ORGANIZAÇÃO DE GRANDES EVENTOS ESPORTIVOS MUNDIAIS

O Governo da República Federativa do Brasil
e O Governo dos Estados Unidos da América

(doravante denominados os “Participantes”),

Considerando que o Brasil é o país anfitrião da Copa do Mundo da FIFA de 2014, dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016 no Rio de Janeiro e de outros importantes eventos esportivos internacionais (os “Eventos”);

Considerando a experiência dos Estados Unidos como anfitrião de Jogos Olímpicos e Paraolímpicos e da Copa Mundial da FIFA;

Notando que o Governo da República Federativa do Brasil está empenhado em que o planejamento, a preparação e a atuação como anfitrião dos Eventos representem uma oportunidade para contribuir para o fortalecimento, a prosperidade e a diversidade da economia brasileira e construam um legado sólido com grandes benefícios esportivos, sociais, culturais e educacionais, e está portanto disposto a promover as mais amplas oportunidades nessas áreas;

Considerando que os Participantes pretendem estabelecer um relacionamento de trabalho e uma parceria para partilhar melhores práticas e conhecimentos em relação a estruturas de governança, o papel do governo e a criação de legados econômicos, sociais, culturais e físicos sustentáveis decorrentes desses Eventos;

Afirmando que vêem os Eventos como oportunidades de promover desenvolvimento econômico, eliminação da discriminação racial e étnica, avanço da mulher, inclusão social e sustentabilidade ambiental;

Notando seu desejo de desenvolver a cooperação para garantir a segurança durante os Eventos;

Reconhecendo também seu desejo de maximizar as oportunidades econômicas resultantes dos Eventos;

Recordando seus compromissos anteriores refletidos tanto no Plano de Ação Conjunto para a Eliminação da Discriminação Étnico-Racial e a Promoção da Igualdade, assinado em Brasília em 13 de março de 2008, e o Memorando de Entendimento para o Avanço da Condição da Mulher, assinado em Brasília em 3 de março de 2010; e

Reconhecendo os benefícios potenciais que resultam da cooperação e da troca de informações sobre eventos esportivos mundiais;

Chegaram aos seguintes entendimentos em relação à cooperação:

1. Em reconhecimento da amplitude dos desafios e das oportunidades inerentes ao fato de sediar esses eventos mundiais importantes, a cooperação entre os Participantes enfocará planejamento e desenvolvimento estratégico, infraestrutura, segurança, apoio ao turismo e à hospitalidade e empreendimentos comerciais para o benefício de todos os cidadãos em qualquer nível da sociedade, de forma ambientalmente sustentável, como parte da condução dos Eventos.

2. Os Participantes trabalharão em colaboração para promover cooperação, compreensão e troca de informações (incluindo melhores práticas), procurando ao mesmo tempo eliminar discriminação racial, étnica e de gênero e promover a igualdade de oportunidades para todos.

ATIVIDADES:

1. Os Participantes pretendem detalhar por escrito atividades e projetos específicos de cooperação e colaboração em seguida à assinatura deste Memorando de Entendimento, sujeitos ao direito aplicável e à disponibilidade de fundos.

2. Entre as atividades possíveis contempladas neste Memorando de Entendimento, incluem-se, sem se limitar a elas:

a) Visitas de planejamento a cidades que sediaram recentemente eventos semelhantes;
b) Consultas entre representantes governamentais;
c) Promoção de parcerias público-privadas em apoio aos preparativos para os Eventos;
d) Missões de comércio e exposições comerciais no Brasil e nos Estados Unidos para empreendimentos comerciais afins; e
e) Capacitação e atividades de extensão para grupos em desvantagem e sub-representados para habilitá-los a beneficiar-se do estímulo econômico dos Eventos, por meio de, entre outros, programas de ensino de inglês e treinamento para o trabalho.

DISPOSIÇÕES GERAIS:

1. A troca de informações entre os Participantes será feita de acordo com suas respectivas leis e regulamentos nacionais.

2. Este Memorando de Entendimento não cria direitos ou obrigações no âmbito do direito internacional ou nacional.

3. A implementação deste Memorando de Entendimento será coordenada pela Embaixada dos Estados Unidos, em nome dos Estados Unidos, e pelo Ministério das Relações Exteriores, em nome do Brasil.

4. Este Memorando de Entendimento entra em vigor ao ser assinado. Cada Participante pode, a qualquer momento, notificar o outro, através dos canais

Considerando que o Brasil é o país anfitrião da Copa do Mundo da FIFA de 2014, dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016 no Rio de Janeiro e de outros importantes eventos esportivos internacionais (os “Eventos”);

Considerando a experiência dos Estados Unidos como anfitrião de Jogos Olímpicos e Paraolímpicos e da Copa Mundial da FIFA;

Notando que o Governo da República Federativa do Brasil está empenhado em que o planejamento, a preparação e a atuação como anfitrião dos Eventos representem uma oportunidade para contribuir para o fortalecimento, a prosperidade e a diversidade da economia brasileira e construam um legado sólido com grandes benefícios esportivos, sociais, culturais e educacionais, e está portanto disposto a promover as mais amplas oportunidades nessas áreas;

Considerando que os Participantes pretendem estabelecer um relacionamento de trabalho e uma parceria para partilhar melhores práticas e conhecimentos em relação a estruturas de governança, o papel do governo e a criação de legados econômicos, sociais, culturais e físicos sustentáveis decorrentes desses Eventos;

Afirmando que vêem os Eventos como oportunidades de promover desenvolvimento econômico, eliminação da discriminação racial e étnica, avanço da mulher, inclusão social e sustentabilidade ambiental;

Notando seu desejo de desenvolver a cooperação para garantir a segurança durante os Eventos;

Reconhecendo também seu desejo de maximizar as oportunidades econômicas resultantes dos Eventos;

Recordando seus compromissos anteriores refletidos tanto no Plano de Ação Conjunto para a Eliminação da Discriminação Étnico-Racial e a Promoção da Igualdade, assinado em Brasília em 13 de março de 2008, e o Memorando de Entendimento para o Avanço da Condição da Mulher, assinado em Brasília em 3 de março de 2010; e

Reconhecendo os benefícios potenciais que resultam da cooperação e da troca de informações sobre eventos esportivos mundiais;

Chegaram aos seguintes entendimentos em relação à cooperação:

1. Em reconhecimento da amplitude dos desafios e das oportunidades inerentes ao fato de sediar esses eventos mundiais importantes, a cooperação entre os Participantes enfocará planejamento e desenvolvimento estratégico, infraestrutura, segurança, apoio ao turismo e à hospitalidade e empreendimentos comerciais para o benefício de todos os cidadãos em qualquer nível da sociedade, de forma ambientalmente sustentável, como parte da condução dos Eventos.

2. Os Participantes trabalharão em colaboração para promover cooperação, compreensão e troca de informações (incluindo melhores práticas), procurando ao mesmo tempo eliminar discriminação racial, étnica e de gênero e promover a igualdade de oportunidades para todos.

ATIVIDADES:

1. Os Participantes pretendem detalhar por escrito atividades e projetos específicos de cooperação e colaboração em seguida à assinatura deste Memorando de Entendimento, sujeitos ao direito aplicável e à disponibilidade de fundos.

2. Entre as atividades possíveis contempladas neste Memorando de Entendimento, incluem-se, sem se limitar a elas:

a) Visitas de planejamento a cidades que sediaram recentemente eventos semelhantes;
b) Consultas entre representantes governamentais;
c) Promoção de parcerias público-privadas em apoio aos preparativos para os Eventos;
d) Missões de comércio e exposições comerciais no Brasil e nos Estados Unidos para empreendimentos comerciais afins; e
e) Capacitação e atividades de extensão para grupos em desvantagem e sub-representados para habilitá-los a beneficiar-se do estímulo econômico dos Eventos, por meio de, entre outros, programas de ensino de inglês e treinamento para o trabalho.

DISPOSIÇÕES GERAIS:

1. A troca de informações entre os Participantes será feita de acordo com suas respectivas leis e regulamentos nacionais.

2. Este Memorando de Entendimento não cria direitos ou obrigações no âmbito do direito internacional ou nacional.

3. A implementação deste Memorando de Entendimento será coordenada pela Embaixada dos Estados Unidos, em nome dos Estados Unidos, e pelo Ministério das Relações Exteriores, em nome do Brasil.

4. Este Memorando de Entendimento entra em vigor ao ser assinado. Cada Participante pode, a qualquer momento, notificar o outro, através dos canais diplomáticos, de sua decisão de suspender este Memorando de Entendimento, mas deve empenhar-se em dar um aviso prévio de três meses sobre a suspensão.

5. Este Memorando de Entendimento pode ser modificado mediante consentimento mútuo por escrito dos Participantes.

6. Os Participantes pretendem tratar de qualquer diferença de pontos de vista com relação à implementação ou interpretação deste Memorando de Entendimento mediante consultas diretas.

Assinado em Brasília, em duas vias, em 19 de março de 2011, nos idiomas português e inglês, sendo ambos os textos igualmente válidos.

Nota: As paredes externas do Sanatório foram pintadas de verde e branco por determinação do Ministério da Saúde. Nada ver com o Palmeiras do Felipão.